Pular para o conteúdo principal

HUMORISMO BRASILEIRO PERDE AGILDO RIBEIRO, AOS 86 ANOS

AGILDO RIBEIRO EM TOCAIA NO ASFALTO, DE 1962 - MARCADO PELO HUMOR, AGILDO TAMBÉM ERA EXCELENTE ATOR DRAMÁTICO.

Por Alexandre Figueiredo

O falecimento do ator e humorista Agildo Ribeiro faz com que uma grande geração de comediantes se fosse, praticamente encerrando um ciclo marcado pela criatividade e pelas piadas engraçadas. Foi uma geração que até investiu em bordões, mas ia muito além desses "refrões" humorísticos, em esquetes marcadas por ironias e tiradas muito engraçadas.

Como lembrou o colunista Tony Goes, da Folha de São Paulo, a morte de Agildo encolhe ainda mais o elenco de humoristas remanescentes de uma geração criadora, vinda do rádio e do teatro de revista, mas que teve um vigor próprio que fez muito sucesso na televisão.

É triste pensar que os humoristas que há mais de 50 anos estavam em muita evidência, como Chico Anysio, José Vasconcelos, Renato Corte Leal e Paulo Silvino, estão falecidos, com Agildo se somando a eles. Até pouco tempo atrás, ainda tínhamos Paulo Silvino atuando com considerável frequência no humorísmo Zorra, também um dos últimos de Agildo. Deste grupo, ainda restam poucos, como Jô Soares, que já se aposentou como apresentador regular de talk show.

Agildo morreu pouco depois de seu aniversário de 86 anos, que foi no último dia 26. Era filho do militar Agildo Barata, tendo sido na verdade Agildo da Gama Barata Ribeiro Filho. O militar Agildo Barata foi um dos integrantes da Intentona Comunista de 1935 e foi colega de escola e amigo do general Ernesto Geisel, um dos presidentes da ditadura militar brasileira.

TEMPORADA DA COMÉDIA DE BOLSO SE QUER DIZ LOGO, NO TEATRINHO JARDEL, EM COPACABANA, EM 1958. ABAIXO, UMA DAS ÚLTIMAS APARIÇÕES DE AGILDO, HOMENAGEADO PELO 2º PRÊMIO DE HUMOR, EM MARÇO DE 2018.

O nome Barata Ribeiro não é coincidência, pois se trata da família do médico e político Cândido Barata Ribeiro, homenageado por uma das principais ruas do bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro. Curiosamente, próximo dessa rua, na Av. Nossa Senhora de Copacabana, Agildo Ribeiro participava da peça Se Quer Diz Logo, em 1958, com temporada no Teatrinho Jardel.

Agildo Ribeiro, por causa da vontade do pai, quase foi militar. O problema é que Agildo Filho mostrava seu humor na escola militar onde estudava, fazendo muitas piadas e sendo muito brincalhão com os colegas, o que lhe valeu a expulsão por indisciplina, porque fazia imitações cômicas dos professores do colégio.

Em 1953 começou sua carreira, atuando em programas de rádio e em diversos espetáculos de teatro sobretudo os de revista, um tipo de teatro que misturava esquetes humorísticas e números musicais e contava com um enorme elenco no qual havia também mulheres sensuais, músicos e dançarinos.

Sua estreia no teatro foi. portanto, há 65 anos, na peça Joãozinho Anda pra Trás, de Lúcia Benedetti, ao lado de Consuelo Leandro, Oswaldo Loureiro, Glauce Rocha e Sérgio Cardoso. Agildo foi o primeiro ator que interpretou o personagem João Grilo na adaptação para teleteatro da obra O Auto da Compadecida, de Ariano Suassuna, transmitida na TV Tupi, em 1957. Em 1966, Agildo fez o personagem Sinhozinho Malta na montagem teatral de Roque Santeiro, de Alfredo Dias Gomes.

No cinema, a estreia de Agildo foi no filme Angu de Caroço, de 1955, comédia dirigida por Eurides Ramos e estreada por Ankito. Nessa fase, Agildo também participou, depois, de chanchadas como Fuzileiros do Amor (1956), Matemática Zero, Amor Dez (1958) e Esse Milhão é Meu (1959), entre outras.

