Pular para o conteúdo principal

ELTON MEDEIROS E SUAS VERDADES SOBRE O SAMBA


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A música brasileira de qualidade está perdendo seus mestres, e o samba, embora seja preservado como patrimônio musical, sofre duras perdas. O sambista Elton Medeiros faleceu no último dia 03, depois de dois dias internado por complicações de pneumonia.

Ele tinha 89 anos e ficou famoso pela parceria com nomes como Cartola, Nelson Sargento, com o qual formou os Cinco Crioulos (que chegou a acompanhar Clementina de Jesus) e Paulinho da Viola, com quem compartilhou alguns discos.

Elton Medeiros e suas verdades sobre o samba

Por Paulo Donizetti de Souza - Rede Brasil Atual

São Paulo – Elton Medeiros foi dos mais importantes compositores do samba brasileiro do século 20. Completaria, aliás, um século de vida em julho do ano que vem. Mas Elton Medeiros morreu nesta quarta-feira (4), em decorrência de complicações de uma pneumonia, e depois de meses brigando com uma saúde debilitada. Despediu-se da Terra e partiu para o céu da música um artista singular.

Certa vez, há 11 anos, Elton concedeu entrevista à Revista do Brasil. Ao repórter Tom Cardoso, dizia ser torcedor do Olaria, contava sobre sua primeira parceria com Cartola em 1964 e discorria uma memorável prosa, intitulada “Umas verdades sobre samba”.

Diz o Elton: “Em meados de 1964, eu estava na casa do Cartola e notei que ele começou a fazer coceguinha no violão. Quando ele ligou o gravador Geloso, eu entrei no embalo e quando percebi havia feito, em poucos minutos, uma música inteira com ele. A casa encheu e Renato Agostini, amigo da família e futuro proprietário do Zicartola, duvidou que a gente tivesse feito uma música em menos de 10 minutos. Desafiado, o Cartola apertou o play do gravador, mas a música não saiu. Ele tinha esquecido de apertar algum botão. Eu só me lembrava da minha parte: Sonhastes com castelo em pedras, que jamais teria… O Renato, então, provocou: Sabia, era tudo mentira de vocês. Onde já se viu compor um samba em dez minutos?”.

O compositor não deixou sem resposta uma provocação sobre o cantor e ator Tony Tornado, que na ocasião havia feito críticas à política de cotas raciais para ingresso nas universidades: “Gosto muito do Tony Tornado, mas não concordo. O sistema de cotas é uma forma de indenizar o negro pelo tempo que ele ficou impedido de entrar na escola. Até hoje, aqui na zona sul do Rio, há escolas que fazem de tudo para impedir que o negro faça parte de seu quadro de alunos. Eu sou formado em Administração de Empresas e durante todo o meu curso só tive dois colegas negros. Nem é preciso ir à faculdade. Basta ver televisão. Você já viu alguma mulher negra passando sabonete pelo corpo em um comercial?”

No último dia 25 de agosto, Paulinho da Viola, um de seus mais importantes parceiros, postou no Facebook uma sucessão de capas de álbuns (galeria acima), lembrando alguns trabalhos antológicos que fizeram juntos.

Diz Paulinho: “A primeira foto mostra o único exemplar que eu tenho da capa original do LP Na Madrugada que gravei com Elton Medeiros em 1966. Esta capa foi criada pelo artista plástico Walter Wendhausen. Na última foto, é possível ver a versão lançada recentemente. Por isso o meu interesse em restaurar essa capa que não é fácil de achar”. Assim como amor catando naquele rio que passou em sua vida. Assim como parceiros como Elton Medeiros.

Umas Verdades Sobre o Samba

Por Tom Cardoso - Rede Brasil Atual

Elton Medeiros mal deixara de usar fraldas quando Heitor dos Prazeres, amigo de seu pai, decidiu levar o garoto para conhecer Cartola, o fundador da Estação Primeira de Mangueira. Elton, apavorado, não foi. Achava que ainda era muito novo para subir o morro e visitar uma mulher – ainda mais chamada Cartola. Boa coisa não poderia ser.

