Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Março, 2018

O DIA QUE "UNIU" MARIELLE FRANCO E EDSON LUÍS DE LIMA SOUTO

Por Alexandre Figueiredo
50 anos separam duas tragédias, mas de repente elas se tornam bem próximas, pela comoção causada entre os brasileiros. O estudante Edson Luís de Lima Souto, também funcionário do restaurante Calabouço, no centro do Rio de Janeiro, e a vereadora do PSOL, Marielle Franco, se uniram pelas tragédias a que foram vítimas, que os transformaram em símbolos na luta contra a repressão aos direitos humanos.
Edson nasceu em 1950 e foi morto aos 19 anos, quando almoçava no restaurante em que trabalhava, ocasião que tornou-se trágica quando um tiroteio o atingiu, no momento em que policiais tentavam prender manifestantes estudantis. Edson não era militante e acabou sendo atingido, morrendo na hora, em 28 de março de 1968.
Marielle nasceu em 1979. Ativista negra, LGBT e feminista, ela foi a quinta vereadora mais votada nas eleições para o Legislativo do Rio de Janeiro, em 2016. Ela saía de um evento de debates na Lapa quando, já no bairro do Estácio, o carro em que estava f…

HÁ 41 ANOS OS 'DA POLTRONA' ERAM OUTROS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Os tempos televisivos do passado eram mais pueris e criativos, e mesmo o humor politicamente incorreto de Os Trapalhões não soava maledicente, assim como, no passado da TV dos EUA, a violência dos desenhos de Tom e Jerry e Pica-Pau não eram agressivas. Havia contextos de linguagem mais sutis que faziam com que certas expressões de humor cáustico não fossem problemáticas.

Hoje, numa época de crise de valores, é que a libertinagem extrema e o moralismo extremo disputam sua hegemonia no imaginário popular, através de expressões "cruas" do entretenimento televisivo, levando às últimas consequências a decadência da TV brasileira vivida desde meados dos anos 90.

É interessante ver o texto de Keila Jimenez sobre Os Trapalhões, humorístico da Rede Globo que, em 1977, marcou história pelas esquetes que, além das famosas tiradas irônicas e maliciosas, também apostavam na metalinguagem, como o personagem de Renato Aragão, Didi Mocó, "denunciando" alg…

IDOSOS CRITICAM "FUNK" EM CONVERSA E ELOGIAM FEVERS

MIGUEL PLOPSCHI E MICHAEL SULLIVAN, O SEGUNDO E O QUARTO DOS CINCO ACIMA, NA CAPA DO ÁLBUM A MAIOR FESTA DO MUNDO, DE 1983.

Por Alexandre Figueiredo

Um episódio insólito foi observado num supermercado no bairro de Icaraí, em Niterói. Dois idosos, amigos de longa data, estavam conversando e, de repente, um deles perguntou ao outro se ele gostava dos Fevers, banda da Jovem Guarda os Fevers, inicialmente denonimada "The Fevers", nos anos 1960.

"Você já ouviu os 'Feveres' (sic)?", perguntou o idoso, cantarolando depois um sucesso do grupo. O outro sorriu, dizendo que sim, e os dois fizeram comentários elogiosos ao grupo, que, apesar da grande popularidade, não foi um dos musicalmente mais significativos da Jovem Guarda, seguindo mais uma tendência comercial, influenciada pelo rock comportado de Pat Boone, Paul Anka e companhia.

Uma mulher idosa, esposa de um deles, se aproximou dos dois depois de pagar as compras e ficou criticando o "funk", estilo mu…

ATRIZ TÔNIA CARRERO MORRE AOS 95 ANOS NO RIO DE JANEIRO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A atriz Tônia Carrero foi uma das maiores musas do cinema brasileiro e havia sido, nos anos 1950, uma das mulheres mais desejadas do Brasil. Ela também foi notável pelo seu grande talento de atuação, sobretudo pelo seu projeto teatral ao lado do amigo Paulo Autran e do ator e diretor italiano Adolfo Celi, que marcou história nos palcos brasileiros.

Com uma carreira cheia de papéis notáveis no cinema, teatro e televisão, Tônia encerrou sua carreira em 2007, com sua participação no filme Chega de Saudade, de Laís Bodansky, lançado em 2008, e na peça Um Barco Para O Sonho, de Alexei Arbuzov, direção de Carlos Artur Thiré. Na televisão, sua última participação foi na novela Senhora do Destino.

Atriz Tônia Carrero morre aos 95 anos no Rio de Janeiro

Do Jornal do Brasil

A atriz Tônia Carrero morreu na noite deste sábado (3), aos 95 anos, no Rio de Janeiro. Maria Antonietta Portocarrero Thedim, seu nome de nascimento, passava por uma pequena cirurgia em uma clínica par…