Uma curiosidade é que, apesar de estar associado ao humorismo, Agildo também foi excelente ator dramático, tendo seu primeiro papel notável no filme Tocaia do Asfalto, de Roberto Pires, lançado em 1962, mesmo ano do filme Pluft o Fantasminha, baseado no livro de Maria Clara Machado. Mais tarde, outros papéis dramáticos eram feitos em O Crime do Sacopã (1964), baseado em fatos reais, e, mais tarde, no filme O Homem do Ano (2003), de José Henrique Fonseca.

Na televisão, depois de vários anos atuando em teleteatros e em vários programas da TV Tupi, já na primeira metade dos anos 1960, passa a ganhar programas fixos como contratado da TV Globo em 1965. Sua estreia na emissora se deu na série TNT, como um repórter que narrava a vida de três jovens modelos.

Em seguida, Agildo e seu amigo e parceiro Paulo Silvino estrearam o humorístico TV Ó, Canal Zero, e TV 1, Canal Meio, que mostrava os bastidores de duas emissoras de TV, uma próspera e outra mais precária. O programa se destacou pelo seu conteúdo considerado inovador para a época em que foi transmitido, entre 1965 e 1966.

Mais tarde, Agildo Ribeiro fez, também na Globo, Mister Show (1969), Topo Gigio (1970), interagindo com o ratinho italiano que levava o nome do programa e recebeu adaptação brasileira. Participou de adaptações mais recentes (anos 80 ou 90) de humorísticos de origem radiofônica, como Balança Mas Não Cai e A Escolinha do Professor Raimundo, assim como fez participação na adaptação 2001-2007 de O Sítio do Picapau Amarelo.

Agildo também participou do inovador programa Satiricon (1973), uma proposta arrojada e um tanto arriscada naqueles anos ditatoriais. Ele também foi um dos humoristas participantes do programa de humor coletivo Planeta dos Homens (1976-1982), um dos humorísticos de maior sucesso da Rede Globo.

Em outras emissoras de TV, Agildo se destacou com Agildo no País das Maravilhas (1987-1988), na TV Bandeirantes, Cabaré do Barata (1989), da TV Manchete, Não Pergunta que Eu Respondo (1993-1994), no SBT, e, fora do Brasil, Isto é Agildo (1994), na RTP, em Portugal. Participou de várias telenovelas, quase todas da Globo, e, fora dela, Mandacaru, na TV Manchete.

A partir de 1999, Agildo Ribeiro passou a integrar o elenco de Zorra Total, fazendo vários personagens, entre eles Ali Babaluf, sátira a um conhecido político paulista, Chapinha e Professor Laércio Fala Claro. Em 2015, Agildo foi incluído no elenco do reformulado humorístico, que passou a se chamar Zorra e a substituir quadros fixos e bordões por esquetes com maior ênfase no texto.

O mais famoso personagem de Agildo Ribeiro foi o professor Áquiles Arquelau, com trejeitos de pensador, ar aristocrático e que era acompanhado por um mordomo, que o professor chamava de "múmia paralítica", irritado com os apertos de campainha que o assistente dava.

Nos últimos anos, a presença de Agildo Ribeiro no Zorra tornou-se esporádica, pelo fato do ator sofrer problemas cardíacos. Mesmo assim, ele fez aparições como no 2º Prêmio do Humor, idealizado por Fábio Porchat, realizado no Jóquei Clube, na Gávea, em 14 de março de 2018. Mesmo doente, Agildo estava bastante alegre ao ser o homenageado da edição, aparecendo ao lado de jovens talentos do humor.

"É quase uma homenagem póstuma. Estou com um probleminha na coluna porque levei um tombo. Não posso subir degrau. Aliás, não posso subir muita coisa há muito tempo", disse Agildo, na ocasião, fazendo uma simpática ironia à sua velhice e divertindo a plateia. Agildo também apareceu numa reportagem recente do programa Vídeo Show, da Rede Globo de Televisão.

