sexta-feira, 22 de novembro de 2013

POR QUE KENNEDY AINDA DESPONTA COMO MITO NOS EUA, 50 ANOS DEPOIS DE SUA MORTE?


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O carismático presidente John Kennedy, do Partido Democrata,  era uma das autoridades mais empenhadas em ações imperialistas dos EUA, mas havia fracassado na invasão de soldados norte-americanos e dissidentes cubanos anti-castristas feita na Baía de Los Cochinos em 1961. Também ameaçou travar uma guerra nuclear contra a União Soviética mas, internamente, era também hostilizado e seu assassinato ainda é um mistério. Conservador, Kennedy no entanto foi muito longe do herói que a mitificação oficial dos EUA tenta manter como sua imagem na posteridade.

Por que Kennedy ainda desponta como mito nos EUA, 50 anos depois de sua morte?

Por Dodô Calixto - Opera Mundi


Historiadores e especialistas contestam figura de "presidente herói", perpetuado na sociedade estadunidense

A queda de um mito. Esta é uma frase clássica nos EUA para explicar como a morte de John Fitzgerald Kennedy afetou o país em 22 de novembro de 1963. “Qualquer que fosse o desastre natural”, disse o cronista Gay Talese, teria tido um efeito menos catastrófico que o assassinato do presidente. A razão? O jovem democrata, morto aos 46 anos foi responsável pelas ideias mais notórias acerca de questões sociais, econômicas e políticas no século XX na América do Norte, de acordo com historiadores e especialistas. Todavia, 50 anos depois, ainda restam controvérsias sobre o seu legado.


A discussão é que, em vez de políticas públicas, o carisma e a energia com que Kennedy apresentava suas opiniões, somados às conspirações e aos contornos dramáticos de sua morte, teriam transformado o democrata em mito – que persiste, mesmo há 50 anos do fatídico disparo em Dallas, Texas. Diversos críticos de sua gestão afirmam que o estadunidense era muito mais um personagem, inspirado em heróis do cinema, do que um governante, capaz de desenvolver soluções para a problemática da sociedade.


"Kennedy teve acertos e erros na sua administração, assim como todos os outros presidentes dos EUA. No entanto, seus discursos cativantes e o seu carisma fizeram com que, no momento de sua morte, ele alcançasse nível de herói", afirmou o jornalista Seymour Hersh, 76 anos, em entrevista recente. Hersh é autor do livro “O lado negro de Camelot”  - uma das obras mais controversas sobre Kennedy, contestando a verdadeira face do presidente.


Embora a agenda de Kennedy tenha abordado temas complexos da problemática social e econômica dos EUA, cientistas políticos contestam a eficácia do seu trabalho. Muitos afirmam, inclusive, que seu sucessor, Lyndon Johnson, foi quem realmente conseguiu executar os seus planos.


"Aqueles que estudam sua gestão como presidente constatam que, embora tenha tido um grande talento e representasse uma enorme esperança para os norte-americanos, suas conquistas reais em matéria legislativa e diplomática foram extremamente reduzidas", afirma o professor Jeffrey Engel, da Southern Methodist University, de Dallas, em entrevista à agência AP.
O fato, no entanto, é que são poucos os norte-americanos que não colocam Kennedy entre os maiores de todos os tempos. O consenso nos EUA é que um conjunto de fatores auxiliou na promoção da ideia do “presidente herói”.


O principal deles é que os fatos negativos de sua administração, como graves crises no sistema de saúde ou a política intervencionista na América Latina, foram esquecidos pela sua morte trágica - com um tiro na nuca. Assim, a lembrança positiva dos discursos emocionantes diante de milhares de pessoas ficou perpetuado no imaginário da população.


No entanto, Kennedy teve seus méritos, governando o país também em um dos períodos mais conturbados do século XX, a Guerra Fria. Ele exerceu papel chave durante a crise dos mísseis na ilha de Cuba. Para Jeffrey Engel, foi “o momento mais perigoso para a sobrevivência global e Kennedy mostrou-se um calmo, ainda que não perfeito, gestor de crises, conseguindo no final o que ele precisava – a retirada dos mísseis soviéticos de Cuba – a um baixo custo diplomático”, disse Engel.

Kennedy também teve atuação decisiva para a aprovação da Lei dos Direitos Civis, recebendo Luther King Jr. e outros líderes negros na Casa Branca.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.