Pular para o conteúdo principal

MORRE ARIEL SHARON, EX-PREMIÊ DE ISRAEL E GENERAL DA OCUPAÇÃO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Ariel Sharon, falecido depois de oito anos em regime vegetativo, era um típico exemplo da política de Israel como um "país cliente" dos Estados Unidos, para usar uma definição do pensador Noam Chomsky.  O ex-primeiro ministro israelense fez sua carreira promovendo o massacre e a opressão do povo palestino e a defesa da intervenção norte-americana nas reservas econômicas no Oriente Médio.

Morre Ariel Sharon, ex-premiê de Israel e general da ocupação

Por Moara Crivelente - Portal Vermelho


Ariel Sharon, ex-premiê e militar israelense, morreu neste sábado (11), aos 85 anos de idade. Em coma havia oito anos devido a um derrame cerebral, a piora do seu estado de saúde, nas últimas semanas, vinha resultando na publicação de diversos artigos sobre o seu papel na criação do Estado de Israel e na política recente do país. Neste sentido, sua ação fundamental sobre o conflito e a ocupação da Palestina é ressaltada.

Jornais israelenses falam do "fim de uma era” política de firmeza. Mas Sharon ficou conhecido pelo mundo também pela provocação na ignição da Segunda Intifada – levante árabe contra a ocupação, em 2000 – e no massacre de palestinos e libaneses nos campos de refugiados de Sabra e Chatila, no Líbano, entre as várias guerras das quais participou ativamente.

Para o jornalista e editor do Portal Vermelho, José Reinaldo Carvalho, "com a morte de Ariel Sharon desaparece um dos piores verdugos do povo palestino. Uma vida inteira dedicada ao genocídio, à política de ocupação, a massacres, ao expansionismo do Estado pária de Israel. Infelizmente, Sharon sobrevive na estratégia e ações da mesma natureza do regime sionista".

Exemplos do seu envolvimento em incontáveis episódios de violência e crimes de guerra não faltam. Em Sabra e Chatila, apesar de a extrema-direita libanesa ser autora direta dos ataques, Sharon, que era então ministro da Defesa, foi considerado pessoalmente responsável, inclusive pela Corte Suprema de Israel, já que a área estava sob a ocupação israelense, devido à invasão de 1982. Analistas consideram ainda que a negligência foi consciente e intencional, e que o massacre contou com a coparticipação israelense.

Mas a história de Sharon como militar tem início muito antes disso. Em 1942, aos 14 anos de idade, ele integrou a Gadna, um batalhão da juventude judia, e depois o Haganah, um grupo paramilitar judeu criado para a defesa das colônias judias, mas que combatia os britânicos e os árabes da região. O Haganah foi o precursor militar das forças armadas atuais, chamadas “Forças de Defesa de Israel” (FDI).

Sharon foi comandante do Exército israelense desde a sua criação como tal, em 1948, e participou da guerra que Israel chama de “luta pela independência” – contra o Mandato Britânico que então controlava a região – e que massacrou centenas de milhares de palestinos, forçando outros milhares a refugiarem-se nos países vizinhos ou em outros continentes.

Depois, também foi proeminente nas guerras de agressão de Israel contra o Egito, em 1956, contra diversos vizinhos árabes e os palestinos, na Guerra dos Seis Dias de 1967 e, outra vez, na Guerra do Ramadã, ou do Yom Kippur, de 1973, além da própria guerra de 1982 contra o Líbano. São trajetos que ele fez como general e como ministro da Defesa.

Pela carreira política-militar, vista como a de um feroz combatente por muitos israelenses, Sharon foi apelidado de “Rei de Israel”, ou “Leão de Deus”. Após aposentar-se do Exército, ele filiou-se ao partido Likud, ou “A Consolidação”, em hebraico, de direita – o mesmo ao qual pertence o atual ministro, Benjamin Netanyahu, e que tinha ajudado a fundar, na década de 1970. Foi ministro de vários governos, até ser eleito primeiro-ministro, em 2001. Ocupou o cargo até 2006, quando sofreu um derrame cerebral e ficou em estado vegetativo, mas observadores da época dizem que suas chances de vencer a reeleição eram altas.

Enquanto ainda concorria ao cargo de premiê, Sharon visitou a Esplanada das Mesquitas, onde fica a importante Al-Aqsa, que vários grupos israelenses pretendem destruir para que se construa o Terceiro Templo judeu. A visita de Sharon foi considerada uma provocação pelos muçulmanos e pelos palestinos em específico, que se manifestaram contrariamente, mas foram reprimidos pelas tropas israelenses com munição letal. O episódio contribuiu significativamente para a eclosão da Segunda Intifada, em 2000, contra a ocupação israelense.

Sharon foi responsável por mais violência, neste período. Um dos eventos mais conhecidos foi a chamada Batalha de Jenin, quando tropas israelenses invadiram o campo de refugiados desta região, na Cisjordânia. Muitos palestinos foram mortos em confrontos com as tropas de Israel, apesar da resistência das brigadas organizadas.

No contexto das esparsas negociações com os palestinos, Sharon foi responsável também pela retirada das colônias judias do interior da Faixa de Gaza, em 2005, mantendo o território sob um bloqueio militar extremo, entretanto. A medida causou desavenças no interior do Likud, e o então premiê deixou o partido para formar o Kadima, ou “Adiante”, que ficou classificado de “centrista”, ao qual é filiada a atual ministra da Justiça responsável pelas atuais negociações com a Autoridade Palestina, Tzipi Livni. Assim como a maior parte dos grupos políticos de Israel, tanto o Likud quanto o Kadima classificam-se como sionistas, ideologia colonialista em que se baseia o Estado de Israel.

