CARRIE FISHER, A PRINCESA LEIA DE "STAR WARS", MORRE AOS 60 ANOS


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Uma das atrizes mais populares dos fãs de ficção científica, Carrie Fisher, consagrada pelo papel da Princesa Leia na saga Star Wars, não sobreviveu a um infarto, depois de quatro dias internada. A perda dela é uma das que fecham esse triste ano trágico de 2016, quando tantas personalidades admiráveis faleceram.

Carrie Fisher deixou um livro, The Princess Diarist, que contém anotações feitas durante as filmagens dos três filmes da saga Star Wars produzidos em 1977, 1980 e 1983. Ela também participou em filmes como Austin Powers: Um Agente Nada Discreto, O Império do Besteirol Contra-Ataca e As Panteras Detonando. Mas sua última participação no cinema será no papel de Leia em Star Wars: Episódio 8, a ser lançado postumamente em 2017.

Carrie foi filha da atriz Debbie Reynolds, que havia sido um ídolo juvenil nas décadas de 1950 e 1960. Debbie agradeceu à solidariedade dos fãs, comovidos com a perda de Carrie, que neste contexto de tantas tragédias fará o Reveillon de 2016 parecer muito melancólico.

Carrie Fisher, a Princesa Leia de "Star Wars", morre aos 60 anos

Do UOL, em São Paulo (*)

A atriz Carrie Fisher, a Princesa Leia de "Star Wars", morreu nesta terça-feira (27) aos 60 anos, quatro dias após ser internada por sofrer um ataque cardíaco durante um voo que ia de Londres a Los Angeles.

A confirmação foi feita pela filha da atriz em comunicado divulgado por um porta-voz da família. "É com profunda tristeza que Billie Lourd confirma que sua amada mãe, Carrie Fisher, morreu às 8h55 desta manhã. Ela era amada pelo mundo e fará profunda falta. Toda nossa família agradece pelos pensamentos e preces."

A notícia da internação de Fisher, na última sexta-feira, pegou todos de surpresa. A atriz, que havia viajado a Londres para lançar seu livro de memórias e gravar cenas da série "Catastrophe", da Amazon, passou mal cerca de 15 minutos antes do pouso nos EUA. Segundo testemunhas, ela foi reanimada por um técnico de enfermagem ainda dentro da aeronave, mas teria ficado mais de dez minutos sem respirar.

Fisher foi levada para a UTI do UCLA Medical Center, em Los Angeles, mesmo hospital que atendeu Harrison Ford, o Han Solo da série, após um acidente de avião em 2015. Desde então, poucas informações haviam sido reveladas sobre o estado de saúde dela.

"Devastado", escreveu Mark Hammil, o Luke de "Star Wars", ao saber da notícia da morte. "Ela viveu a vida com coragem", disse Harrison Ford. Diversas outras celebridades lamentaram a morte da "princesa", incluindo William Shatner, de "Jornada nas Estrelas", Whoopi Goldberg e Ellen DeGeneres.

Ícone feminista

Uma das personagens mais queridas dos fãs da saga "Star Wars" - e possivelmente uma das mais icônicas do cinema de Hollywood -, sua Princesa Leia Organa esteve nos três filmes da trilogia original de George Lucas e voltou a estrelar os longas da nova fase: "Episódio VII: Despertar da Força", de 2015, e "Episódio VIII", que só estreia no final 2017, mas já teve as cenas gravadas. A heroína faz também uma aparição importante e emocionante em "Rogue One: Uma História Star Wars", que chegou aos cinemas em dezembro.

Verdadeiro ícone pop feminista, Leia era ao mesmo tempo motivo de orgulho e um fardo, costumava dizer em entrevistas a atriz, cujo crédito aparece em mais de 90 filmes e séries, incluindo "Hannah e Suas Irmãs", de Woody Allen, e "Os Irmãos Cara de Pau", de John Landis.

