Pular para o conteúdo principal

ALBERTO DINES, UM BATALHADOR DO JORNALISMO


Por Alexandre Figueiredo

Antigamente, o jornalismo brasileiro era uma grande aventura, no melhor sentido do termo. Numa época em que ainda não havia faculdades de Comunicação, ainda mais focalizadas no jornalismo, profissionais da imprensa tinham que fazer seu trabalho com intuição e competência.

Eles cobriam os fatos, interpretavam e analisavam a realidade, faziam perguntas a personalidades, pesquisavam escritos para reforçar informações ou para citar fatos e curiosidades dos mais diversos. Sem se preocupar com ideologia, mas procurando exercer uma postura a mais humanista possível, o jornalista da imprensa brasileira tornou-se uma figura mítica, que as gerações do passado exerceram com brilhantismo e com uma vida intensa nas redações.

Entre esses inúmeros profissionais que exerceram seu trabalho honesto, buscando a notícia e a informação de forma interessante, instigante, com um trabalho cheio de emoções, tensões mas também de situações engraçadas e muitos impasses contornados com habilidade, estava o experiente Alberto Dines, que nos deixou no dia 22 de maio de 2018, aos 86 anos, não sem um intenso trabalho de verdadeiro farol humano para os futuros jornalistas.

Sua carreira se iniciou como crítico de cinema da revista A Cena Muda, em 1952. Em 1953, convidado por Nahum Sirotsky, Dines foi escrever sobre assuntos culturais na revista Visão. Em seguida, começou a trabalhar como repórter político. Uma das primeiras atividades mais destacadas foi a cobertura das campanhas políticas de Jânio Quadros para a prefeitura de São Paulo e para o governo do Estado de São Paulo.

Em 1957, Alberto Dines foi para a revista Manchete, onde atuou como assistente de direção e secretário de redação. No entanto, sua experiência durou pouco, devido aos desentendimentos que teve com o dono da revista, Adolpho Bloch. Dines então tentou criar uma revista, juntando recursos próprios, mas não conseguiu respaldo suficiente para viabilizar suas atividades.

Em 1959, Dines tornou-se diretor do segundo caderno do jornal Última Hora, passando a ser diretor da edição matutina e, em seguida, acumular a esta função a direção da edição vespertina. Em 1960 foi editor-chefe da revista Fatos e Fotos e escrevia para a Tribuna da Imprensa, que nessa época estava vinculada ao Jornal do Brasil.

No mesmo ano de 1960, Dines foi convidado por João Calmon para dirigir o Diário da Noite, periódico dos Diários Associados de Assis Chateaubriand que se transformou em tabloide vespertino. Todavia, Dines foi demitido depois que não acatou a ordem de ignorar o sequestro do navio Santa Maria, no Recife.

Esse sequestro, que ocorreu em 21 e 22 de janeiro de 1961, foi realizado por exilados políticos portugueses e espanhóis que estavam no transatlântico Santa Maria, e que protestavam contra as ditaduras respectivas de António Salazar e Francisco Franco. Um oficial foi morto pelos revoltosos, o terceiro piloto João José Nascimento Costa, e a embarcação se atracou no Brasil, na capital pernambucana.



JORNAL DO BRASIL

Em 1962, Alberto Dines viveu sua mais importante e difícil experiência como chefe de jornalismo. Na condição de editor-chefe do Jornal do Brasil, chegando às suas redações com o famoso periódico consolidando suas transformações editoriais, iniciadas em 1958, Dines mostrou sua habilidade em driblar os arbítrios da censura ditatorial, poucos anos depois. No JB, ele também atuou como diretor e colaborador dos Cadernos de Jornalismo e Comunicação.

Fiel à honestidade do trabalho jornalístico, Dines procurava fazer manobras sutis. Chegava a substituir notícias censuradas por receitas culinárias ou poemas, como um aviso sutil de que algo estava errado na exclusão de uma notícia que não interessava aos generais ser publicada.

Nesta fase, a tirada mais divertida e instigante se deu na edição de 14 de dezembro de 1968, que anunciava o Ato Institucional Número Cinco (AI-5), decretado no dia anterior. No cabeçalho, Dines se lembrou que 13 de dezembro era o Dia Nacional do Cego e lembrou o dia, em alusão ao período repressivo e à censura que impedia que a imprensa noticiasse a realidade do Brasil. Era a cegueira de um país reprimido, mas também a cegueira da ditadura em ver as necessidades do povo brasileiro.

