Pular para o conteúdo principal

SEM DOMINGUINHOS, BAIÃO PERDE A ALMA


Por Alexandre Figueiredo

Ontem à noite, faleceu Dominguinhos, aos 72 anos, um dos músicos remanescentes dos tempos áureos do baião, quando a música nordestina tinha seu destaque como manifestação cultural autêntica que escapava do controle mercantilista do coronelismo midiático que se desenvolveu sobretudo depois de 1964.

José Domingos de Moraes era o herdeiro artístico de Luiz Gonzaga, tinha 50 anos de carreira e mais de 40 discos gravados e lutava há meses contra um câncer no pulmão. Sua família não tinha dinheiro para parte do tratamento da doença e chegou-se a cogitar um evento musical para arrecadar dinheiro para financiamento. Mas o músico faleceu ontem, horas depois de chegar à UTI do Hospital Sírio-Libanês, em São Paulo.

Teve vários sucessos e era um produtivo compositor. Entre os sucessos, está "De Volta pro Aconchego", em parceria com Nando Cordel, gravada pela cantora Elba Ramalho e que fez parte da trilha sonora da novela Roque Santeiro, da Globo. Também foi co-autor, com a cantora de baião Anastácia, da música "Eu Só Quero um Xodó", gravada há quarenta anos por Gilberto Gil e com boa execução em rádios até hoje.

É MUITO DIFÍCIL FAZER BAIÃO E OUTROS RITMOS NORDESTINOS

Dominguinhos conheceu Gonzagão aos nove anos de idade e surgiu uma grande amizade, que resultou também em parcerias e num aprendizado artístico que fez Dominguinhos o "filho artístico" do Rei do Baião, uma vez que Luiz Gonzaga Jr., o Gonzaguinha, seguiu um outro caminho musical, mais influenciado pela música intelectualizada dos CPCs da UNE. Sem Dominguinhos, o baião praticamente perdeu a alma, porque o músico foi um dos poucos a trabalhar o ritmo nordestino com emoção.

Não é muito fácil fazer baião, maxixe e outros ritmos constitutivos do chamado "forró". Pelo contrário, é muito, muito difícil. Não basta ter um acordeon e uma ideia na cabeça e trabalhá-la em festas juninas. Mesmo em trabalhos encomendados para festas juninas, casamentos e batizados, músicos como Luiz Gonzaga, Mário Zan e Dominguinhos, entre outros dessa época áurea, trabalhavam os ritmos nordestinos com emoção e espontaneidade.

Hoje tudo é técnica. Daí que um grupo como Falamansa, por exemplo, não tenha deixado grande marca. O grupo até escapa daquela deturpação grotesca do que se chama de "novo forró" - também conhecido como "forró eletrônico", "oxente-music" e forró-brega - , mas seu baião apenas é trabalhado numa técnica correta, mas sem a emoção natural de Gonzagão e cia.. O grupo é bem intencionado, mas soa por demais burocrático no som e nas composições.

Não bastasse a grande dificuldade de se produzir baiões, maxixes, xaxados e outros ritmos com a emoção necessária para não apenas reproduzir suas linguagens como senti-las e absorver seu estado de espírito, há também a deturpação grosseira que o termo "forró" se associou nos últimos anos.

O que se conhece oficialmente como "forró" tornou-se um engodo, uma "lavagem" tirada de "restos" do cardápio radiofônico que inclui country music, disco music, merengues, salsas e outros ritmos caribenhos. A falta de "nordestinidade" e de regionalidade, notada em grupos como Calcinha Preta, Mastruz Com Leite, Caviar com Rapadura, Aviões do Forró e Saia Rodada, cujas estéticas reproduzem até mesmo cabarés texanos, é tão gritante que até mesmo o som de sanfona é inspirado não na música nordestina, mas na música gaúcha.

O forró-brega tornou-se um mercado hegemônico, predatório e monopolista, além de se valer da precarização do mercado de trabalho, da exploração do trabalho dos compositores e da violação de qualquer processo de direitos autorais que a turma intelectualoide do "copyleft" faz vista grossa ou até mesmo apoia, por um simples ódio cego ao ECAD.

O mercado do forró-brega é tão nocivo que inclui até mesmo disputas de qual grupo vai gravar primeiro a música de algum compositor, e a coisa é tão feia que houve até caso de dançarina assassinada por outra na disputa de um posto num grupo de forró-brega do Espírito Santo (!), Estado da região Sudeste.

Não fosse isso suficiente, há também as temáticas que destoam completamente da poesia original do verdadeiro som nordestino. O forró-brega se ancora em letras de ódio conjugal, temas pornográficos e exaltação à bebedeira. Há até mesmo um sucesso, "Zuar e Beber", que defende a embriaguez de pessoas que vão dirigir um carro (no caso, uma Van). Imoralidades que só a intelectualidade dominante de hoje, com seu relativismo ético - valores retrógrados tornam-se "positivos" quando associados às "periferias" - acham normais.

Só a intelectualidade dominante, que não aponta diferenças entre forró-brega e o mangue beat (este sim, um movimento de renovação do som nordestino), acha o "novo forró" maravilhoso. Mas nem mesmo os nordestinos, como pernambucanos e cearenses, aguentam mais esse som. E, além do mais, seu monopólio chega mesmo a alimentar a corrupção de políticos conservadores, latifundiários e barões regionais da mídia associados.

ARTE HUMANISTA

Isso nada tinha a ver com a arte humanista da qual Dominguinhos foi um dos remanescentes. É verdade que o som nordestino associado a ele, Gonzagão, Mário Zan, Trio Nordestino, Genival Lacerda e outros remetem ainda a um Brasil rural, a tempos em que adolescentes ainda faziam brincadeiras de crianças.