Três décadas depois, o mesmo garoto, já um calejado compositor de escola de samba, e a tal “mulher”, se reuniram para compor, de improviso, duas músicas em menos de meia hora. Uma, O Sol Nascerá (“A sorrir/ Eu pretendo levar a vida/ Pois chorando/ Eu vi a mocidade/ Perdida…”), entrou para a galeria dos grandes sambas da história, a outra, por causa de um defeito no gravador, perdeu-se no tempo e jamais foi cantada.

Elton, de 78 anos, é um ranzinza bom de prosa, avesso a chatos – sua secretária eletrônica faz o possível para mantê-los longe de seu alcance. Dono de memória prodigiosa, é capaz de lembrar a cor do sapato com que Zé Kéti estreou no Teatro Opinião ou do jeito que Cartola gostava de sentar na cadeira.

De seu agradável apartamento no Leblon, no Rio de Janeiro, só sai para cantar ou para tomar vinho com o velho amigo e parceiro Paulinho da Viola – desde que ele não fume charutos. A casa de Elton, parceiro de Cartola, Carlos Cachaça, Paulinho da Viola, Paulo Vanzolini, Tom Zé e Hermínio Bello de Carvalho, é enfeitada de adereços africanos. Sua ligação com a cultura negra é forte. É bisneto de africano e neto de escravo líder de quilombo na região de Friburgo. O pai, um pé-de-valsa dos mais elegantes, mas péssimo violonista, foi alfabetizado pela família de um ministro para quem os Medeiros trabalharam. “Então, não me venha perguntar se estou feliz com a eleição do Barack Obama. Não respondo a perguntas idiotas.”

É justa sua fama de ranzinza?
Olha, eu sigo a tática do Jamelão e do Radamés (Gnattali): sou ranzinza apenas com os chatos. Outro dia veio aqui um menino de São Paulo. Eu era o tema de sua monografia. Fui ler e só encontrei bobagens. Tinha coisas do tipo “Elton mantém sempre o cabelo bem penteado…” Que relevante, né? Ele também insistia, como você, com essa história de eu ser ranzinza. Não era uma monografia, era uma crítica comportamental! Não tenho o mínimo saco para essa gente. Com os meus amigos, sou um homem feliz, bem-humorado. Sou filho de pais festeiros.

Filho de pai dançarino e mãe sanfoneira…
Meu pai era um exímio dançarino do Rancho Corbeille de Flores (os ranchos foram os precursores das escolas de samba). Era um pé-de-valsa – ensinou os dez filhos a dançar. Duro mesmo era quando ele atacava de violonista. Era péssimo. Minha mãe, boa sanfoneira, chegou a formar um trio, o proibia de tocar nas festas lá em casa. Só podia dançar. Todo mundo gostava muito de música lá em casa. Minha mãe era sofisticada, adorava Edith Piaf.

O senhor cresceu no bairro da Glória?
Sim, que era um dos redutos de saraus e serestas do Rio. Cansei de acordar no meio da noite com um sujeito cantando para alguma moça na janela. Naquela época, passear pelo centro do Rio era um programão. Não é como hoje. Se alguém cantar na janela do outro é multado por um fiscal ou corre o risco de tomar uma bala perdida. No meu tempo, era possível ver o maestro Radamés Gnattali regendo na sala de espera do Cine Odeon ou ouvir Pixinguinha tocando no bar da Galeria Cruzeiro.

O senhor foi aluno de Pixinguinha?
Queria aproveitar a entrevista para corrigir um erro comum dos jornalistas. Coloca aí, em letra maiúscula: nunca tive aula com pixinguinha. Toda matéria que sai sobre mim tem essa informação. Eu tive aula com outro mestre, Heitor Villa-Lobos.

