Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Novembro, 2016

MORTE DE FIDEL CASTRO CONSOLIDA RETOMADA CONSERVADORA DOS ÚLTIMOS TEMPOS

Por Alexandre Figueiredo

Não fosse suficiente as ocorrências ultraconservadoras no mundo moderno, seja nos EUA, na Europa ou no Brasil, o falecimento do líder cubano Fidel Castro, ironicamente na noite de uma sexta-feira capitalista - a chamada Black Friday - , ontem, dia 25, consolidou os tempos sombrios que marcaram o doloroso ano de 2016.

Diante de tantos óbitos de pessoas importantes - no mundo, tivemos os falecimentos do músico David Bowie e do escritor Umberto Eco e, no Brasil, deixa lacuna um produtor de renome como Fernando Faro, da TV Cultura, que não viveu para ver o vexame da edição do jornalístico Roda Viva com o presidente Michel Temer - , a morte de Fidel, aos 90 anos de idade (completos no último 13 de agosto), traz uma reação desigual que simboliza os tempos de retomada ultraconservadora.

Enquanto os movimentos sociais e os grupos e personalidades progressistas em todo o mundo veem na morte de Fidel o fim de um ciclo de governos voltados à inclusão social, as elites c…

APAGOU-SE A CHAMA: LEONARD COHEN MORRE AOS 82 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Talentos diferenciados partiram nesse ano turbulento e sombrio de 2016, um número que parecia indicar uma conotação alegre mas tornou-se melancólico por seus inúmeros acontecimentos. 2016 parece uma canção de Leonard Cohen, falecido pouco tempo depois de lançar seu derradeiro álbum.

Apagou-se a chama: Leonard Cohen morre aos 82 anos

Por Miguel Martins - Carta Capital

Lançado há menos de um mês, o álbum do poeta e compositor canadense Leonard Cohen, You want it darker, é o segundo testamento musical legado por artistas atemporais em 2016.

David Bowie se foi dez dias após o início deste ano, deixando para trás Blackstar, lançado 48 horas antes de sua morte. A faixa Lazarus, carro-chefe do disco, trazia mensagens que se esclareceram em um curto espaço de tempo, como o verso de abertura “Look up here, I’m in heaven (Olhe aqui para cima, estou no paraíso)".

Morto aos 82 anos na noite de segunda-feira 7 (*), Cohen sentenciou na canção que dá título ao novo álbum:…

ÍRIS BRUZZI TEM CAUSA GANHA NO PROCESSO CONTRA TV RECORD

Essa não é o tipo de notícia que esperaríamos ouvir de Íris Bruzzi, uma das maiores musas do Brasil e um dos símbolos sexuais brasileiros dos anos 1960. Atriz que ultrapassou os limites do teatro de revista, Íris enfrenta a humilhação de ter sido maltratada pela TV Record, ao ponto dela mover um processo trabalhista contra a emissora.

Ela ganhou em segunda instância, num processo contra a emissora, acusada de obrigar a atriz a abrir uma empresa para ser contratada e, desta forma, a emissora descumprir compromissos trabalhistas. Em 2014 o contrato com a Record não foi renovado.

Íris estava na emissora desde 2006, e atuou em novelas de pouca expressão e baixa audiência. Atualmente morando nos EUA, Íris poderá ganhar R$ 1,5 milhão por indenização, além da Record ter que anotar informações da atriz como ex-funcionária em sua carteira de trabalho. A indenização inclui obrigações trabalhistas no tempo em que ela trabalhou na emissora, que no entanto pode recorrer da sentença, embora com me…