Pular para o conteúdo principal

A SIMPLICIDADE DE JERRY ADRIANI


Por Alexandre Figueiredo

O Brasil perdeu um de seus admiráveis talentos, o cantor Jerry Adriani, um dos ídolos da Jovem Guarda. Ele faleceu de câncer, poucos meses depois de ter completado 70 anos, no último dia 29 de janeiro e com muitos planos de carreira, inclusive uma agenda de apresentações que agora foi perdida.

Ele era um dos mais novos do movimento, e tinha 53 anos de carreira. Sua simplicidade e despretensão tinham a ver até pelo nome de batismo, Jair Alves de Souza, mas ele, fazendo um trocadilho com seu prenome, resolveu adotar o nome artístico de Jerry Adriani, inspirado no comediante Jerry Lewis e no ator italiano Adriano Celentano.

Ele começou a aparecer discretamente como atração convidada no programa Crush in Hi-Fi, apresentado pelos irmãos Tony e Celly Campello. Em 1962, Jerry começou sua carreira na banda Os Rebeldes, pouco conhecida.

Mas, ao começar sua carreira solo, com Italianissimo, seu primeiro álbum em 1964, Jerry chamava a atenção pela sua voz ao mesmo tempo grave e melodiosa e por canções de rock ou românticas que o fazem um equivalente a Bobby Vee, nos EUA, um roqueiro romântico mas de carreira ao mesmo tempo íntegra e despretensiosa.

Muitos costumam torcer o nariz para esse tipo de roqueiro, considerado "discreto demais" para os clichês roqueiros. Todavia, esse tipo não pode ser confundido com os canastrões do rock "comportado", porque estes são mais afetados e forçados.

O roqueiro mais romântico, não. Ele apenas adota uma postura que parece "careta", mas seu vínculo com o rock é genuíno e as temáticas de amor são apenas uma opção criativa. Os EUA tiveram Bobby Vee. A Grã-Bretanha, os Herman's Hermits. Mas, também nos EUA, muitos se esquecem que um outro cantor da leva, Ronnie James Dio, mais tarde se tornou um ícone do heavy metal, sem prejuízo nas suas duas fases, já que sua carreira também foi marcada pela integridade artística.

Jerry Adriani seguiu essa linha e uma das maiores qualidades foi sua integridade artística, mantendo sempre o seu estilo pessoal, sem pretensões revolucionárias. Teve uma fase calcada na soul music e seguiu sua carreira com canções dançantes e românticas que sempre marcaram sua trajetória.

Ele foi um dos artistas do controverso cenário da Jovem Guarda, acusado de ser "alienado" naquele difícil ano de 1964, de forte convulsão política durante o governo João Goulart e que culminou no golpe que abriu caminho para a ditadura militar.

Jerry foi um dos que estavam alheios a posturas políticas e chegou a ser hostilizado pela MPB pós-cepecista por causa disso. Com o tempo, sabe-se que esta postura despolitizada da JG era bem intencionada, embora incomodasse muita gente no contexto da época.

O que se deve admitir é que Jerry Adriani, merece destaque não só pelo talento de cantor (ele também foi ator) e eventual compositor e de apresentador de programas de TV. Ele também esteve relacionado a dois históricos nomes do Rock Brasil: Raul Seixas e Renato Russo.

Sobre Raul Seixas, o mais curioso é que, quando Jerry foi se apresentar em Salvador, a banda de abertura era Raulzito e Os Panteras e uma parceria se iniciou, com os baianos atuando como sua banda de apoio. Um dos maiores sucessos de Jerry Adriani, "Doce Doce Amor", aliás, é composição do célebre roqueiro baiano, que produziu alguns discos do amigo paulista.

Numa de suas últimas entrevistas, Jerry afirmou preparar uma autobiografia e um repertório de tributo a Raul Seixas. Era uma forma de homenagear o amigo, e lembrar a curiosa parceria. Poucos conseguem imaginar o valor de Jerry Adriani, um galã do rock romântico, como incentivador da carreira de um dos mais afiados roqueiros do Brasil.

No caso de Renato Russo, o cantor da Legião Urbana nunca escondeu que seu talento vocal era fortemente influenciado por Jerry. Este, por sua vez, também se manifestou fã do legionário, e, poucos anos após a morte de Russo, Jerry gravou um disco em homenagem, Forza Sempre, de 1999, mesmo ano do lançamento em disco do acústico da Legião Urbana.