Em paralelo à carreira em frente às câmeras, Fisher também atuou como escritora e roteirista. Em 1987, lançou o livro "Postcards from the Edge", adaptado para o cinema com o título "Lembranças de Hollywood" pelo diretor Mike Nichols, com Meryl Streep e Shirley McLaine nos papéis principais. O livro, de tons autobiográficos, conta a história de uma atriz tentando reconstruir sua carreira após uma overdose. 

Atualmente, Fisher estava promovendo seu novo livro, "Memórias da Princesa: os Diários de Carrie Fisher", em que relata um breve caso amoroso com Harrison Ford, que foi seu par romântico em "Star Wars".

De símbolo sexual à General Organa

Escalada para o papel de Princesa Leia quando tinha 19 anos, Fisher só entrou para a saga de George Lucas depois de aceitar a condição de emagrecer 5 kg, algo que ela classificou no livro "Memórias da Princesa" como "desanimador".

Assim como outros atores do filme, a atriz recebeu o piso da categoria, cerca de 500 libras por semana, para atuar no primeiro episódio da franquia. Ela também contou que odiava fazer o penteado da personagem e que ficou surpresa por se tornar um símbolo sexual da época, pois a atriz se considerava feia.

"O que eu via no espelho não era aparentemente o que os garotos viam. Quando homens, desde cinquentões até jovens demais para o conforto da idade permitida pela lei, quando homens me abordam para dizer que eu fui o primeiro amor deles, digamos que eu tenha sentimentos confusos", diz Fisher no livro.

Vida sob os holofotes

Filha do cantor Eddie Fisher e da atriz Debbie Reynolds, Carrie nasceu em 21 de outubro em Beverly Hills (EUA), com o sangue do entretenimento correndo em suas veias. Seus primeiros passos no mundo da interpretação foram dados como estudante de arte dramática na Royal Central School de Londres e como parte do elenco de "Irene" (1973), um musical da Broadway que era protagonizado por sua mãe.

A estreia nos cinemas chegou pelas mãos de Warren Beatty, que por muito tempo tentava emplacar o projeto do filme "Shampoo". O longa acabou dirigido por Hal Ashby e estreou em 1975, com Beatty e Julie Christie como protagonistas. Fisher ganhou um papel secundário na trama.

Naquela época, o jovem cineasta George Lucas, que tinha adquirido prestígio pelo bom rendimento de "Loucuras de Verão" (1973), tentava tirar do papel um filme de ficção-científica que quase ninguém da indústria de Hollywood confiava.

Para fazer a Princesa Leia, o único papel feminino com verdadeiro peso na trilogia original de "Star Wars", foram cotados os nomes de Amy Irving e Jodie Foster, mas foi Carrie Fisher que entrou no set de gravação com Mark Hamill (Luke Skywalker) e Harrison Ford.

Contra todas as previsões, "Star Wars: Uma Nova Esperança" (1977) foi um grande sucesso de bilheteria e se transformou em um fenômeno, se tornando o segundo filme com maior bilheteria da história, com US$ 1,53 bilhão de arrecadação. 

Fisher retornou ao universo de "Star Wars" em "O Império Contra-Ataca" (1980) e "O Retorno de Jedi" (1983), em seus anos de maior esplendor na carreira. Junto com a fama, como se revelaria depois, veio uma época conturbada para atriz, que teve que lidar com problemas com o álcool e as drogas.

Após "Star Wars", a popularidade de Carrie foi caindo progressivamente e sua carreira não teve a continuidade necessária para que ela mantivesse o status de estrela em Hollywood. Nos anos 2000, lançou os livros "Wishful Drinking" (2008) e "Shocakholic" (2011) e os roteiros dos filmes "As Damas de Hollywood" (2001) e "E-Girl" (2007). Os últimos trabalhos no cinema antes de voltar à saga "Star Wars" foram "Pacto Secreto" (2009) e "Mapas para as Estrelas" (2014).

Além do breve relacionamento com Ford no set, só revelado recentemente, Fisher foi  casada com o cantor Paul Simon. Com o empresário Bryan Lourd, teve uma filha, Billie Catherine.

*Com informações de agências internacionais

Comentários