Pular para o conteúdo principal

HÁ 45 ANOS, A PASSEATA DOS CEM MIL


Por Alexandre Figueiredo

Com a volta dos grandes protestos populares este mês, não custa lembrar do breve período de mobilização que aconteceu no Brasil há 45 anos atrás e que, por muito pouco, não terminou com a ditadura militar que havia sido instaurada em 1964.

A Passeata dos Cem Mil, realizada no dia 26 de junho de 1968 no Rio de Janeiro, no entorno da Av. Rio Branco e na Praça Floriano, na Cinelândia, foi o ápice de um período de dois anos de protestos contra a ditadura militar.

Há dúvidas se realmente foram cem mil pessoas que compareceram à manifestação - do contrário de um número muitas vezes maior nos protestos de hoje - , mas a mobilização repercutiu bem na imprensa nacional e estrangeira da época, apesar da censura do regime. Na época, acreditava-se que a passeata poderia estimular os militares a encerrar a ditadura e voltar à democracia civil.

A origem dos protestos que culminaram nessa passeata se deu em 1966, quando o ex-reitor da antiga Universidade do Paraná (atual UFPR), Flávio Suplicy de Lacerda, ao ser nomeado pelo general presidente Humberto Castello Branco, decidiu fazer um plano de reformulação da Educação que em diversos pontos irritou a juventude brasileira.

A ditadura militar, que se anunciava como "provisória" em 1964 - ela havia surgido na crise política do governo João Goulart, através de um golpe que o depôs em primeiro de abril - , foi considerada definitiva em 1965, eliminando qualquer hipótese de haver as esperadas eleições presidenciais para as quais há muito os candidatos potenciais, Juscelino Kubitschek e Carlos Lacerda, se preparavam.

Em 1966, Kubitschek e Lacerda, respectivamente o ex-presidente e ex-governador mineiro e o jornalista e ex-governador da Guanabara (estado então constituído da cidade do Rio de Janeiro), antigos e ferrenhos rivais políticos, se reuniram em Lisboa para um entendimento político que os levou à surpreendente aliança para o movimento pela redemocratização chamado Frente Ampla.

Era a época em que Flávio Suplicy de Lacerda iniciou um plano para a Educação que incluiu reduzir a natureza do ensino aos objetivos profissionalizantes, e isso incluiu a promessa de que iria privatizar as universidades públicas, que além disso tiveram decretado o fim de sua autonomia.

Junto a isso, Suplicy de Lacerda havia planejado a criação de uma entidade de representação estudantil para substituir a União Nacional dos Estudantes, que, oficialmente extinta em 1964 por ordem dos militares, continuava agindo na ilegalidade. A nova instituição seria um órgão vinculado ao governo militar, através do Ministério da Educação e Cultura.

Isso provocou revolta na juventude brasileira, que, realizando passeatas, enfrentavam a repressão policial, que agia de forma bastante violenta. Logo em 23 de setembro daquele ano, policiais invadiram a Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio de Janeiro, depois que foram informados de uma manifestação iniciada no dia 22, o "Dia Nacional de combate à ditadura militar".

No episódio, mais de 600 pessoas foram agredidas, depois de um confronto com os policiais que ordenavam aos alunos e professores a abandonar a faculdade, que seria ocupada pela polícia militar. O episódio, embora não tenha tido um saldo trágico conhecido, é historicamente conhecido como o Massacre da Praia Vermelha.

Outros protestos aconteciam, e era comum a correria pelos vários cantos das cidades. O momento mais dramático foi durante um almoço no restaurante Calabouço, que oferecia refeições a preços baratos no centro do Rio de Janeiro, em 28 de março de 1968.

Policiais entraram no restaurante para prender estudantes que faziam uma manifestação contra a ditadura, e estes reagiram com paus e pedras. Os policiais atiravam à queima-roupa e foram atingidos os estudantes Edson Luís de Lima Souto e Bernardo Frazão Dutra, além de outros feridos. Edson faleceu na ocasião e Bernardo morreu depois de internado no Hospital Sousa Aguiar.

Edson, por ter morrido na hora do confronto, foi escolhido pelo movimento estudantil como o símbolo das manifestações contra a ditadura. Apesar disso, Edson, que era um humilde paraense de 19 anos que trabalhava no Calabouço para pagar os estudos e a própria vida, nunca se envolveu em qualquer atividade de liderança ou mobilização política estudantil.

Os estudantes se mobilizaram para evitar que os policiais sumissem com o corpo de Edson no Instituto Médico Legal (IML) e decidiram levar o corpo do jovem para a Assembleia Legislativa do Estado da Guanabara, no prédio do Palácio Tiradentes, onde hoje fica a ALERJ. Lá o corpo de Edson foi velado e depois levado para o cemitério São João Batista, onde foi enterrado.

Devido à morte de Edson, os protestos aumentaram, e as tensões políticas também. Os protestos eram duramente reprimidos pela polícia. Celebridades, artistas, intelectuais e políticos de oposição expressaram solidariedade aos estudantes.