Agildo foi casado cinco vezes, entre eles com as atrizes Consuelo Leandro e Marília Pera. Também foi casado com a bailarina Didi Barata Ribeiro. Em 2012, reconheceu a paternidade de Marcelo Galvão, na época com 47 anos, fruto de uma relação fora do casamento.

O último trabalho de Agildo Ribeiro foi no programa Tá No Ar - A TV na TV, de Marcelo Adnet e Marcius Melhem (este também roteirista de Zorra), curiosamente com proposta semelhante ao do TV Ó, Canal Zero e TV 1, Canal Meio e do Satiricon, todos na Globo. No quadro, Agildo contracenava com a colega Berta Loran numa esquete. Agildo também foi homenageado num clipe que lembrava os maiores humoristas brasileiros.

E imaginar que, no Brasil em que muitos consideram "sério" um ex-militar tragicômico como o fascista Jair Bolsonaro, o grande humorista Agildo Ribeiro quase teria encerrado sua carreira como um general do Exército. Mas sua "outra trincheira" revelou um talento grandioso de uma trajetória honrada como ator, comediante e criador de humor. Agildo nos deixou, mas pelo menos houve oportunidade de ainda homenagearmos ele em vida. Valeu, Agildo!

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

CASOS DE LULA E DILMA ACABAM DANDO AULA PRÁTICA DA CRISE DA ERA JANGO

Por Alexandre Figueiredo

As pessoas mais jovens têm a oportunidade de relembrar fatos históricos do passado, relacionando a crise política de hoje com a crise que seus pais e avós viveram há 52 anos. A crise política do segundo semestre de 1963 até o primeiro de 1964, que culminou no golpe militar que instaurou uma ditadura de 21 anos, encontra eco na crise atual do governo da presidenta Dilma Rousseff.

A crise atinge o ciclo político do Partido dos Trabalhadores, que se ascendeu no poder em 2003, levando ao cenário político personalidades que combatiam o regime militar: o então presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, por exemplo, foi um operário do ABC paulista que se ascendeu durante a crise do "milagre brasileiro" da ditadura militar, por volta de 1974.

Junto a ele, se ascendeu também o antigo líder estudantil José Dirceu, que havia sido preso quando, presidente da União Nacional dos Estudantes em 1968, foi surpreendido por uma ação policial em Ibiúna, interio…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

DUCAL, LOJAS DE ROUPAS

NO PRÉDIO EM FORMA DE MEIA-LUA NA AV. BRASIL, NO RIO DE JANEIRO, CHEGOU A FUNCIONAR AS LOJAS DUCAL. O PRÉDIO FOI DEMOLIDO PARA DAR LUGAR A UM TRECHO DA LINHA VERMELHA (VIA EXPRESSA PRES. JOÃO GOULART), EM 1992.

Do portal Wikipedia

A Ducal Roupas foi uma rede de lojas de roupas masculinas brasileira de muito sucesso nas décadas de 1950 e 1960. Seu nome, além de remeter ao nobre título de duque, também era a junção das sílabas das palavras "duas calças", pois quem comprava um paletó e uma calça ganhava outra mais barata e ficava, assim, com duas calças. A promoção deu fama à empresa junto com o seu sistema de crédito.

A Ducal Roupas era referência no mercado de moda masculina na metade do século passado. Seus ternos vestiram vários brasileiros anônimos e famosos em sua época. A Ducal tinha lojas em três estados do país como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Mas a Ducal não era apenas uma grande marca e sim um grande grupo empresarial da época e que possuía além das lojas, …

GOLPE NO CHILE E O GOLPE BRASILEIRO DISFARÇADO DE VOTO POPULAR

DE BRAÇOS CRUZADOS CONTRA A DEMOCRACIA.

Por Alexandre Figueiredo

Há 45 anos e três dias, ocorreu um golpe militar no Chile, ocorrido depois que as elites sabotaram o governo popular e progressista de Salvador Allende, iniciado em 1970. Essa sabotagem provocou uma crise no governo Allende que permitiu que, sob o financiamento do Departamento de Estado dos EUA, forças militares comandadas pelo general Augusto Pinochet iniciassem um golpe.

