Pular para o conteúdo principal

TOM WOLFE, ESCRITOR E JORNALISTA, MORRE AOS 88 ANOS


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Tom Wolfe pode não ter sido, rigorosamente, o primeiro repórter a escrever textos com linguagem literária, até porque isso vem desde quando há escrita na História da Humanidade.

Mas, no jornalismo contemporâneo, foi ele que consagrou a linguagem literária dentro da técnica jornalista, arejando os textos jornalísticos com mais criatividade e com uma narrativa que permitia até mesmo usar relatos típicos dos diários íntimos. Wolfe foi romancista, mas sua técnica literária fez várias de suas obras jornalísticas se tornarem trabalhos fundamentais na história do jornalismo mundial.

Tom Wolfe, escritor e jornalista, morre aos 88 anos

Do Portal G1

O escritor americano Tom Wolfe, um dos maiores e mais inovadores nomes do jornalismo do século 20, morreu nesta segunda-feira (14) aos 88 anos.

Autor do livro-reportagem "The right stuff" (que rendeu o premiado filme "Os eleitos") e do romance "A fogueira das vaidades" (também adaptado para o cinema), ele estava internado em um hospital de Manhattan, em Nova York, para se tratar de uma infecção, segundo sua agente, Lynn Nesbit.

Wolfe foi um dos autores mais influentes do New Journalism (também chamado de Jornalismo Literário ou Novo Jornalismo), movimento que revolucionou a escrita de não ficção a partir da década de 1960 e que teve como expoentes Gay Talese, Truman Copote (1924-1984) e Norman Mailer (1923-2007).

Em suas longas reportagens autorais, esses escritores passaram a tratar o jornalismo como uma forma de arte ao aproximá-lo da literatura. Usavam técnicas e recursos de narrativa e de edição até então associados a romances, contos e ensaios.

No caso de Wolfe, destacavam-se a sátira, o humor irônico, a irreverência e a habilidade única com a linguagem, num estilo de escrita ousado – alternava passagens eruditas e sofisticadas com momentos em que buscava representar a linguagem oral e desafiava a gramática.

Era uma produção que misturava gírias e neologismos. O uso incomum da pontuação também marca a obra do autor (veja, abaixo, os principais livros de Tom Wolfe).

Tom Wolfe deixa a mulher, Sheila Wolfe, designer gráfica e ex-editora de arte da revista "Harpers" com quem foi casado por 48 anos e com quem teve um casal de filhos, Thomas e Alexandra.

'A fogueira das vaidades' e 'Os eleitos'

Além de livros-reportagem e coletâneas de não ficção, como "Radical Chique e o Novo Jornalismo" (Companhia das Letras), Tom Wolfe escreveu obras de ficção, como "A fogueira das vaidades", originalmente lançado em 1987.

O romance foi adaptado para o cinema em 1990, em filme homônimo dirigido por Brian De Palma e estrelado por Tom Hanks, Bruce Willis e Melanie Griffith.

Outra obra de Wolfe que virou filme foi "Os eleitos" (Rocco). Neste livro-reportagem, ele contou a história de pilotos de provas que foram transformados em astronautas em um projeto espacial pioneiro dos Estados Unidos.

Chamado "Os eleitos – Onde o futuro começa", de 1983, o longa com Sam Shepard, Scott Glenn, Ed Harris e Dennis Quaid ganhou quatro estatuetas do Oscar.

Características da obra

Três dos mais emblemáticos textos de Tom Wolfe estão reunidos na coletânea "Radical Chique e o Novo Jornalismo", editada no Brasil em 2005:

- "Radical Chique", sobre uma reunião elitista organizada pelo maestro Leonard Bernstein (1918-1990) para arrecadar fundos para o Partido dos Panteras Negras (alguns membros estavam no encontro);

- "O último herói americano", perfil do piloto de stock car Junior Johnson;

- "A garota do ano", perfil da socialite americana Baby Jane Holzer.

No posfácio da obra, Joaquim Ferreira dos Santos escreveu sobre o estilo do autor: "Se os Beatles colocaram uma colher de LSD na música, Tom Wolfe pôs um pote no jornalismo".