E como eram as aulas com Villa-Lobos?
Não eram bem aulas. Eu nunca troquei uma palavra com ele. O Villa-Lobos era coordenador de um projeto de educação musical e artística da prefeitura do Rio de Janeiro. Ele impunha a todas as escolas um rigoroso ensino de canto orfeônico, com canções folclóricas e patrióticas. E, de vez em quando, aparecia nas escolas, acompanhado da Banda da Guarda Municipal, que era belíssima, bem diferente da porcaria de hoje, para tomar a lição dos professores de canto. Todo mundo tinha medo dele, inclusive eu. Alguns imbecis diziam que as canções patrióticas que a gente aprendia na escola eram uma demonstração nazi-fascista do governo Getúlio Vargas. Sim, era uma ditadura – e uma ditadura nunca é algo bom -, mas naquela época o ensino era valorizado e a música brasileira também. Não é como hoje, que a música brasileira perdeu completamente o espaço para a música estrangeira.

Mas a Tropicália, nos anos 60, revolucionou a música brasileira promovendo justamente essa mistura de música brasileira com a estrangeira, não?
Olha, eu não sou crítico musical e não estou aqui para atacar ninguém. Cada um tem consciência de seu dever. Meu compromisso é com a cultura do meu país, de divulgar em alta escala as músicas que são representativas do cancioneiro da minha terra. Não deixaria jamais o gênero do meu país para fazer o do outro. Você já viu americano fazendo samba?

Mas a bossa nova também tinha influência do jazz americano…
Eu acho a bossa nova muito importante. Ela representa a devolução da influência da música americana no país.

De onde veio sua paixão pelo samba?
Aos 8 anos eu deixei o bairro da Glória, onde nasci, e fui morar em Brás de Pina, subúrbio do Rio, reduto de grandes sambistas. Eu cheguei até a compor um sambinha, incentivado pelo meu irmão Aquiles. Mas ele próprio, ao ouvir a música, disse que era horrorosa, de rima pobre, sem balanço e achou melhor eu esperar mais um pouco. O meu primeiro samba para valer foi Falta de Queda, em 1959, gravado pelo Jamelão.

O senhor foi mostrar a música para o Jamelão?
Não, não teria essa pretensão. O Jamelão nem sabia quem eu era. Eu cantei o samba para os diretores de harmonia da escola de samba Aprendizes do Lucas. Havia todo um ritual, não é como é hoje, que todo mundo canta, sem ritmo, na maior bagunça. Primeiro entravam as pastoras e sentavam em círculo no meio do terreiro. Depois, os homens, com os instrumentos, que ficavam em volta das mulheres num plano superior. Nesse momento, as pastoras recebiam uma cópia da letra da nova música e todos ficavam em silêncio, esperando o momento do diretor de harmonia, a maior autoridade do terreiro, dar o sinal. As pastoras começavam a cantar bem baixinho e, quando o diretor levantava o braço e apitava, o batuque começava, junto com a primeira parte da música. Era de arrepiar, algo emocionante. O Jamelão, que frequentava a Aprendizes, gostou da música e decidiu gravar, acompanhado da Orquestra Tabajara. Veja só que honra a minha.

Com a gravação do Jamelão o senhor passou a ser conhecido?
Sim, nas rodas de samba. Eu não era um artista de rádio, cantor popular. Tanto que quase fui barrado na porta da rádio Mayrink Veiga.

Por quem?
Pelo porteiro. O Alvaiade da Portela tinha falado de meus sambas para o Sérgio Porto, o Stanislaw Ponte Preta (radialista, cronista e jornalista, um dos maiores da época), que comandava o badalado programa Na Batida do Samba. Eu selecionei dez músicas de minha autoria, coloquei minha melhor roupa e fui para lá. Estava meio ressabiado – eu era um ilustre desconhecido. O porteiro percebeu a minha hesitação e me barrou. Achava que eu era mais um “peru de estação de rádio”, como eles chamavam os caras que ficavam peruando na porta das emissoras à procura de estrelas. Quando eu disse que estava ali a convite do Sérgio Porto, ele riu: “Conta outra, negão”. A sorte é que o próprio Sérgio Porto estava passando por lá na hora, colocou a cabeça para fora da porta e disse apenas uma palavra: “Entra!”. O porteiro ficou, como dizia a minha mãe, com cara de tacho.