O Palácio de La Moneda, em Santiago, sede do Governo Federal chileno, foi bombardeado pelas tropas, que receberam também auxílio logístico das autoridades estadunidenses. As forças do general Pinochet passam toda a manhã de 11 de setembro de 1973 cercando a sede do governo, ordenando que Salvador Allende deixasse o poder.

Allende resiste, e deu o seu último comunicado: "Colocado em uma transição histórica, pagarei com minha vida a lealdade do povo. E os digo que tenho a certeza de que a semente que entregaremos à consciência de milhares e milhares…

CACÁ DIEGUES É ELEITO IMORTAL DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Um dos remanescentes da vanguarda cinematográfica do Cinema Novo e do grupo que comandou o Centro Popular de Cultura da União Nacional dos Estudantes (CPC-UNE), no início da década de 1960, o cineasta alagoano Carlos Diegues, conhecido como Cacá Diegues, foi eleito para ocupar a cadeira do também cineasta e amigo Nelson Pereira dos Santos.

Cacá dará um contraponto progressista ao grupo que recebeu membros bastante conservadores, como Fernando Henrique Cardoso e Merval Pereira, e é honroso que o cineasta alagoano tenha ganho este assento no famoso clube de literatos, sendo Cacá testemunha dos tempos difíceis da ditadura militar e, também, do período recente do golpe político que vivemos nos últimos dois anos.

Cacá Diegues é eleito imortal da Academia Brasileira de Letras

Do Portal G1

O cineasta Cacá Diegues, de 78 anos, foi eleito nesta quinta-feira (30) como o novo ocupante da Cadeira 7 da Academia Brasileira de Letras (ABL). O mais novo imortal concorreu com 11…

MORRE O ACADÊMICO HÉLIO JAGUARIBE

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O sociólogo Hélio Jaguaribe tornou-se notável nos meios acadêmicos por sua visão liberal da economia brasileira. Mas sua fama se tornou maior quando seu livro de 1958, O Nacionalismo na Atualidade Brasileira, ao propor a flexibilização do monopólio do petróleo.

O livro causou violenta polêmica entre os membros do Instituto Superior de Estudos Brasileiros, que, então, não tinha perfil ideológico definido e, de então até 1964, a instituição, dedicada a analisar os problemas brasileiros no âmbito da política e da economia, tornou-se esquerdista.

O ISEB, que teve como integrantes o militar Nelson Werneck Sodré, Roland Corbisier e Alberto Guerreiro Ramos, entre outros, foi extinto por imposição da ditadura militar. Ultimamente, Jaguaribe estava ligado ao PSDB, do qual foi um dos fundadores, em 1988.

Morre o acadêmico Hélio Jaguaribe

Do Portal G1

O acadêmico, jurista, sociólogo e escritor Helio Jaguaribe morreu na noite deste domingo (9), em sua residência, em Copacab…

Ditadura permitiu pornografia para amansar o povo pobre

1964: Várias marchas envolvendo grupos religiosos, entidades diversas (como a CAMDE - Campanha da Mulher pela Democracia - , o "instituto" IPES e a Escola Superior de Guerra) e o empresariado, reivindicavam moralidade ao pedirem a derrubada do governo João Goulart. Foram as chamadas Marchas da Família Com Deus pela Liberdade, cujo clímax aconteceu no Vale do Anhangabaú, São Paulo, em 19 de março daquele ano. Uma outra marcha aconteceu no Rio de Janeiro, em 02 de abril, para comemorar o golpe militar.

Dez anos depois, com a crise do petróleo no Oriente Médio atingindo o mundo, o Brasil sofreu um colapso econômico que comprometeu seriamente o "milagre brasileiro" do governo do general Médici e levaria a ditadura militar à falência, anos depois. a crise do petróleo aconteceu em 1973 e fatos sócio-políticos diversos já começavam a abalar o regime militar, apesar da atividade intensa dos órgãos de repressão que matavam a sangue frio diversos acusados de subversão, sobret…