A retirada da Faixa de Gaza – acordada através do chamado “Mapa para a Paz”, resultado de uma proposta mediada pelos Estados Unidos, pela Rússia e pela União Europeia, em 2003 – foi vista por muitos analistas como uma concessão estratégica, uma vez que, entre outras coisas, Israel deixava de ser “responsável”, como ocupante - condição que o governo não reconhece -, por mais de um milhão de palestinos no território. Ainda assim, nas negociações, Sharon dizia que planejava aceitar, “no futuro”, a consolidação do Estado da Palestina. Entretanto, ao mesmo tempo em que retirou 8.000 colonos de Gaza, levou cerca de 500.000 para a Cisjordânia.

Em 2005, uma pesquisa de opinião conduzida pelo jornal de direita Yiedioth Aharanoth revelava que a maioria dos israelenses considerava Sharon uma das figuras mais importantes da história política israelense, e foi votado como “o oitavo maior israelense de todos os tempos”.

De acordo com a agência palestina de notícias Ma’an, muitos israelenses lembram Sharon como um estadista controverso, mas firme, que liderou o país com um punho de ferro por tempos difíceis. Já para os palestinos e outros povos árabes, que o apelidaram de “a escavadeira”, Sharon é lembrado pelo seu envolvimento e liderança nos massacres em vários países e pelo seu papel na repressão do movimento nacional palestino durante décadas.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

CASOS HARVEY WEINSTEIN E ROSEANNE BARR APONTAM FRAGILIDADE DA GERAÇÃO "W"

Por Alexandre Figueiredo

Não se fazem mais pessoas mais velhas do que antigamente. A geração nascida a partir de 1950, que se aproxima dos 70 anos, e que vai até 1974, com pessoas a caminho dos 45 ou 50 anos, se envolve cada vez mais em incidentes polêmicos, que vão desde escândalos de assédio sexual e comentários racistas até em postagens que dizem o que não devem e são imediatamente apagadas, não sem repercutir nas redes sociais e ser reproduzida a tempo de aparecer na imprensa no mundo inteiro.

Os casos de Harvey Weinstein, produtor de Hollywood acusado de assédio sexual e até de estupro por um considerável número de atrizes de Hollywood, e de Roseanne Barr, atriz e produtora que havia criado e protagonizado uma sitcom de grande sucesso, intitulada Roseanne, que havia encerrado há tempos e ganhou uma nova temporada recentemente.

Weinstein, um dos fundadores da Miramax Films e, depois, fundou a Weinstein Company com seu irmão Bob, era um dos mais prestigiados produtores executivos …

RAUL SEIXAS

Hoje seria a data de aniversário dos 65 anos do cantor Raul Seixas, um dos maiores nomes do Rock Brasil e um dos mestres, ainda que controversos, da Música Popular Brasileira.

Em 21 de agosto de 1989, ele faleceu de problemas causados pela diabetes. Raul havia retomado a carreira, junto ao conterrâneo Marcelo Nova, e os dois chegaram até a se apresentarem no estreante Domingão do Faustão, quando o programa, ainda sofrendo os ranços do Perdidos da Noite, ainda não era considerado o templo da música brega-popularesca do país.

Raul era uma figura controversa e, em vida, era esnobado e discriminado pela mídia. Tanto que deixou, na primeira oportunidade, a provinciana Salvador, sua terra natal, para viver até o fim da vida em São Paulo. Portanto, Raul tornou-se um paulistano naturalizado.

Raul teve a sorte, num Brasil atrasado quanto à modernidade internacional e numa Salvador mais atrasada ainda, de ter tido como amigo de infância um filho de diplomata. Isso fez Raul acertar o relógio com o …

CASOS DE LULA E DILMA ACABAM DANDO AULA PRÁTICA DA CRISE DA ERA JANGO

Por Alexandre Figueiredo

As pessoas mais jovens têm a oportunidade de relembrar fatos históricos do passado, relacionando a crise política de hoje com a crise que seus pais e avós viveram há 52 anos. A crise política do segundo semestre de 1963 até o primeiro de 1964, que culminou no golpe militar que instaurou uma ditadura de 21 anos, encontra eco na crise atual do governo da presidenta Dilma Rousseff.

A crise atinge o ciclo político do Partido dos Trabalhadores, que se ascendeu no poder em 2003, levando ao cenário político personalidades que combatiam o regime militar: o então presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, por exemplo, foi um operário do ABC paulista que se ascendeu durante a crise do "milagre brasileiro" da ditadura militar, por volta de 1974.

Junto a ele, se ascendeu também o antigo líder estudantil José Dirceu, que havia sido preso quando, presidente da União Nacional dos Estudantes em 1968, foi surpreendido por uma ação policial em Ibiúna, interio…

Cristiano Machado, o homem que virou termo

O POLÍTICO MINEIRO CRISTIANO MACHADO (1893-1953)

Por Hélio Campos Mello, diretor de redação da revista Brasileiros

Antes do 1º turno das eleições municipais, no próximo domingo (5), um pouco de História sobre pleitos no País:

Cristianização

"Termo utilizado a partir de 1951 para designar a traição de um partido político a seu candidato a cargo eletivo. A origem está ligada ao nome de Cristiano Monteiro Machado, candidato à presidência da República em 1950 pelo Partido Social Democrático (PSD). Embora Cristiano Machado tenha sido indicado como candidato oficial do PSD em 17 de maio de 1950 e confirmado na convenção nacional de 9 de junho do mesmo ano, seu partido na realidade apoiou a candidatura de Getúlio Vargas.

"As razões da atitude do PSD estariam ligadas à dissidência que se abriu dentro do partido em torno da escolha de um candidato à presidência da República."

Trecho do texto de Alzira Alves de Abreu, presente no Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro (DHBB), do …