Pular para o conteúdo principal

O ADEUS AO DIRETOR DE CINEMA ITALIANO FRANCO ZEFFIRELLI


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A fase clássica do cinema europeu em geral, e do cinema italiano em particular, perdeu mais um cineasta, Franco Zefirelli, o que faz com que, aos poucos, desaparecesse a grandeza dessa fase do cinema do século XX, o que complica as coisas diante da supremacia do cinema comercial que invade até mesmo o dito "cinema alternativo" (cono é o cínico lema do TeleCine Cult, que ao menos deveria se chamar TeleCineOldies).

Fica a lição no que se refere à arte e à técnica cinematográfica que os cursos de cinema devem ensinar a novos aspirantes cinematográficos que, se não vão reconstituir aqueles tempos, pelo menos herdarão a competência e o talento dos grandes mestres.

O adeus ao diretor de cinema italiano Franco Zeffirelli

Por Gregorio Belinchón - El País

Com a morte de Franco Zeffirelli, cujo nome real era Gianfranco Corsi, no sábado aos 96 anos em sua casa em Roma, desaparece uma concepção de cinema muito próxima à operística. Atualmente, muitos diretores também consideram os filmes como ferramentas para levantar grandes espetáculos, mas a linha de Zeffirelli, herdada de um gênio que também foi seu amante, Luchino Visconti, desaparece com ele. Visconti criou um cinema mais apegado à terra e aos sentimentos que o de Zeffirelli, cuja obra se manteve aferrada a um classicismo na forma e nos temas e autores que o inspiraram. Apesar disso, a carreira do cineasta se prolongou durante seis décadas através do cinema, do teatro e da ópera. Com indubitável sucesso, especialmente nos anos sessenta e setenta: é um dos oito diretores italianos que foram indicados ao Oscar. Zeffirelli “se apagou serenamente após uma longa doença”, disseram alguns veículos de comunicação italianos citando fontes próximas ao cineasta.

Nascido em Florença em 1923, Gianfranco Corsi era o filho ilegítimo de um comerciante de lãs, Ottorino Corsiuna, e uma estilista, Adelaide Garosi Cipriani, que tinha um próspero negócio no centro da cidade. Os dois eram casados com outras pessoas, e o escândalo do nascimento de Gianfranco prejudicou a loja de sua mãe, que faleceu quando seu filho tinha seis anos. Garosi era apaixonada por Mozart, e quis dar ao menino o nome da aria de Idomeneo chamada Zeffiretti lusinghieri, mas se enganaram no registro civil e escreveram Zeffirelli.

Criado na casa de uma tia, onde aprendeu inglês, sua paixão pelo teatro começou durante sua infância, quando ao passar férias na Toscana viu obras representadas por companhias itinerantes. Durante a Segunda Guerra Mundial, Zeffirelli fez parte da guerrilha da resistência italiana, e após a entrada das tropas aliadas em seu país, trabalhou como tradutor para um regimento escocês.

Com o final do conflito, o artista estudou Arte e Arquitetura em sua cidade natal e começou a atuar em produções radiofônicas. Chegou ao cinema como ajudante de direção de Vittorio de Sica, Roberto Rossellini e do homem que mudou sua vida, Luchino Visconti. Eles se conheceram em Roma, quando Zeffirelli atuou em um pequeno papel de uma adaptação teatral de Crime e Castigo dirigida por Visconti. Em 1948 se transformou em seu assistente de direção em A Terra Treme. Também trabalhou com Visconti em Sedução da Carne (1954), e Zeffirelli ajudou Salvador Dalí a colocar a salvo os desenhos que o pintor espanhol realizou para a versão destinada aos palcos italianos dirigida por Visconti de As You Like It, de Shakespeare.

Em meados dos anos cinquenta nasceu sua amizade com Maria Callas, a quem dirigiu em várias óperas – Zeffirelli costumava se encarregar também da cenografia –, de modo que após estrear na direção cinematográfica com a comédia Camping (1958), seu segundo longa-metragem foi o documentário para televisão Maria Callas: Live at Covent Garden (1964).

Em 1960, após dirigir com sucesso a ópera Lucia di Lammermoor, na Royal Opera House de Londres, provocou um terremoto nos palcos londrinos com sua versão no Old Vic de Romeu & Julieta, com cenários que recriavam a Itália de forma realista e com um jovem elenco de acordo com as idades das personagens do drama de Shakespeare, começando pelos protagonistas, John Stride e Judi Dench. Com esse trabalho ganhou um Tony especial pela cenografia.

Manteve a mesma aposta ao levar Romeu & Julieta ao cinema em 1968. O casal protagonista, Leonard Whiting e Olivia Hussey, era tão jovem que, como na tela apareciam os seios de Hussey, a atriz não pôde assistir a première do filme em Londres porque a classificação de idade recebida por Romeu & Julieta não a deixava entrar na sala. Ainda que um ano antes Zeffirelli havia dirigido Richard Burton e Elizabeth Taylor em A Megera Domada (sua versão da obra), foi Romeu & Julieta o filme que lhe deu fama, uma indicação ao Oscar e o transformou em milionário.

Muitos de seus filmes não suportaram bem o passar do tempo; somente alguns, como sua biografia de São Francisco de Assis, Irmão sol, irmã lua, de 1972, mantêm sua frescura e inovação. Entre seus trabalhos baseados em óperas se destacam La Traviata (1982) – com a qual obteve sua segunda indicação ao Oscar, dessa vez graças à sua direção artística –, Cavalleria Rusticana (1982), Tosca (1985), Otello (1986) e Don Carlo (1992).

