Pular para o conteúdo principal

HOMENS GRANFINOS DA GERAÇÃO 1950 FIZERAM "COLINHA" PARA "VIVER" O PASSADO

CENA DO FILME CANDELABRO ITALIANO, DE 1962.

Por Alexandre Figueiredo

Curiosamente, a meia-idade é uma espécie de infância da velhice, Durante um bom tempo vimos, nas colunas sociais, empresários, médicos, publicitários, advogados e economistas nascidos entre 1950 e 1955 e que, casados com mulheres em média 15 anos mais jovens (geralmente nascidas nos anos 1970), ensaiavam um certo pedantismo cronológico, expondo um passado que não viveram.

É verdade que existem pessoas que sentem saudade do que não viveram ou que se identificam com referenciais que existiam antes de nascerem ou quando eram crianças. Mas não é qualquer um que se apropria de um passado que não viveu com desenvoltura e especialidade, poucos têm essa habilidade na humanidade. Sobretudo homens com mania de parecerem mais velhos do que realmente são.

Em muitos casos, há o pedantismo cronológico, em que, por algum interesse em determinada etapa da vida, alguém se agarra a uma época não porque a entende com profundidade, mas porque o entendimento desses tempos é uma forma de ascensão social, um recurso feito para impressionar os amigos e dar uma de culto e experiente.

Num período como o recente, em que pessoas de 50 e 60 anos, ou mesmo de 45, dificilmente mostram maturidade e sabedoria - é só verificar os noticiários e ver que os grisalhos de hoje não são como os de antigamente e vários se envolvem em escândalos amorosos, brigas diversas ou corrupção política - , dá para perceber que os granfinos hoje entre 61 e 66 anos recorreram a um artifício infantil para mostrar uma bagagem vivencial mais velha do que suas idades.

Foi o que se observou quando essa geração completou 50 anos. O empresário tal dizia que conheceu Tom Jobim pessoalmente. O médico tal afirmava conhecer jazz, citando vagamente Benny Carter. Outro médico vai ver um amigo de Pablo Picasso como se fosse do tempo dele. Um economista mostra vinícolas da França do século XIX e por aí vai.

Além disso, todos viraram "fãs" de Frank Sinatra se esquecendo que, quando eram jovens, eram apenas garotos que amavam Eagles e Led Zeppelin. Ou falavam de Glenn Miller como se tivesse sido um tio deles, quando o famoso maestro faleceu em 1944. Falavam também de Nelson Rodrigues, Millôr Fernandes e Vinícius de Moraes como se tivessem se reunido com eles nas rodas boêmias de 1958. Como, sendo garotos entre três e oito anos de idade?

Isso é um fenômeno que até existe no exterior, e faz muitos cinquentões ou sessentões forçarem a barra por um estilo de "maturidade" forçado e antiquado, baseado em padrões que só faziam sentido nos anos 1970.

E como eles não podem ter mesmo a bagagem de octogenários - ficamos imaginando o que médicos de 85 anos acham dos "moleques" de 62, 65 anos que querem ter a bagagem dos mais velhos - , eles têm que recorrer à colinha escolar, pegando alguns macetes que criam uma "vivência" artificial dos anos 1940 e 1950 e até de alguns referenciais mais antigos. Vamos lá.

FRANK SINATRA - Tomam como base a lembrança da apresentação que o famoso cantor estadunidense em 1980, no Rio de Janeiro. A geração born in the 50s não era muito fã de Sinatra, já que passou por uma época em que o cantor estava em baixa (era a época a psicodelia, do movimento hippie e do rock pesado), mas passou a "ser fã" depois de completarem 50 anos, como forma de parecer "sofisticado" para a sociedade.

Em certos casos, o gancho também pode ser os discos de dueto que Sinatra gravou no final da década de 1980, já com os homens empresários, executivos e profissionais liberais com "idade de titios", chegando aos 35 ou beirando os 40 anos de idade.

NAT KING COLE - A apropriação de Nat King Cole se deu pela regravação de seu sucesso "Unforgettable", dueto tecnológico entre uma gravação antiga do cantor e a participação da filha, a hoje falecida Natalie Cole, com acompanhamento gravado na época, de 1991, quarenta anos após a gravação original.