É uma referência ao livro "The Electric Kook-Aid Acid Test", de 1968, que traz reportagens sobre um grupo que propagava o uso do LSD na Califórnia naquela década. No Brasil, a Rocco lançou a obra em 1993 com o título "O teste do ácido do refresco elétrico".

Em artigo escrito no "Columbia Journalism Review" para celebrar para celebrar os 40 anos do livro, o crítico de mídia Jack Shafer escreveu que aquele clássico da contracultura continua sendo "ainda hoje o melhor retrato – ficcional ou não, impresso ou em imagens – da gênese da subcultura hipster dos anos 60".

Dentre os principais temas que Wolfe abordou em seus trabalhos, estão:

- a afetação do mundo da arte;
- o poder e Wall Street;
- a cultura hippie dos anos 1960;
- e questões de classe, poder, raça, corrupção e sexo.

Em entrevista ao "Wall Street Journal", o escritor e jornalista certa vez declarou: "Eu acho que todo momento vivo da vida de um ser humano, a menos que a pessoa esteja passando fome ou em perigo imediato de morte em algum outro jeito, é controlado por uma preocupação sobre status".

Criado por ele, o termo "radical chique" era usado para descrever liberais pretensiosos. Já o termo "Década Eu" (que está de seus mais famosos ensaios, "Decade Me...") resumia a autoindulgência da década de 1970. Por fim, o termo "right stuff" dizia respeito a atributos intangíveis dos primeiros astronautas americanos.

Tom Wolfe nunca se deixou intimidar por parecer tão diferente dos personagens que retratava ou deslocado nos ambientes de apuração. Na época em que colhia material para seu romance "Eu sou Charlotte Simons", por exemplo, já estava na casa dos dos 70 anos de idade e passava tempo com jovens universitários.

Além disso, era um observador razoavelmente conservador e antidrogas quando viajava com Ken Kesey e sua tribo hippie que consumia LSD, os Merry Pranksters. Para eele, isso fazia com que as pessoas se sentissem mais estimuladas a lhe explicar as coisas.

'O Balzac da Park Avenue'

O obituário do "New York Times" cita que Wolfe – chamado de "o Balzac da Park Avenue" – era quase tão conhecido por seu estilo satírico quanto por seus trajes:

"Ele era instantaneamente reconhecível enquanto passeava pela Madson Avenue – um homem alto, esbelto, de olhos azuis, aparência ainda de menino em seu impecável terno de três peças cor de baunilha, camisa de seda listrada com a gola alta branca engomada, lenço brilhante à mostra dentro do bolso, relógio de bolso, faux spats e sapatos brancos".

O texto lembra ainda, que certa vez, Tom Wolfe descreveu o próprio visual como "neo-pretensioso".

Perfil de Tom Wolfe

Thomas Kennerly Wolfe Jr nasceu em 2 de março de 1930 em Richmond, Virgínia. O pai era um professor de agronomia no Virginia Polytechnic Institute e editor de um jornal de temática agrícola. A mãe foi quem incentivou o interesse do filho por arte e leitura.

Depois de estudar em uma escola particular para meninos em Richmond, Wolfe formou-se com louvor na Universidade de Washington and Lee em 1951, com diploma de bacharel em inglês.

Ele também se destacava como jogador de beisebol e chegou a ser convocado para um teste no New York Giants, mas não chegou a fazê-lo.

Em lugar disso, matriculou-se na Universidade de Yale para fazer pós-graduação em Estudos Americanos, conseguindo o Ph.D em 1957.

Seu primeiro trabalho como jornalista foi na redação do "Springfield Union", ainda em 1956. Em seguida, passou a fazer parte da equipe do jornal "The Washington Post", no qual ganhou um prêmio por uma série de reportagens sobre Cuba.

Em 1962, entrou no "Herald Tribune", no qual começou a moldar o estilo que o tornaria conhecido sobretudo por textos publicados na edição dominical, chamada "New York". Ao longo da carreira, publicou reportagens e ensaios em revistas como "Harper's" e "Esquire".

De 1965 a 1981, Wolfe lançou nove livros de não ficção. O primeiro deles foi a famosa coletânea de artigos "The Kandy-Kolored Tangerine-Flake Streamline Baby". Em 1968, veio o aclamado "The Electric Kook-Aid Acid Test" e "The Pump House Gang".