Aparentemente, a ditadura militar parecia, momentaneamente, disposta ao diálogo. No decorrer de junho de 1968, um grupo de intelectuais e artistas procurou negociar com o governo a realização de uma ampla passeata, que seria realizada sem atos violentos e sob a garantia de que não houvesse a repressão policial.

No dia 28 daquele mês, foi realizada a manifestação, tendo a Cinelândia como ponto de partida. A princípio, cerca de 50 mil pessoas estavam presentes, e o número teria se dobrado segundo dados oficiais. O número de cem mil causa controvérsias, mas parece fazer sentido naqueles tempos de manifestações contra a ditadura.

A repercussão da manifestação, poucos dias depois, dava a crer que a ditadura militar poderia chegar ao fim. O general presidente Artur da Costa e Silva recebeu os estudantes Marcos Medeiros e Franklin Martins (atualmente, conhecido jornalista brasileiro) para negociar o fim da censura e a redemocratização do país.

O problema é que os ânimos se exaltaram em incidentes posteriores. Na Rua Maria Antônia, em São Paulo, estudantes de extrema-direita da Universidade Mackenzie (entre eles estava o hoje também jornalista Bóris Casoy) promoveram um conflito contra os estudantes da Universidade de São Paulo (Faculdade de Filosofia), causando um tiroteio que matou o secundarista José Guimarães, que apenas observava o ocorrido, em 03 de outubro.

Mas foi a repercussão de um discurso feito em razão do 07 de setembro que criou as condições para o endurecimento da ditadura. Foi o jornalista e deputado federal pelo MDB da Guanabara, Márcio Moreira Alves, então conhecido por sua atividade no então combativo Correio da Manhã, que fez um discurso provocativo contra a ditadura militar.

Irritado, Marcito, como foi conhecido o jornalista (falecido em 2009), disse para as brasileiras se recusarem a dançar com os cadetes militares, entre outros comentários irônicos feitos em protesto contra o regime militar.

A solidariedade dos parlamentares com Márcio, reagindo contra a possibilidade de cassação de seu mandato, fez o presidente Costa e Silva se reunir com seu ministério e decidir pela criação de um quinto Ato Institucional que tornasse rígida a censura e a repressão e abolisse o habeas-corpus. A ditadura teve que continuar por muitos anos, e só o desgaste a fez encerrar-se em 1985.

OUTRAS MANIFESTAÇÕES

Em 1973 houve uma pequena passeata no centro de São Paulo, em que pessoas marchavam em silêncio exibindo faixas em branco, num ato irônico contra o cenário político de repressão e censura na época, um ato pacífico num tempo em que alguns opositores da ditadura militar se envolviam em guerrilhas armadas, entre eles a hoje presidenta da República Dilma Rousseff, que chegou a ser presa e torturada.

Em 1977 voltaram os movimentos estudantis, de forma mais tímida em relação a 1968, reivindicando o fim da ditadura militar e a anistia política, além de protestar contra o "pacote de abril" do general Ernesto Geisel que, entre outras coisas, criava a figura do "senador biônico" (nomeado pela ditadura).

Em 1983 e 1984, manifestações populares eram realizadas pedindo a volta das eleições diretas para presidente da República, depois de conquistada a volta do voto direto para governadores e deputados federais. Embora aprovada a volta do voto direto para presidente, ela foi reservada para 1989.

Com a redemocratização, manifestações pontuais de vários segmentos da sociedade passaram a ocorrer. Em 1992, protestos estudantis ocorreram em reação à corrupção política do governo do então presidente Fernando Collor, depois condenado ao impedimento político de oito anos.

No entanto, nesses 45 anos não havia tido manifestações com a espontaneidade e a diversidade social que ocorreram em 1968, já que em boa parte das manifestações eram feitas em épocas de repressão ou por alguma prévia organização sindical ou de grupos político-partidários. Somente neste ano vieram manifestações que se comparam, em suas caraterísticas, a 1968, sobretudo a histórica Passeata dos Cem Mil.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

REVISTA CAPRICHO JÁ FOI PARA JOVENS ADULTAS

Hoje a famosa publicação da Editora Abril, a revista Capricho, é uma revista para o público adolescente feminino. Desde a década de 80 segue essa orientação, divulgando para o público brasileiro os ídolos teen que fazem sucesso nos EUA, principalmente os ídolos pop em geral.

Mas a origem da Capricho era completamente diferente do seu perfil atual. A revista foi lançada no dia 18 de junho de 1952 - curiosamente, mesma data do nascimento de Isabella Rossellini, atriz e modelo, símbolo da beleza que herdou da mãe, atriz Ingrid Bergman, e passa também para a filha, Eletra - e, a princípio, era quinzenal. Foi a primeira revista que a Abril lançou dedicada ao público feminino. Em novembro, a revista passou a ser mensal, por decisão do proprietário da Abril, Victor Civita, e esta periodicidade vale até hoje, apesar de eventuais períodos em que a revista era publicada quinzenalmente.