O Sérgio Porto gostou de suas músicas?
O Sérgio Porto era uma figura ocupadíssima, nem teve tempo para falar comigo. O Carlito (lendário pianista da Mayrink) foi quem ficou encarregado de passar minhas músicas para o piano. Ia tudo muito bem até que um sujeito intrometeu-se no meio do ensaio e deu uma dica para Carlito: “Experimenta essa harmonia, eu acho que fica melhor na música do rapaz, não?” A melodia sugerida pelo sujeito era, de fato, muito melhor que a minha. No fim, por curiosidade, perguntei ao Carlito quem era o cara. E ele: “É o Vadico” (grande pianista e maestro, um dos maiores compositores da história da música brasileira, parceiro de Noel Rosa em Feitiço da Vila e Conversa de Botequim). Eu quase desmaiei. Tinha virado quase parceiro de Vadico.

Seu grande parceiro é Paulinho da Viola, com quem compôs um caminhão de grandes sambas, como Onde a Dor Não Tem Razão, Ame, Bem que Mereci, Dívidas, Vida, Samba do Amor, Pra Fugir da Saudade… O senhor se lembra da primeira vez em que viu Paulinho?
Sim, foi no Zicartola (misto de restaurante e reduto cultural, que pertenceu ao casal Dona Zica e Cartola, nos anos 1960). Na época, eu andava sumido das rodas de samba. Estava fazendo umas farras a mais. Eu chegava em casa de manhã, trocava de roupa e ia para a repartição (Elton trabalhou a vida inteira como administrador do Estado, aposentou-se em 2002). Estava me acabando com as mulheres. Não vou entrar em detalhes porque isso vai virar uma novela erótica (risos). Meu pai, que apesar de boêmio não bebia e era muito sério, me alertou: “Meu filho, você está muito magro. Tem de dar um tempo, vai para casa descansar, dá um sossego”. Eu voltei a frequentar o Zicartola e, apresentado pelo jornalista Ilmar Carvalho, conheci o Paulinho.

E como foi o encontro?
O Ilmar disse que havia um jovem compositor de sambas muito bom que eu precisava conhecer. “Ele é muito tímido, acanhado, você precisa ir lá falar com ele”, avisou. E eu fui caminhando pelo Zicartola, à procura do Paulinho. Ele estava nos fundos do restaurante, sentado na escada que dava para o sótão, quase escondido. Ele me conhecia – eu já tinha uma certa fama nas rodas de sambas – e ficou ainda mais acanhado quando fui me apresentar. O resto você já sabe. Fizemos todas aquelas músicas, gravamos um disco (Na Madrugada, de 1966), tocamos no mesmo grupo…

Vocês integraram dois dos mais marcantes grupos de samba da história: A Voz do Morro (com Jair do Cavaco, Zé Kéti e Nescarzinho do Salgueiro) e os Os Cinco Crioulos (com Jair, Nescarzinho, Nelson Sargento e Mauro Duarte). Como foi conviver com essas figuras?
Era muito divertido. Não há mais grupos de samba como antigamente. Pergunte para o Nelson Sargento como foi a entrada dele no Cinco Crioulos. Você vai morrer de rir…

Conte o senhor.
Eu e o Hermínio (Bello de Carvalho) formamos o grupo, mas, na última hora, percebemos que faltava mais um violão. Decidi, então, procurar o Nelson Sargento, que andava meio esquecido, lá na Mangueira. O problema é que o Nelson morava na parte mais alta do morro. Ele dizia sempre: “Olha, pessoal, de cima para baixo, o meu barraco é o primeiro do morro”. Passamos primeiro na casa do Carlos Cachaça para pedir algumas dicas de como chegar lá, mas na última hora o Hermínio ficou com medo e desistiu. Fui sozinho. Subi o morro da Mangueira inteirinho e quando cheguei no pico, com o Rio de Janeiro todo lá embaixo, a mulher avisou que ele não estava. Deixei recado para ele encontrar a gente no dia seguinte no teatro onde o grupo estava ensaiando.