A exemplo de Equilíbrio Distante, álbum solo de Renato Russo, de músicas italianas, Forza Sempre seguia linha parecida, mas com versões do repertório da Legião Urbana. Jerry Adriani teve o acompanhamento, em parte do disco, dos remanescentes da banda brasiliense, Dado Villa-Lobos e Marcelo Bonfá, além da produção e dos teclados de Carlos Trilha, que também tocou com a Legião.

O "boa praça" - adjetivo que Jerry deu a George Harrison na época em que o ex-beatle faleceu, também por câncer, em 2001 - também brincou de ser rival com outro cantor, Wanderley Cardoso, que segue com sua carreira.

É verdade que Jerry e Wanderley tiveram um desentendimento no final de uma apresentação, em Niterói, mas a suposta rivalidade foi apenas um truque de marketing para "dividir" times de fãs. Era apenas um passatempo para alimentar a idolatria aos cantores da Jovem Guarda, já que, no fundo, Jerry e Wanderley se admiravam, eram amigos e se respeitavam artisticamente.

Com o falecimento de Jerry Adriani, muitos que viveram os anos intensos da Jovem Guarda agora sentem avançar o fim de um ciclo, sentindo a dor da saudade de um período ímpar da cultura jovem brasileira, não pela ousadia, mas pelo vigor e pela alegria que o movimento musical dos anos 1960 trouxe para os jovens, tendo sido, sem dúvida alguma, uma época vibrante e de muita vitalidade.

Fica, portanto, a lição de simplicidade, generosidade e despretensão de Jerry Adriani, com sua carreira íntegra, de notável talento que, sem as pretensões de causar alguma revolução artística ou conceitual, no entanto primava pelas boas performances e por músicas que agradavam em cheio o público, dentro de um singelo, porém relevante, diálogo entre o rock e a canção romântica. A Jovem Guarda fica mais triste com a perda dessa figura humana que foi Jerry Adriani.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

MORRE SAMBISTA BETH CARVALHO, AOS 72 ANOS, NO RIO DE JANEIRO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Uma das maiores intérpretes da MPB e uma das maiores cantoras de samba, Beth Carvalho, não resistiu aos problemas de saúde que enfrentava nos últimos anos e faleceu há cinco dias de completar 73 anos. Ela também havia cancelado uma apresentação que faria no Rio de Janeiro.

Uma das figuras de mentalidade progressista, Beth Carvalho, além de ter sido intérprete que lançou novos compositores de samba através de seus discos, era também uma das opositoras do cenário político que se desenhou desde 2016, chegando a se indignar com o uso da gravação dela da música "Vou Festejar", do amigo Jorge Aragão, num protesto contra a presidenta Dilma Rousseff, grande amiga da cantora.

Beth também foi solidária às injustiças sofridas pelo ex-presidente Lula e foi um dos famosos que protestaram contra a prisão do petista, movida por supostas acusações feitas sem fundamento jurídico.

Polêmica, apoiava Fidel Castro, Hugo Chavez e o Movimento dos Sem-Terra, enquanto foi u…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

SIMCA CHAMBORD

ANÚNCIO BRASILEIRO DO SIMCA CHAMBORD, PUBLICADO EM REVISTAS DIVERSAS, EM 1958.

Extraído do portal WIKIPEDIA

Simca Chambord foi o nome de um automóvel produzido pela Simca francesa entre 1958 e 1961, desenvolvido a partir do Simca Versailles. Tal como este, imitava os automóveis estadunidenses da época. Foi o primeiro automóvel de luxo fabricado no Brasil, a partir de 1959, tendo continuado a ser construído sob licença pela Simca do Brasil até 1967.[1] O Chambord também marcou uma época por ser o veículo usado pelo ator Carlos Miranda, protagonista da popular série de TV O Vigilante Rodoviário.

DEFICIÊNCIAS

Apesar de sua boa aparência, o Chambord tinha o desempenho comprometido por um motor V8 fraco, o que lhe valeu o apelido jocoso de "O Belo Antônio" (bonito, mas impotente).

VARIANTES

O Simca Présidence foi uma versão luxuosa do Simca Chambord. Tinha rodas do tipo aro de bicicleta, pneu estepe atrás do porta-malas, cores exclusivas e bancos de couro. Foi lançado em 1965 com um mo…