Daí outra dificuldade. Afinal, o baião não é apenas um som, não é uma música com acordeon que fale de saudades e remeta a danças populares, mas um estado de espírito de um tempo que não existe mais. Da mesma forma, a Bossa Nova, como estado de espírito, também remete a um outro tempo, e o difícil é reproduzir essa "alma" cultural para os tempos de hoje.

Os impasses que a atualização desse estado de espírito encontra hoje, numa sociedade midiatizada e massificada, tragada pela mediocrização cultural galopante, é que faz com que a simples reprodução musical soe postiça e forçada, mesmo quando bem intencionada. É que, na falta de um "clima" e um "sentimento", essa reprodução se limita a técnica e, como tal, vulnerável a clichês e, na pior das hipóteses, em caricaturas.

Daí, por exemplo, fazer um samba como se faz um Grupo Revelação, meramente técnico, embora o grupo, do contrário do Falamansa, não está fora do contexto do "pagode romântico" dos deturpadores violentos do gênero. Ou no caso do Sambô, outro que está dentro desse contexto, misturando o sambrega do Exaltasamba com o "rock farofa" bem ao gosto da rádio 89 FM, em que o aprimoramento técnico - tanto do Sambô quanto do Revelação - não significam aprimoramento artístico.

Copiar é fácil. Há "bons solos" de guitarra até nas músicas melosas de Zezé di Camargo & Luciano. Em tempos de Internet, qualquer idiota sabe que, por exemplo, o punk rock teve os Sex Pistols. O neo-brega dos anos 90 chegou ao estágio em que seus ídolos hoje fazem um arremedo de MPB, com "lindos" arranjos acústicos e orquestrais que não resolvem o problema da mediocrização artística.

Isso porque não há estado de espírito. A técnica apenas reproduz na forma o que, no conteúdo, soa forçado e sem emoção. Por mais que grupos como Sambô e Revelação "caprichem" na sonoridade sambista, eles mantém sempre a atitude brega que marca seus colegas menos espertos como Grupo Molejo, Katinguelê e Os Morenos e que também não foge dos ambiciosos Alexandre Pires e Belo, estes mergulhados numa pseudo-MPB para turista ouvir.

Daí que a coisa se agrava. Hoje os mais antigos grupos de forró-brega tentam cortejar a "música de raiz", tocando baiões e sobretudo sucessos de Gonzagão e cia.. Muito fácil gravar covers, se alimentar de repertório alheio e passar por "arte de qualidade". É como um aluno ruim que, para fazer um trabalho de aula, copia fragmentos de livros de grandes autores para "montar" um trabalho "bem feito", no qual o aluno não esboçou qualquer tipo de criação, por pior que esta seja.

Neste sentido, Dominguinhos, com sua arte humanista, fará muita falta. Ele era uma referência para as gerações atuais de um som nordestino feito com alma e emoção. Ele foi muito mais do que um sanfoneiro animando festas, mas um criador que sentia o que fazia.

Nos tempos tecnicistas de hoje, há dúvidas se haverá um sucessor que reúna o carisma, a visibilidade e o talento de Dominguinhos, numa época em que "som nordestino" tem muito pouco a ver com a realidade musical própria do Nordeste, mais parecendo uma paródia de rincões porto-riquenhos e mexicanos da Flórida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

MORRE SAMBISTA BETH CARVALHO, AOS 72 ANOS, NO RIO DE JANEIRO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Uma das maiores intérpretes da MPB e uma das maiores cantoras de samba, Beth Carvalho, não resistiu aos problemas de saúde que enfrentava nos últimos anos e faleceu há cinco dias de completar 73 anos. Ela também havia cancelado uma apresentação que faria no Rio de Janeiro.

Uma das figuras de mentalidade progressista, Beth Carvalho, além de ter sido intérprete que lançou novos compositores de samba através de seus discos, era também uma das opositoras do cenário político que se desenhou desde 2016, chegando a se indignar com o uso da gravação dela da música "Vou Festejar", do amigo Jorge Aragão, num protesto contra a presidenta Dilma Rousseff, grande amiga da cantora.

Beth também foi solidária às injustiças sofridas pelo ex-presidente Lula e foi um dos famosos que protestaram contra a prisão do petista, movida por supostas acusações feitas sem fundamento jurídico.

Polêmica, apoiava Fidel Castro, Hugo Chavez e o Movimento dos Sem-Terra, enquanto foi u…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

SIMCA CHAMBORD

ANÚNCIO BRASILEIRO DO SIMCA CHAMBORD, PUBLICADO EM REVISTAS DIVERSAS, EM 1958.

Extraído do portal WIKIPEDIA

Simca Chambord foi o nome de um automóvel produzido pela Simca francesa entre 1958 e 1961, desenvolvido a partir do Simca Versailles. Tal como este, imitava os automóveis estadunidenses da época. Foi o primeiro automóvel de luxo fabricado no Brasil, a partir de 1959, tendo continuado a ser construído sob licença pela Simca do Brasil até 1967.[1] O Chambord também marcou uma época por ser o veículo usado pelo ator Carlos Miranda, protagonista da popular série de TV O Vigilante Rodoviário.

DEFICIÊNCIAS

Apesar de sua boa aparência, o Chambord tinha o desempenho comprometido por um motor V8 fraco, o que lhe valeu o apelido jocoso de "O Belo Antônio" (bonito, mas impotente).

VARIANTES

O Simca Présidence foi uma versão luxuosa do Simca Chambord. Tinha rodas do tipo aro de bicicleta, pneu estepe atrás do porta-malas, cores exclusivas e bancos de couro. Foi lançado em 1965 com um mo…