Ele foi?
Sim, foi. Ele era pintor de paredes e chegou carregando uma lata de tintas e um monte de pincéis. Achou que era para dar uma “geral” no visual do teatro. E o Hermínio: “Não, Sargento, é para tocar violão no nosso novo grupo”. Ele ficou todo sem graça e voltou meia hora depois, com um violão todo verde, que havia comprado de um mendigo (risos).

E com o Cartola, alguma boa história?
Era muito divertido acompanhar o processo criativo do Cartola. Ele colocava o pé esquerdo num banquinho, sempre de chinelo, e o violão encostado atrás da cadeira. Quando começava a ter uma ideia de música, passava a acariciar o violão até decidir dedilhar as primeiras melodias. Registrava todos os sambas em um gravador de marca Geloso, dado a ele de presente por Carlos Lyra.

Como surgiu a primeira parceria de vocês?
É curioso, existem várias histórias em torno da minha primeira parceria com Cartola, mas nenhuma é verdadeira. Imagine, chegaram a dizer que eu levei uma grana de um sujeito depois de ter apostado que conseguiria compor de improviso uma parceria com o Cartola. É tudo ficção.

Qual é a verdadeira história?
Em meados de 1964, eu estava na casa do Cartola e notei que ele começou a fazer coceguinha no violão. Quando ele ligou o gravador Geloso, eu entrei no embalo e quando percebi havia feito, em poucos minutos, uma música inteira com ele. A casa encheu e Renato Agostini, amigo da família e futuro proprietário do Zicartola, duvidou que a gente tivesse feito uma música em menos de dez minutos. Desafiado, o Cartola apertou o play do gravador, mas a música não saiu. Ele tinha esquecido de apertar algum botão. Eu só me lembrava da minha parte: “Sonhastes com castelo em pedras, que jamais teria…” O Renato, então, provocou: “Sabia, era tudo mentira de vocês. Onde já se viu compor um samba em dez minutos?”.

E aí?
O Cartola era muito orgulhoso. Ele começou a acariciar o violão, olhou para mim, e começamos a compor outra música: “A sorrir, eu pretendo levar a vida/ pois chorando eu vi a mocidade…” O Cartola colocou o título O Sol Voltará, mas eu achei melhor – e ele também – ficar com O Sol Nascerá. O Renato, com o rabo entre as pernas, nunca mais ousou nos desafiar.

E a música que o gravador perdeu?
A gente nunca mais lembrou (risos). Mas fizemos outras (Peito Vazio, Sofreguidão, Injúria e A Mesma História).

Como o senhor vê a questão das cotas em universidades? O Tony Tornado afirmou, recentemente, “que não aceitava esmola de governo e que o negro tinha de lutar sozinho por seus direitos”.
Eu gosto muito do Tony Tornado, mas não concordo. O sistema de cotas é uma forma de indenizar o negro pelo tempo que ele ficou impedido de entrar na escola. Até hoje, aqui na zona sul do Rio, há escolas que fazem de tudo para impedir que o negro faça parte de seu quadro de alunos. Eu sou formado em Administração de Empresas e durante todo o meu curso só tive dois colegas negros. Nem é preciso ir à faculdade. Basta ver televisão. Você já viu alguma mulher negra passando sabonete pelo corpo em um comercial?

O senhor gravou poucos discos durante a carreira.
Eu não trabalho para fazer sucesso. Não tenho contrato fixo com gravadora. Pela Biscoito Fino, por exemplo, assinei o contrato de um ano e agora estou livre de novo. Já avisei a Kati Almeida Braga (dona da Biscoito Fino) que o meu ritmo é diferente. Adoro fazer shows, estou sempre em São Paulo, onde o mercado é ótimo, cantando minhas parcerias com Paulinho, Zé Kéti, Cartola. Esse é meu patrimônio: meus parceiros.

O senhor não se cansa da rotina de viagens?
Eu tenho 78 anos, mas estou em plena forma. Eu sou um menino ainda. Se chegar perto de mim você sente cheiro de leite materno (risos).