Mas a tirada não se limitava aí. Na foto da primeira página, o general Arthur da Costa e Silva, então presidente do Brasil, aparecia em posição ridícula, inclinado e pisando o chão apenas com a ponta dos pés, e fazendo um olhar austero, como se quisesse impor um poder que não é legitimado pelo povo.

Outro lance interessante foi a previsão do tempo, na qual Dines insere a metáfora dos tempos terríveis que o AI-5 iria trazer ao Brasil: "Tempo negro. Temperatura sufocante. O ar está irrespirável. O país está sendo varrido por fortes ventos", dizia a previsão sombria.

Professor universitário desde 1963, quando fundou e ocupou a cadeira de jornalismo comparado na Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (então PUC-GB), Dines também foi responsável pela criação da cadeira da Teoria da Imprensa na instituição, em 1965, e nela foi professor até 1966.

Na época da edição do AI-5, Dines foi convidado para ser paraninfo de uma turma de formandos da mesma PUC. Na cerimônia, fez um discurso fazendo duras críticas à ditadura militar e ao quinto ato institucional. Pouco depois, foi preso e mantido atrás das grades até janeiro de 1969, e nesse período o jornalista respondeu a um inquérito.

Outra atitude inusitada de Dines foi pedir ao diagramador Ezio Esperanza que montasse a primeira página do Jornal do Brasil, edição de 12 de setembro de 1973, com o texto da notícia do golpe militar no Chile, ocorrido no dia anterior, mas sem o título da manchete. A ideia era burlar os censores - que, em parte, não tinham paciência para ler longos textos - e informar ao público sobre uma notícia que a ditadura brasileira proibia de ser veiculada.

A essas alturas, Dines era prestigiado lá fora. Em 1971, recebeu o prêmio Maria Moors Cabot da Universidade de Columbia, nos EUA, pelo conjunto da obra. Em 1973, foi demitido do Jornal do Brasil depois que Dines escreveu um artigo criticando as relações dos donos do JB com o governo do Estado do Rio de Janeiro (ainda como capital Niterói, mas tendo a Guanabara como vitrine política, preparando a fusão).

ORIGEM DO OBSERVATÓRIO DA IMPRENSA

Em 1974, também deixou Fatos e Fotos e viajou para o EUA e se tornou professor visitante da mesma Universidade de Columbia que o homenageou três anos antes. Retornando ao Brasil em 1975, recebeu o convite de Cláudio Abramo para chefiar a redação da sucursal carioca da Folha de São Paulo.

Foi a partir dessa experiência que Alberto Dines resolveu criar uma coluna dedicada a analisar a atividade da imprensa brasileira. Intitulada Jornal dos Jornais, a coluna se inspirou no que o próprio Dines notou após a repercussão do caso Watergate, quando a imprensa estadunidense passou a exercer uma postura autocrítica, evitando os excessos e a arrogância de uma imprensa vitoriosa.

Dines fazia críticas à imprensa, definindo-a como perigosa quando ela se encontra em sentimento de arrogância, e também criticava a imprensa brasileira por ela estar acomodada à autocensura. Dines propunha um debate sobre a própria imprensa, o que pode ter inspirado, de alguma, a própria Folha, que criou depois a atividade de ombudsman, para fazer críticas internas ao próprio jornal paulista.

Mas a experiência do Jornal dos Jornais gerou um fruto ainda maior. O Observatório da Imprensa surgiu em 1994, quando Dines estava em Portugal, como consultor da editora Sojornal (que edita o semanário português Expresso) e dos Jornalistas Associados, voltado ao setor no Brasil e em Portugal.

O Observatório da Imprensa foi um projeto multimídia. Havia um programa, transmitido em rede educativa de televisão, no qual Dines apresentava fazendo comentários, dando entrevistas ou apresentando reportagens ou vídeos sobre assuntos da imprensa. Mas também havia versões em rádio e, também, na Internet.

Vários colaboradores poderiam enviar textos sobre assuntos envolvendo mídia e notícias destacadas nos meios de comunicação. Eu mesmo enviei alguns textos, que foram publicados. O portal do Observatório da Imprensa tornou-se um grande fórum de debates que, certamente, impulsionou os debates gerais sobre a própria mídia e quebrou a mística divinizada que a imprensa exerceu através de episódios como o Movimento Diretas Já e o esquema de corrupção de Collor e PC Farias.