A revista misturava dicas para o dia-a-dia feminino, além de reportagens sobre questões sociais que interessa…

HUMORISMO BRASILEIRO PERDE AGILDO RIBEIRO, AOS 86 ANOS

AGILDO RIBEIRO EM TOCAIA NO ASFALTO, DE 1962 - MARCADO PELO HUMOR, AGILDO TAMBÉM ERA EXCELENTE ATOR DRAMÁTICO.

Por Alexandre Figueiredo

O falecimento do ator e humorista Agildo Ribeiro faz com que uma grande geração de comediantes se fosse, praticamente encerrando um ciclo marcado pela criatividade e pelas piadas engraçadas. Foi uma geração que até investiu em bordões, mas ia muito além desses "refrões" humorísticos, em esquetes marcadas por ironias e tiradas muito engraçadas.

Como lembrou o colunista Tony Goes, da Folha de São Paulo, a morte de Agildo encolhe ainda mais o elenco de humoristas remanescentes de uma geração criadora, vinda do rádio e do teatro de revista, mas que teve um vigor próprio que fez muito sucesso na televisão.

É triste pensar que os humoristas que há mais de 50 anos estavam em muita evidência, como Chico Anysio, José Vasconcelos, Renato Corte Leal e Paulo Silvino, estão falecidos, com Agildo se somando a eles. Até pouco tempo atrás, ainda tínhamos Pa…

CASOS DE LULA E DILMA ACABAM DANDO AULA PRÁTICA DA CRISE DA ERA JANGO

Por Alexandre Figueiredo

As pessoas mais jovens têm a oportunidade de relembrar fatos históricos do passado, relacionando a crise política de hoje com a crise que seus pais e avós viveram há 52 anos. A crise política do segundo semestre de 1963 até o primeiro de 1964, que culminou no golpe militar que instaurou uma ditadura de 21 anos, encontra eco na crise atual do governo da presidenta Dilma Rousseff.

A crise atinge o ciclo político do Partido dos Trabalhadores, que se ascendeu no poder em 2003, levando ao cenário político personalidades que combatiam o regime militar: o então presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, por exemplo, foi um operário do ABC paulista que se ascendeu durante a crise do "milagre brasileiro" da ditadura militar, por volta de 1974.

Junto a ele, se ascendeu também o antigo líder estudantil José Dirceu, que havia sido preso quando, presidente da União Nacional dos Estudantes em 1968, foi surpreendido por uma ação policial em Ibiúna, interio…

O DIA QUE "UNIU" MARIELLE FRANCO E EDSON LUÍS DE LIMA SOUTO

Por Alexandre Figueiredo
50 anos separam duas tragédias, mas de repente elas se tornam bem próximas, pela comoção causada entre os brasileiros. O estudante Edson Luís de Lima Souto, também funcionário do restaurante Calabouço, no centro do Rio de Janeiro, e a vereadora do PSOL, Marielle Franco, se uniram pelas tragédias a que foram vítimas, que os transformaram em símbolos na luta contra a repressão aos direitos humanos.
Edson nasceu em 1950 e foi morto aos 19 anos, quando almoçava no restaurante em que trabalhava, ocasião que tornou-se trágica quando um tiroteio o atingiu, no momento em que policiais tentavam prender manifestantes estudantis. Edson não era militante e acabou sendo atingido, morrendo na hora, em 28 de março de 1968.
Marielle nasceu em 1979. Ativista negra, LGBT e feminista, ela foi a quinta vereadora mais votada nas eleições para o Legislativo do Rio de Janeiro, em 2016. Ela saía de um evento de debates na Lapa quando, já no bairro do Estácio, o carro em que estava f…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

CINEASTA ROBERTO FARIAS MORRE NO RIO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Embora não tenha sido um cineasta ligado ao Cinema Novo, movimento de vanguarda cinematográfica brasileiro, Roberto Farias foi um notável realizador de filmes e também de produções de televisão, tendo sido também patriarca de uma grande família de atores e diretores brasileiros, com um clã que inclui o irmão Reginaldo Faria, o sobrinho Marcelo Faria e os diretores de televisão Mauro Farias, Maurício Farias e Lui Farias.

Roberto Farias, que encerrou a vida como consultor da Rede Globo, está associado também à experiência do cantor Roberto Carlos como ator de cinema. Era sogro da cantora Paula Toller e das atrizes Andrea Beltrão e Heloísa Perissé. O marido de Andrea, Maurício Farias, atualmente está envolvido como diretor e co-roteirista dos humorísticos Zorra e Tá No Ar - A TV na TV.

Cineasta Roberto Farias morre no Rio

Do Portal G1

O cineasta, produtor e distribuidor Roberto Farias morreu nesta segunda-feira (14), aos 86 anos, no Rio de Janeiro. De acordo com a …