Nos anos setenta conseguiu encadear três de seus grandes sucessos. Primeiro, em 1976, dirigiu Plácido Domingo em um espetacular Otello no La Scala; depois filmou uma desmistificadora e realista visão – tanto para cinema como para televisão – da vida de Jesus Cristo em Jesus de Nazaré (1977), e por fim dirigiu uma nova versão do drama de pugilismo O Campeão (1979), com Jon Voight, Faye Dunaway e Rick Schroder.

Entre seus filmes estão O Jovem Toscanini (1988) – biografia do mítico diretor de orquestra, idolatrado por Zeffirelli (o cineasta era neto de outro diretor de orquestra) –; Hamlet (1990), com Mel Gibson e Glenn Close; Sparrow (1993), Jane Eyre - Encontro com o Amor (1996), com William Hurt e Charlotte Gainsbourg, e Chá com Mussolini (1999), em que ele, sem basear-se em fatos reais, ilustrou o ambiente em que se criou o diretor. Como homenagem a sua amiga Maria Callas, seu último filme foi uma biografia sobre os últimos anos da diva: Callas Forever (2002).

Católico e conservador – foi senador de 1994 a 2001 pelo partido de Silvio Berlusconi, Força Itália –, Zeffirelli detestava a palavra gay (“Uma forma estúpida de chamar os homossexuais, como se fossem palhacinhos inócuos e divertidos”, escreveu em sua autobiografia de 2003). Em suas memórias disparou contra muita gente, como os críticos: “A ignorância, a incompetência e, principalmente, a falta de paixão de muitos críticos são evidentes. Para alguns deles sou uma relíquia do passado, o representante de um estilo teatral abandonado pelas novas gerações de diretores. O fato de que meu trabalho continua sobrevivendo impávido, apesar de sua hostilidade, os irrita profundamente”.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

SIMCA CHAMBORD

ANÚNCIO BRASILEIRO DO SIMCA CHAMBORD, PUBLICADO EM REVISTAS DIVERSAS, EM 1958.

Extraído do portal WIKIPEDIA

Simca Chambord foi o nome de um automóvel produzido pela Simca francesa entre 1958 e 1961, desenvolvido a partir do Simca Versailles. Tal como este, imitava os automóveis estadunidenses da época. Foi o primeiro automóvel de luxo fabricado no Brasil, a partir de 1959, tendo continuado a ser construído sob licença pela Simca do Brasil até 1967.[1] O Chambord também marcou uma época por ser o veículo usado pelo ator Carlos Miranda, protagonista da popular série de TV O Vigilante Rodoviário.

DEFICIÊNCIAS

Apesar de sua boa aparência, o Chambord tinha o desempenho comprometido por um motor V8 fraco, o que lhe valeu o apelido jocoso de "O Belo Antônio" (bonito, mas impotente).

VARIANTES

O Simca Présidence foi uma versão luxuosa do Simca Chambord. Tinha rodas do tipo aro de bicicleta, pneu estepe atrás do porta-malas, cores exclusivas e bancos de couro. Foi lançado em 1965 com um mo…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

HÁ 50 ANOS, PERDEMOS SYLVIA TELLES, UMA DAS MAIORES CANTORAS DO BRASIL

Por Alexandre Figueiredo

Até hoje, a perda da cantora Sylvia Telles, um dos maiores nomes da Bossa Nova e da moderna MPB, deixou uma lacuna irreparável. Diante de uma situação em que a MPB sofre uma crise, perdida em excesso de tributos e clichês pós-tropicalistas ou revivalistas, não há uma cantora que pudesse se equiparar à voz intensa, meiga, forte, dramática e sensualmente doce de Sylvinha Telles.

Ela teve uma breve carreira de 12 anos. Breve, mas de altíssima qualidade. Raramente compôs músicas, mas como intérprete dava sua marca forte em interpretações que se encaixavam em arranjos bossanovistas, jazzísticos e diante de uma orquestra. E tinha uma modernidade juvenil que dava um frescor musical intenso, de um grande talento prematuramente falecido.

Sua primeira música gravada foi "Amendoim Torradinho", composição de Henrique Beltrão, que fazia parte de um número musical da peça de teatro de revista Gente Fina e Champanhota, em 1955. Um dos músicos acompanhantes, José C…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

ROBERTO LEAL, CANTOR PORTUGUÊS, MORRE AS 67 ANOS EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Um ídolo pop de Portugal, ao se radicar no Brasil, tornou-se um dos ícones do fado pop mais populares no Brasil, lançado em 1974. Estando ativo até seus últimos dias, o cantor Roberto Leal, no entanto, não conseguiu se curar de um câncer muito raro e faleceu de insuficiência renal provocada por um tumor. 
A morte, aos 67 anos, de Roberto Leal causa comoção em muitos fãs que perderam o cantor, que simbolizou uma das nem sempre constantes permutas entre Brasil e Portugal nas últimas décadas.
Roberto Leal, cantor português, morre aos 67 anos em SP

Por Tahiane Stochero e Abrahão de Oliveira - G1 São Paulo

O cantor português Roberto Leal morreu na madrugada deste domingo (15), em São Paulo, aos 67 anos. A informação foi confirmada pela assessoria de imprensa do Hospital Samaritano, onde o cantor estava internado. Ele ficou conhecido pelas músicas "Arrebita" e "Bate o pé".

O cantor deixa a mulher, Márcia Lúcia, e três filhos.

A morte ocorreu devido a…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…