O Paulinho da Viola ficou muito triste com a queda do Vasco para a segunda divisão?
Não, quem conhece o Paulinho sabe que ele não vai dar tiro no ouvido por causa disso.

E qual o seu time de coração?
Olaria.

Olaria?
Sim, algum problema?

Nunca tinha falado com um torcedor do Olaria.
Agora está conversando.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

SIMCA CHAMBORD

ANÚNCIO BRASILEIRO DO SIMCA CHAMBORD, PUBLICADO EM REVISTAS DIVERSAS, EM 1958.

Extraído do portal WIKIPEDIA

Simca Chambord foi o nome de um automóvel produzido pela Simca francesa entre 1958 e 1961, desenvolvido a partir do Simca Versailles. Tal como este, imitava os automóveis estadunidenses da época. Foi o primeiro automóvel de luxo fabricado no Brasil, a partir de 1959, tendo continuado a ser construído sob licença pela Simca do Brasil até 1967.[1] O Chambord também marcou uma época por ser o veículo usado pelo ator Carlos Miranda, protagonista da popular série de TV O Vigilante Rodoviário.

DEFICIÊNCIAS

Apesar de sua boa aparência, o Chambord tinha o desempenho comprometido por um motor V8 fraco, o que lhe valeu o apelido jocoso de "O Belo Antônio" (bonito, mas impotente).

VARIANTES

O Simca Présidence foi uma versão luxuosa do Simca Chambord. Tinha rodas do tipo aro de bicicleta, pneu estepe atrás do porta-malas, cores exclusivas e bancos de couro. Foi lançado em 1965 com um mo…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

HÁ 50 ANOS, PERDEMOS SYLVIA TELLES, UMA DAS MAIORES CANTORAS DO BRASIL

Por Alexandre Figueiredo

Até hoje, a perda da cantora Sylvia Telles, um dos maiores nomes da Bossa Nova e da moderna MPB, deixou uma lacuna irreparável. Diante de uma situação em que a MPB sofre uma crise, perdida em excesso de tributos e clichês pós-tropicalistas ou revivalistas, não há uma cantora que pudesse se equiparar à voz intensa, meiga, forte, dramática e sensualmente doce de Sylvinha Telles.

Ela teve uma breve carreira de 12 anos. Breve, mas de altíssima qualidade. Raramente compôs músicas, mas como intérprete dava sua marca forte em interpretações que se encaixavam em arranjos bossanovistas, jazzísticos e diante de uma orquestra. E tinha uma modernidade juvenil que dava um frescor musical intenso, de um grande talento prematuramente falecido.

Sua primeira música gravada foi "Amendoim Torradinho", composição de Henrique Beltrão, que fazia parte de um número musical da peça de teatro de revista Gente Fina e Champanhota, em 1955. Um dos músicos acompanhantes, José C…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

ROBERTO LEAL, CANTOR PORTUGUÊS, MORRE AS 67 ANOS EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Um ídolo pop de Portugal, ao se radicar no Brasil, tornou-se um dos ícones do fado pop mais populares no Brasil, lançado em 1974. Estando ativo até seus últimos dias, o cantor Roberto Leal, no entanto, não conseguiu se curar de um câncer muito raro e faleceu de insuficiência renal provocada por um tumor. 
A morte, aos 67 anos, de Roberto Leal causa comoção em muitos fãs que perderam o cantor, que simbolizou uma das nem sempre constantes permutas entre Brasil e Portugal nas últimas décadas.
Roberto Leal, cantor português, morre aos 67 anos em SP

Por Tahiane Stochero e Abrahão de Oliveira - G1 São Paulo

O cantor português Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo (15), em São Paulo, aos 67 anos. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Hospital Samaritano, onde o cantor estava internado. Ele ficou conhecido pelas músicas "Arrebita" e "Bate o pé".

O cantor deixa a mulher, Márcia Lúcia, e três filhos.

A morte ocorreu devido a…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…