MORRE O MAESTRO PERNAMBUCANO SEVERINO ARAÚJO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Severino Araújo esteve à frente de uma das mais atuantes orquestras do Brasil, a Orquestra Tabajara, a nossa big band, surgida na Paraíba, que toca jazz mas também ritmos regionais brasileiros. Severino já havia passado a condução da banda para o irmão Jaime, e a orquestra vai bem em sua trajetória. Mas a perda de seu mestre comove, pelo trabalho e pela figura humana que representou.

Morre o maestro pernambucano Severino Araújo

Por José Teles - Jornal do Commercio (Recife)

Maestro da mais longeva orquestra de bailes do País, a Tabajara, o pernambucano Severino Araújo, 95 anos, morreu na noite desta sexta (3), no Rio, vítima de falência múltipla de órgãos. Ele estava internado no hospital Ipanema Inn há 15 dias e afastado do comando da banda há cinco anos, por problemas de saúde que foram se agravando. Filho de um mestre de banda de Limoeiro, no Agreste, Araújo aprendeu música durante a infância, inicialmente como clarinetista, e assumiu o comando da Orquestra Tabajara em 1938, aos 21 anos, quatro anos após sua criação, em João Pessoa.

Severino transformou o grupo de jazz tradicional em um conjunto brasileiro com linguagem própria, interpretando sambas, valsas e choros. Ao longo de sete décadas, gravaram mais de 100 discos e continuam na estrada. Liderou por quase seis décadas o conjunto, até que um problema na perna o deixou com dificuldades de locomoção e o fez passar o comando para seu irmão Jaime Araújo.

Severino Araújo era casado com Neuza Monteiro, 85, sua segunda mulher, e deixa quatro filhos: Tânia, Ronaldo, Francisco e Ieda – os dois últimos, de seu primeiro casamento. O corpo do maestro será sepultado este sábado (4), ao meio dia, no cemitério São João Batista, em Botafogo, no Rio.

Em 15 de junho de 2010, a TV Cultura levou ao ar, no programa Mosaicos, o especial A arte de Severino Araújo e Orquestra Tabajara, um documentário musical narrado por Rolando Boldrin, que resgata a história e a obra dos homenageados. Dirigido por Nico Prado, o programa recupera imagens históricas do artista. Também promove o encontro inédito de Jaime Araújo, Spok e Proveta, da Banda Mantiqueira. Eles falam sobre a importância de Severino para a música brasileira e interpretam três clássicos de autoria do maestro pernambucano: Relembrando o norte, Espinha de bacalhau e Chorinho em Aldeia.

O maestro Severino Araújo tinha dez anos a menos do que o frevo. Há 74, ele estava à frente da Orquestra Tabajara, uma lenda na música brasileira – ambos, o maestro e a orquestra. Aos 90 anos, convalescente de uma operação no joelho, ele alterou uma rotina iniciada no final dos anos 30.

Comentários