Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2017

A GRANDEZA DE JERRY LEWIS EM SUA CARREIRA

Por Alexandre Figueiredo

Qual a relação que tem entre o então presidente da República, Jânio Quadros, e o humorista Leandro Hassum? É o filme O Candidato Honesto, que fala sobre política? Não. Trata-se de uma coincidência envolvendo um nome: o do humorista Jerry Lewis, falecido hoje, aos 91 anos.

Lewis teve um filme citado entre os que Jânio Quadros queria ver no seu projetor, na sua residência presidencial, enquanto recebia o governador da Guanabara, Carlos Lacerda, em agosto de 1961. Lacerda estava furioso com as medidas "esquerdizantes" do conservador Jânio, como a condecoração dada a Ernesto Che Guevara, ministro de Fidel Castro, mas foi ver o presidente para pedir empréstimos estatais para o jornal Tribuna da Imprensa, de propriedade do governador e jornalista.

Não querendo conversar com Lacerda, Jânio o convidou para ver um filme e, de início, colocou uma fita de rolo com um longa-metragem com Jerry Lewis. Num determinado momento, Jânio se aborrece e reclama: "Nã…

PAULO SILVINO NOS DEIXA EM TEMPOS DIFÍCEIS

Por Alexandre Figueiredo

O obituário, pelo menos no Brasil, pelo jeito anda povoado de gente boa. E gente que deixa várias lacunas no âmbito social, cultural e de outras naturezas. Hoje foi a vez do ator e humorista Paulo Silvino, mais uma figura talentosa que estava pronta para mais 30 anos de vida, mas o organismo não permitiu.

Paulo Silvino era filho do radialista e compositor Silvino Neto, e começou sua carreira na década de 1950. Uma de suas estreias foi num número musical na chanchada Sherlock de Araque, dirigido por Victor Lima e lançado em 1957, protagonizado por Costinha e pelo palhaço Carequinha. Silvino participou de uma interpretação musical ao lado do compositor Carlos Imperial.

Silvino gravou alguns discos, incluindo um de rock, na sua breve e pouco conhecida trajetória de cantor de voz barítona. Se bem que, em alguns números do programa Zorra, da Rede Globo, ele participou cantando. Ele gravou, em 1960, como intérprete e compositor, várias faixas no disco Nova Geração …

ELVIS PRESLEY E A QUESTÃO DO ROCK DE HOJE

Por Alexandre Figueiredo

Há 40 anos faleceu Elvis Presley, um dos pioneiros do rock'n'roll e cantor que contribuiu decisivamente para a popularização do gênero. Tinha apenas 42 anos de idade e o óbito teria sido em consequência de um longo consumo excessivo de remédios, que danificaram seu organismo, provocando parada cardíaca quando estava no banheiro de sua casa em Memphis, Tennessee, EUA.

Elvis tornou-se um ídolo por um acaso, porque, em 1954, ele era um jovem caminhoneiro que queria gravar um disco apenas para dar de presente à sua mãe. Mas seu potencial vocal, uma voz melodiosa porém forte e sua desenvoltura em gravar o disco fez com que a Sun Records, do empresário e produtor Sam Phillips, o contratasse para fazer carreira musical.

Elvis não tardou a se tornar um ídolo carismático e, no começo de carreira, aprendeu a tocar violão com algumas dicas dadas por Roy Orbison, roqueiro atuante na segunda metade dos anos 1950, e contar, na sua banda de apoio, com um guitarrista…

BENDITO LUIZ MELODIA

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A MPB perde seus grandes artistas, sem que houvesse compensação com novos talentos tão vibrantes. Numa época de comercialismo voraz na música brasileira, falecem artistas de talento peculiar. Desta vez, foi Luiz Melodia que faleceu, perdendo a batalha para o câncer, depois que a quimioterapia não conseguiu surtir efeito.

Com mais de 40 anos de carreira, ele fazia parte da ala alternativa da MPB e combinava samba com jazz, blues, influências tropicalistas com seu próprio estilo. Insubmisso ao mercado, ele preferia ter um intervalo de quatro anos entre um álbum e outro do que se adequar a modismos e tendências de mercado.

Se a gente falasse menos, talvez compreendesse mais: bendito Luiz Melodia. 

Por Paulo Donizeti de Souza - Rede Brasil Atual

O rótulo de “maldito” talvez seja um dos mais desencaixados da história da música brasileira. Nessa categoria foi incluído um seleto grupo formado por gente como Tom Zé, Jards Macalé, Jorge Mautner, Sérgio Sampaio, Torquato …