"Radical Chic & Mau-Mauing the Flak Catchers" saiu em 1970. Sete anos mais tarde, veio "Mauve Gloves & Madmen, Clutter & Wine", que inclui famoso ensaio "The Me Decade and the Third Awakening". Pouco depois, veio "Os eleitos", cujo título original é "The right stuff".

Já o primeiro romance, o best-seller "A fogueira das vaidades", foi lançado em 1987. Seu livro de ficção mais recente, "Back to blood", de 1998, foi editado no Brasil como "Sangue nas veias" (Rocco).

A mesma editora lançou por aqui os romances "Um homem por inteiro", de 1998, e "Eu sou Charlotte Simmons", de 2004, além do ensaio "O reino da fala", último trabalho publicado pelo escritor, no qual ele propõe um desafio às ideias de Charles Darwin e Noam Chomsky.

O obituário do "New York Times" reproduz uma declaração de Byron Dobell, editor de Wolfe na "Esquire", ao jornal "The Independent" em 1998:

"Ele tem esse dom único de linguagem que o diferencia como Tom Wolfe. É cheio de hipérbole; é brilhante; é engraçado, e ele tem um ouvido maravilhoso para perceber como as pessoas se parecem e se sentem. Ele tem um dom de fluência que emana dele do mesmo jeito que Balzac".

Veja, abaixo, os livros de Tom Wolfe:

— Reportagens, artigos e ensaios

"The kandy-kolored tangerine-flake streamline baby" (1965)
"The electric kool-aid acid test" (1968)
"The Pump House Gang" (1968)
"Radical Chic & Mau-Mauing the Flak Catchers" (1970)
"The New Journalism" (1973) (em coautoria com EW Johnson)
"The painted word" (1975); no Brasil, "A palavra pintada" (Rocco)
"Mauve Gloves & Madmen, Clutter & Vine" (1976)
"The right stuff" (1979)
"In our time" (1980)
"From Bauhaus to Our House" (1981)
"The purple decades" (1982)
"Hooking up" (2000); no Brasil, "Ficar ou não ficar" (Rocco)
"The kingdon of speech" (2016); no Brasil, "O reino da fala" (Rocco)

— Romances

"The bonfire of the vanities" (1987); no Brasil, "A fogueira das vaidades" (Rocco; fora de catálogo)
"A man in full" (1998); no Brasil, "Um homem por inteiro" (Rocco)
"I am Charlotte Simmons" (2004); no Brasil, "Eu sou Charlotte Simmons" (Rocco)
"Back to blood" (2012); no Brasil, "Sangue nas veias" (Rocco)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

DUCAL, LOJAS DE ROUPAS

NO PRÉDIO EM FORMA DE MEIA-LUA NA AV. BRASIL, NO RIO DE JANEIRO, CHEGOU A FUNCIONAR AS LOJAS DUCAL. O PRÉDIO FOI DEMOLIDO PARA DAR LUGAR A UM TRECHO DA LINHA VERMELHA (VIA EXPRESSA PRES. JOÃO GOULART), EM 1992.

Do portal Wikipedia

A Ducal Roupas foi uma rede de lojas de roupas masculinas brasileira de muito sucesso nas décadas de 1950 e 1960. Seu nome, além de remeter ao nobre título de duque, também era a junção das sílabas das palavras "duas calças", pois quem comprava um paletó e uma calça ganhava outra mais barata e ficava, assim, com duas calças. A promoção deu fama à empresa junto com o seu sistema de crédito.

A Ducal Roupas era referência no mercado de moda masculina na metade do século passado. Seus ternos vestiram vários brasileiros anônimos e famosos em sua época. A Ducal tinha lojas em três estados do país como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Mas a Ducal não era apenas uma grande marca e sim um grande grupo empresarial da época e que possuía além das lojas, …

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

BIBI FERREIRA, DIVA DOS MUSICAIS BRASILEIROS, MORRE AOS 96 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Bibi Ferreira foi aonde pôde ir como atriz, diretora e intérprete de grande talento e experiência, como representante de um teatro vibrante como poucos. Filha do ator e mestre do teatro Procópio Ferreira, Bibi herdou a responsabilidade de promover espetáculos de grande qualidade e profundo profissionalismo. Sua carreira foi produtiva e durou décadas, atuando desde bebê ao lado de familiares.