Em Lisboa, onde viveu entre 1988 e 1995, Dines também trabalhou na filial portuguesa do Grupo Abril. De volta ao Brasil, foi um dos criadores e pesquisador sênior do Laboratório de Estudos Avançados em Jornalismo da Universidade de Campinas (UniCamp). Voltou ao Jornal do Brasil como colaborador em 1998.

Dines também escreveu e prefaciou vários livros. Entre os prefácios, está a tradução brasileira do livro Brasil, um País do Futuro, de Stefan Zweig, feita por Kristina Michahelles. Zweig ganhou uma biografia de Alberto Dines, Morte no paraíso, a tragédia de Stefan Zweig, lançado em 1981. O livro foi adaptado para o cinema pelo diretor Sylvio Back em 2002, ganhando o título de Lost Zweig.

Como escritor, Dines lançou mais de 15 livros. Também escreveu uma biografia sobre o poeta e ator Antônio José da Silva, o Judeu, que viveu no século XVIII e foi morto queimado sob ordens da Inquisição católica. Dines recebeu vários prêmios como jornalista, professor e escritor, entre eles um Prêmio Jabuti de Literatura, na categoria Estudos Literários.

Alberto Dines encerrou sua vida batalhando como pôde, deixando um legado de sabedoria, honestidade e experiência. Em tempos em que uma parcela da imprensa abandonou o jornalismo autêntico para sucumbir ao panfletarismo tendencioso e faccioso, o legado de Alberto Dines e seu exemplo de trabalho continuam sempre atuais.

Com muita certeza, o trabalho de Alberto Dines não foi em vão. Ele agora se junta aos nomes do passado cujo legado se torna urgente ser apreciado pelas novas gerações. Como um batalhador do jornalismo, Dines deixa como grande lição a coragem, o jogo de cintura e o compromisso com a honestidade da informação e com o papel social da publicação de uma notícia.

Fica aqui a gratidão pela trajetória de Alberto Dines. E fica também um agradecimento pessoal por ter podido enviar os textos que foram publicados no Observatório da Imprensa.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

SIMCA CHAMBORD

ANÚNCIO BRASILEIRO DO SIMCA CHAMBORD, PUBLICADO EM REVISTAS DIVERSAS, EM 1958.

Extraído do portal WIKIPEDIA

Simca Chambord foi o nome de um automóvel produzido pela Simca francesa entre 1958 e 1961, desenvolvido a partir do Simca Versailles. Tal como este, imitava os automóveis estadunidenses da época. Foi o primeiro automóvel de luxo fabricado no Brasil, a partir de 1959, tendo continuado a ser construído sob licença pela Simca do Brasil até 1967.[1] O Chambord também marcou uma época por ser o veículo usado pelo ator Carlos Miranda, protagonista da popular série de TV O Vigilante Rodoviário.

DEFICIÊNCIAS

Apesar de sua boa aparência, o Chambord tinha o desempenho comprometido por um motor V8 fraco, o que lhe valeu o apelido jocoso de "O Belo Antônio" (bonito, mas impotente).

VARIANTES

O Simca Présidence foi uma versão luxuosa do Simca Chambord. Tinha rodas do tipo aro de bicicleta, pneu estepe atrás do porta-malas, cores exclusivas e bancos de couro. Foi lançado em 1965 com um mo…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

OBSESSÃO PELO EMBRANQUECIMENTO MATOU MICHAEL JACKSON

Por Alexandre Figueiredo
Quando Michael Jackson iniciou sua carreira, como o caçula do Jackson Five - banda de soul adolescente formada por ele e seus irmãos (que hoje seguem carreira como The Jacksons, que surgiu como uma evolução do JF nos anos 1970) - , ele surpreendia pela sua desenvoltura como intérprete.
Inspirado em James Brown, Michael tinha um excelente talento vocal e prometia ser um notável artista da música negra estadunidense, e canções como "ABC", "I'll Be There", "I Want You Back" e "The Love You Save" empolgavam o público na virada dos anos 1960 (a partir de 1968) e 1970.
O sucesso era tanto que um divertido seriado de animação de comédia - com direito a som da claque - foi produzido pela Motown em parceria com a Rankin/Bass Productions (antiga Videocraft, conhecida pelo seriado que adaptou O Mágico de Oz nos anos 1960). 
No seriado Jackson Five, produzido entre 1971 e 1972 e exibido no Brasil - eu assisti a ele quando crian…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

DUCAL, LOJAS DE ROUPAS

NO PRÉDIO EM FORMA DE MEIA-LUA NA AV. BRASIL, NO RIO DE JANEIRO, CHEGOU A FUNCIONAR AS LOJAS DUCAL. O PRÉDIO FOI DEMOLIDO PARA DAR LUGAR A UM TRECHO DA LINHA VERMELHA (VIA EXPRESSA PRES. JOÃO GOULART), EM 1992.

