quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

ÍCONE DA TV NOS ANOS 70 E VENCEDORA DO EMMY, MARY TYLER MOORE MORRE AOS 80


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Uma das grandes atrizes da televisão estadunidense dos anos 1960 e 1970, Mary Tyler Moore, estrela de vários seriados e longa-metragens, faleceu em consequência de diabetes, aos 80 anos (81 incompletos). No começo da carreira, era também dançarina e modelo. Seu único filho, Richard Meeker Jr., em informação não descrita no texto abaixo, faleceu aos 24 anos em 14 de outubro de 1980, por disparo acidental de arma.

Ícone da TV nos anos 70 e vencedora do Emmy, Mary Tyler Moore morre aos 80

Do UOL Entretenimento

A atriz Mary Tyler Moore, vencedora de seis prêmios Emmy, indicada a um Oscar de melhor atriz e mais conhecida por seus papéis nas séries "The Mary Tyler Moore Show" e "The Dick Van Dyke Show", morreu nesta quarta-feira (25), aos 80 anos.

"Hoje, nosso amada e icônica Mary Tyler Moore faleceu aos 80 anos na companhia de amigos e de seu marido por 33 anos, Dr. S. Robert Levine", disse sua agente Mara Buxbaum à rede ABC News. "Uma grande atriz, produtora e apaixonada defensora da Fundação pela Pesquisa da Diabetes Juvenil, Mary vai ser lembrada como uma destemida visionária que transformou o mundo com seu sorriso."

A atriz morreu no hospital em que estava internada, em Connecticut, nos Estados Unidos, após complicações decorrentes da diabetes, doença que foi diagnosticada quando ela tinha apenas 33 anos, e da qual se tornou uma porta-voz da prevenção. No início de 2011, a atriz passou por uma cirurgia para remover um tumor benigno no cérebro.

Moore ganhou seis prêmios Emmy por seu sucesso na TV, principalmente no seriado "Mary Tyler Moore Show", exibido nos EUA de 1970 a 1977, e foi indicada ao Oscar por sua atuação em “Gente Como a Gente”, de 1980, dirigido por Robert Redford.

Feminista acidental

Mary Richards, a mulher solteira e dona de sua carreira interpretada por Moore nos anos 70 na série, surgiu junto com o movimento feminista, tornando-a um exemplo para todas as gerações de atrizes de comédia que vieram posteriormente, de Tina Fey a Ellen DeGeneres –embora a própria atriz não se considerasse feminista.

O programa, que focava na rotina de Mary Richards, a produtora de um fictício telejornal de Minneapolis e sua vida de solteira, ganhou 29 Emmys, recorde só quebrado anos depois, quando “Frasier” conquistou a 30ª estatueta. Além de quatro prêmios pelo papel, Moore ganhou um quarto pelo papel de Laura Petrie na série “The Dick Van Dyke Show”, e um sexto pelo telefilme “Stolen Babies” (1993).

Embora fosse mais conhecida pelo seu trabalho na TV, a atriz atuou em diversos filmes a partir dos anos 60, como o de uma freira no último filme de Elvis Presley, “Ele e as Três Noviças” (1969) e “Gente como a Gente” (1980), que lhe rendeu a única indicação ao Oscar de Melhor Atriz.

Moore nasceu no Brooklyn, em Nova York, em 29 de dezembro de 1936, a filha mais velha de três irmãos. Quando tinha 8 anos, a família se mudou para Los Angeles, onde foi criada numa comunidade católica.

Aos 17 anos, ela decidiu seguir carreira na dança e conquistou o primeiro emprego, como dançarina em comerciais da marca “Hotpoint”. O trabalho acabou quando ela engravidou do seu primeiro e único filho, Richard Meeker Jr., fruto da relação com o primeiro marido, Richard Carleton Meeker.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.