Ela também foi cantora e compositora e apresentou programas de TV como a série "Brasil", programa de auditório transmitido pela TV Excelsior entre 1960 e 1963. Ela havia se aposentado em 2018, quando já não tinha mais energia física para continuar nos palcos.

Bibi Ferreira, diva dos musicais brasileiros, morre aos 96 anos

Do Portal G1

A atriz e cantora Bibi Ferreira, diva dos musicais brasileiros, morreu nesta quarta-feira (13), aos 96 anos, no Rio. Também apresentadora, diretora e compositora, ela foi um dos maiores fenômenos artísticos do país.

Segundo Tina Ferrei…

Ditadura permitiu pornografia para amansar o povo pobre

1964: Várias marchas envolvendo grupos religiosos, entidades diversas (como a CAMDE - Campanha da Mulher pela Democracia - , o "instituto" IPES e a Escola Superior de Guerra) e o empresariado, reivindicavam moralidade ao pedirem a derrubada do governo João Goulart. Foram as chamadas Marchas da Família Com Deus pela Liberdade, cujo clímax aconteceu no Vale do Anhangabaú, São Paulo, em 19 de março daquele ano. Uma outra marcha aconteceu no Rio de Janeiro, em 02 de abril, para comemorar o golpe militar.

Dez anos depois, com a crise do petróleo no Oriente Médio atingindo o mundo, o Brasil sofreu um colapso econômico que comprometeu seriamente o "milagre brasileiro" do governo do general Médici e levaria a ditadura militar à falência, anos depois. a crise do petróleo aconteceu em 1973 e fatos sócio-políticos diversos já começavam a abalar o regime militar, apesar da atividade intensa dos órgãos de repressão que matavam a sangue frio diversos acusados de subversão, sobret…

HÁ 50 ANOS, PERDEMOS SYLVIA TELLES, UMA DAS MAIORES CANTORAS DO BRASIL

Por Alexandre Figueiredo

Até hoje, a perda da cantora Sylvia Telles, um dos maiores nomes da Bossa Nova e da moderna MPB, deixou uma lacuna irreparável. Diante de uma situação em que a MPB sofre uma crise, perdida em excesso de tributos e clichês pós-tropicalistas ou revivalistas, não há uma cantora que pudesse se equiparar à voz intensa, meiga, forte, dramática e sensualmente doce de Sylvinha Telles.

Ela teve uma breve carreira de 12 anos. Breve, mas de altíssima qualidade. Raramente compôs músicas, mas como intérprete dava sua marca forte em interpretações que se encaixavam em arranjos bossanovistas, jazzísticos e diante de uma orquestra. E tinha uma modernidade juvenil que dava um frescor musical intenso, de um grande talento prematuramente falecido.

Sua primeira música gravada foi "Amendoim Torradinho", composição de Henrique Beltrão, que fazia parte de um número musical da peça de teatro de revista Gente Fina e Champanhota, em 1955. Um dos músicos acompanhantes, José C…

GUITARRA INSTRUMENTAL PERDE DICK DALE, AOS 81 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

O roqueiro médio, ao ouvir "Misirlou", da banda Dick Dale & His Del-Tones, da trilha sonora do filme Pulp Fiction, de Quentin Tarantino, imagina que a canção é do tempo do filme ou, ao menos, um pouquinho mais antiga. Não imagina que a canção é do distante ano de 1962, quase do tempo dos seus avós.

A canção é um dos poucos sucessos do chamado gênero Instrumental Guitar ou Guitar Instrumental, traduzido como Guitarra Instrumental, tendência do rock que tornou-se moda entre 1958 e 1963 no mundo inteiro, famosa por servir de trilhas sonoras de competições de surfe, daí muitas vezes o estilo ser conhecido como surf music. Era conhecido como o rock alternativo e o rock de garagem da época.

Um de seus ícones principais ícones, o músico estadunidense Dick Dale, faleceu ontem aos 81 anos de idade. Ele faria 82 anos no próximo dia 04 de maio. Ele nasceu em 1937 em Boston, Massachusetts e, por incrível que pareça, o primeiro instrumento que ele aprendeu n…