Do portal Wikipedia

A Ducal Roupas foi uma rede de lojas de roupas masculinas brasileira de muito sucesso nas décadas de 1950 e 1960. Seu nome, além de remeter ao nobre título de duque, também era a junção das sílabas das palavras "duas calças", pois quem comprava um paletó e uma calça ganhava outra mais barata e ficava, assim, com duas calças. A promoção deu fama à empresa junto com o seu sistema de crédito.

A Ducal Roupas era referência no mercado de moda masculina na metade do século passado. Seus ternos vestiram vários brasileiros anônimos e famosos em sua época. A Ducal tinha lojas em três estados do país como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Mas a Ducal não era apenas uma grande marca e sim um grande grupo empresarial da época e que possuía além das lojas, …

RUBENS EWALD FILHO MORRE EM SP AOS 74 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O crítico de cinema Rubens Ewald Filho deixa uma lacuna na crítica cinematográfica, pela bagagem e pelas análises que fazia, de maneira acessível, ao grande público. Ele também foi ator e cineasta e certamente isso influiu muito em unir teoria e prática, tendo sido, portanto, um mestre na teoria de cinema no Brasil.

Rubens Ewald Filho morre em SP aos 74 anos

Do Portal G1

O jornalista e crítico de cinema Rubens Ewald Filho morreu nesta quarta-feira (19) em São Paulo aos 74 anos. Considerado um dos maiores especialistas em cinema, Rubens Ewald Filho estava internado estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Samaritano, em Higienópolis, na região Central de São Paulo.

Ewald Filho foi internado no dia 23 de maio após sofrer um desmaio seguido de uma queda de escada rolante. Ele passou por um tratamento cardiológico e das fraturas decorrentes da queda, mas não resistiu.

O velório será realizado na Praça das Artes, na Avenida São João, na região cen…

JORNALISMO PERDE PAULO HENRIQUE AMORIM

Por Alexandre Figueiredo

Morreu aos 77 anos, na manhã de 10 de julho de 2019, o jornalista Paulo Henrique Amorim. Um infarto fulminante calou a voz de um dos comentaristas mais afiados do país, não sendo por acaso que seu portal era chamado de Conversa Afiada, e o seu canal no YouTube, TV Afiada, no qual ele comentava as pautas das elites direitistas com peculiar senso de humor.

Amorim era filho do jornalista e estudioso do Espiritismo autêntico - nunca devidamente praticado no Brasil, já que o que se conhece como "Doutrina Espírita" brasileira nunca passou de uma reles repaginação do velho Catolicismo de raiz medieval que dominou o período colonial - , Deolindo Amorim. Deolindo era um dos críticos dos desvios que levaram à "catolicização" do Espiritismo.

Uma das primeiras atividades como jornalista se deu em 1961, quando ele era contratado pelo jornal A Noite. Ele participou da cobertura da Campanha pela Legalidade, movimento liderado por Leonel Brizola para gara…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

HÁ 50 ANOS, PERDEMOS SYLVIA TELLES, UMA DAS MAIORES CANTORAS DO BRASIL

Por Alexandre Figueiredo

Até hoje, a perda da cantora Sylvia Telles, um dos maiores nomes da Bossa Nova e da moderna MPB, deixou uma lacuna irreparável. Diante de uma situação em que a MPB sofre uma crise, perdida em excesso de tributos e clichês pós-tropicalistas ou revivalistas, não há uma cantora que pudesse se equiparar à voz intensa, meiga, forte, dramática e sensualmente doce de Sylvinha Telles.

Ela teve uma breve carreira de 12 anos. Breve, mas de altíssima qualidade. Raramente compôs músicas, mas como intérprete dava sua marca forte em interpretações que se encaixavam em arranjos bossanovistas, jazzísticos e diante de uma orquestra. E tinha uma modernidade juvenil que dava um frescor musical intenso, de um grande talento prematuramente falecido.

Sua primeira música gravada foi "Amendoim Torradinho", composição de Henrique Beltrão, que fazia parte de um número musical da peça de teatro de revista Gente Fina e Champanhota, em 1955. Um dos músicos acompanhantes, José C…