Praticamente os homens granfinos dessa geração só citam "Unforgettable", ignorando o resto do repertório de Nat, seja "Route 66" (regravada, nos anos 80, por uma banda de tecnopop, Depeche Mode, referencial "juvenil demais" para os granfinos) ou "Blue Gardenia", que, embora tenha tido uma versão na voz de um cantor dos anos 1950, Cauby Peixoto, este intérprete é considerado "poplar e exótico demais" para os empresários, executivos e profissionais liberais na casa dos 60 anos.

CENTRO HISTÓRICO DE ROMA - Um dos clichês desses granfinos é viajar, com suas esposas, para visitar o centro histórico da capital italiana. Tentam mostrar uma desenvoltura que dá uma falsa impressão de que tais homens detém os segredos da fundação de Roma (que, sabe-se, teve registros históricos perdidos).

No entanto, a verdade é que tais referenciais foram tirados de uma comédia romântica juvenil, Candelabro Italiano (Rome Adventure), de 1962.

PINTURA IMPRESSIONISTA - Nota-se que nos meios granfinos sempre existe o hábito de haver eventos de exposições de artes plásticas, um passatempo muito antigo na alta sociedade, desde os tempos da belle-èpoque francesa. Sobretudo quando quadros e esculturas são expostos e vendidos em leilão.

Junte-se a isso a um certo pedantismo cultural e cronológico e vemos os empresários, executivos e profissionais do sexo masculino alegando que "entendem muito" das artes plásticas do século XIX e da primeira metade do século XX.

MILLÔR FERNANDES - O humorista que escrevia suas crônicas cotidianas até atravessou o tempo para poder ser compreendido por diversas gerações. Mas os granfinos born in the 50s se apropriam dele como se fossem contemporâneos do notável escritor, falecido há quatro anos.

Os granfinos, no entanto, deixaram claro que só começaram a acompanhar os textos do autor nos anos 1970, como no Pasquim, ou até nos anos 1980, praticamente indiferentes a obras polêmicas como A Verdadeira História do Paraíso e a revista O Pif Paf, assim como a coluna homônima a este periódico, quando Millôr, escrevendo para O Cruzeiro, usava o pseudônimo de Emanuel Vão Gôgo.

JAZZ - A compreensão de jazz destes granfinos tenta ser exemplar mas é confusa. Geralmente confundem standards (fusão dos musicais da Broadway dos anos 1920-1930 com o Dixieland, versão elitista e comportada do jazz, popularizada pelos filmes da fase de ouro de Hollywood) com jazz.

Há uma preferência para o "jazz para namorar", com canções românticas de Ella Fitzgerald, Sarah Vaughan e Louis Armstrong, ou momentos jazzísticos de Frank Sinatra e Tony Bennett, também apreciados em canções eminentemente românticas. Ás vezes, músicos conhecidos como Benny Carter, Miles Davis, Dizzy Gillespie e Dexter Gordon são citados.

Mesmo assim, não há muita profundidade na apreciação do jazz, e isso mais parece coisa de cinquentão ou sessentão querendo ser "mais velho", como crianças que brincam de ser gente grande. Paciência, não se cria um Luiz Orlando Carneiro (crítico de jazz do Jornal do Brasil) em escritórios empresariais ou consultórios médicos.

OUTRAS COISAS - Outros referenciais "mais antigos" também foram pescados por esses "coroas" de fontes mais tardias e acessíveis, como a revista Seleções do Reader's Digest, que lhes desenha o "mundo" que querem "compreender", o filme Cinema Paradiso, para entender um cinema mais antigo e a canção "Perhaps Love", dueto de John Denver e Placido Domingo.

Tais referências, vindas dos anos 90, fizeram com que os antigos yuppies dos anos 1980 chegassem aos anos 2000, com 50 anos, "desenhando" um passado que não viveram e continuam compreendendo muito pouco. Frustrados em não entender o mundo pré-1960, eles vão se consolar indo ver o roqueiro dos anos 1980, Paulo Ricardo, em uma apresentação ao vivo.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

HÁ 50 ANOS, PERDEMOS SYLVIA TELLES, UMA DAS MAIORES CANTORAS DO BRASIL

Por Alexandre Figueiredo

Até hoje, a perda da cantora Sylvia Telles, um dos maiores nomes da Bossa Nova e da moderna MPB, deixou uma lacuna irreparável. Diante de uma situação em que a MPB sofre uma crise, perdida em excesso de tributos e clichês pós-tropicalistas ou revivalistas, não há uma cantora que pudesse se equiparar à voz intensa, meiga, forte, dramática e sensualmente doce de Sylvinha Telles.

