Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2017

A PERDA DE BELCHIOR, ÍCONE DA MPB SETENTISTA

Por Alexandre Figueiredo

A MPB anda envelhecendo e não há sangue novo que pudesse renovar com a mesma visceralidade das gerações mais antigas. Aos poucos estamos perdendo até as gerações de 1960 e 1970 e isso faz com que a música brasileira se tornasse cada vez mais acéfala, diante da supremacia quase totalitária do comercialismo brega-popularesco.

Ícone da geração 1970, Antônio Carlos Gomes Belchior, cujo nome artístico tornou-se apenas o último sobrenome, faleceu aos 71 anos incompletos - ele nasceu em 26 de outubro de 1946 - , depois de cerca de dez anos de vida aparentemente errante e misteriosa.

Belchior era um dos nomes da geração cearense que revelou também Ednardo (da música "Pavão Misterioso" e pai da estonteante atriz Joana Limaverde) e o hoje neoconservador Raimundo Fagner (ligado ao grupo de celebridades que apoiou Aécio Neves em 2014), uma geração que misturava lirismo modernista com rock e hippismo.

Nascido em Sobral, Belchior começou sua carreira em 1965 e di…

A SIMPLICIDADE DE JERRY ADRIANI

Por Alexandre Figueiredo

O Brasil perdeu um de seus admiráveis talentos, o cantor Jerry Adriani, um dos ídolos da Jovem Guarda. Ele faleceu de câncer, poucos meses depois de ter completado 70 anos, no último dia 29 de janeiro e com muitos planos de carreira, inclusive uma agenda de apresentações que agora foi perdida.

Ele era um dos mais novos do movimento, e tinha 53 anos de carreira. Sua simplicidade e despretensão tinham a ver até pelo nome de batismo, Jair Alves de Souza, mas ele, fazendo um trocadilho com seu prenome, resolveu adotar o nome artístico de Jerry Adriani, inspirado no comediante Jerry Lewis e no ator italiano Adriano Celentano.

Ele começou a aparecer discretamente como atração convidada no programa Crush in Hi-Fi, apresentado pelos irmãos Tony e Celly Campello. Em 1962, Jerry começou sua carreira na banda Os Rebeldes, pouco conhecida.

Mas, ao começar sua carreira solo, com Italianissimo, seu primeiro álbum em 1964, Jerry chamava a atenção pela sua voz ao mesmo tempo…