Ela teve uma breve carreira de 12 anos. Breve, mas de altíssima qualidade. Raramente compôs músicas, mas como intérprete dava sua marca forte em interpretações que se encaixavam em arranjos bossanovistas, jazzísticos e diante de uma orquestra. E tinha uma modernidade juvenil que dava um frescor musical intenso, de um grande talento prematuramente falecido.

Sua primeira música gravada foi "Amendoim Torradinho", composição de Henrique Beltrão, que fazia parte de um número musical da peça de teatro de revista Gente Fina e Champanhota, em 1955. Um dos músicos acompanhantes, José C…

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

AOS 80 ANOS, JANE FONDA DIZ QUE NÃO ESPERAVA CHEGAR AOS 30

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Com 80 anos e em atividade, a atriz Jane Fonda, uma das revelações de Hollywood no começo dos anos 1960, sendo mais conhecida então como a filha do astro Henry Fonda - e, depois, irmã de Peter Fonda, de Sem Destino (Easy Rider), este pai da também atriz Bridget Fonda - , não imaginava que sobreviveria aos 30 anos.

Era uma época em que atrizes faleceram precocemente por diversos incidentes - entre 1961-1962 o mundo perdeu a inglesa Belinda Lee e a estadunidense Marilyn Monroe - , e Jane, felizmente, seguiu sua vida não sem dificuldades, mas consolidando seu talento e seu carisma até hoje. Além de atriz, ela já gravou um vídeo de ginástica, escreveu livro e havia sido ativista política de esquerda,

Consagrando-se como "musa" no filme de ficção científica Barbarella, de 1968 e atualmente solteira depois de três casamentos - com o cineasta Roger Vadim, o político Tom Hayden e o empresário de Comunicação Ted Turner - , atualmente participa de seriados de…

CLÁUDIA TELLES, CANTORA POPULAR NA DÉCADA DE 1970, MORRE NO RIO AOS 62 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Filha da saudosa cantora de Bossa Nova, Sylvia Telles, considerada uma das maiores vozes da MPB, a também cantora e compositora Cláudia Telles inicialmente fez sucesso nos anos 1970, com canções como "Fim de Tarde" e "É Preciso Te Esquecer".
No entanto, depois dessa fase, Cláudia foi discriminada pelo mercado e esnobada sem razão por aqueles que a viam como se fosse one-hit wonder, ou seja, artista de um ou poucos sucessos. Só que Cláudia continuou batalhando em sua carreira musical ao longo dos anos, de forma independente e fora da mídia, gravando vários discos, entre eles um tributo à mãe, Sylvia.
Cláudia faleceu aos 62 anos - na verdade, 63 incompletos - de parada cardíaca. Ela viveu cerca de 31 anos a mais que sua mãe, prematuramente falecida aos 32 anos em 1966, num acidente de carro em Maricá. Como a mãe, é uma voz muito talentosa e uma intérprete admirável que fica na História, através do legado deixado para a posteridade.
Claudia Te…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

HÁ 55 ANOS, MORREU JAMES DEAN

Do blog TV pelo Espectador

No dia 30 de setembro de 1955, o choque de seu Porsche em alta velocidade contra um Ford que vinha em direção contrária causou a morte imediata do jovem ator de cinema, levando a consternação internacional.

James Byron Dean nasceu em Fairmont, no estado americano de Indiana, em 8 de fevereiro de 1931. Mudou-se com sua família para Los Angeles quando tinha cinco anos de idade. Aos oito, após a morte da mãe, retornou ao Meio-Oeste, onde cresceu na fazenda de um parente. Retornou para a Califórnia, matriculando-se no Santa Monica Junior College e, mais tarde, na universidade UCLA.

Dean estreou no meio artístico com um pequeno grupo teatral dirigido por James Whitmore, também em comerciais de TV e representando pequenos papéis em diversos filmes.

Em 1952, foi para Nova York, onde trabalhou como motorista de ônibus até conseguir uma ponta na peça See the Jaguar, na Broadway. Depois, frequentou aulas no Actors Studio, atuou na televisão e retornou para a Broadway no T…