FLAUTISTA ALTAMIRO CARRILHO MORRE AOS 87 ANOS NO RIO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O flautista Altamiro Carrilho, também compositor e arranjador, era considerado um dos maiores representantes do choro brasileiro que estavam ativos até pouco tempo atrás. No entanto, Altamiro também gravou baiões, maxixes e até mesmo cantigas infantis, tendo colaborado, como músico e arranjador, até mesmo em discos do palhaço Carequinha.

Altamiro foi um dos grandiosos músicos brasileiros, tendo sido um dos mais dedicados ao desenvolvimento da linguagem musical, com colaborações de notável valor.

Tendo gravado mais de cem discos, ele também compôs mais de duzentas canções, sozinho ou acompanhado. Ultimamente, ele estava ligado ao grupo Altamiro Carrilho e Sua Bandinha. Resolvemos reproduzir duas notícias para melhor apresentar o músico para os iniciantes.

Flautista Altamiro Carrilho morre aos 87 anos no Rio

Do portal Último Segundo

O flautista Altamiro Carrilho, um dos maiores músicos da história do choro, morreu na manhã desta quarta-feira (15) no Rio de Janeiro. Ele sofria de câncer no pulmão e estava internado desde o início da semana em uma clínica do bairro de Laranjeiras.

Nascido em 21 de dezembro de 1924, Carrilho foi revelado no programa de calouros de Ary Barroso, no início da década de 1940. Em 1949, gravou seu primeiro choro, "Flauteando na Chacrinha".

Em toda a sua carreira, gravou mais de cem discos, entre LPs e compactos. Também compôs cerca de 200 canções, incluindo clássicos como o maxixe "Rio Antigo".

A partir dos anos 1960, Carrilho tornou-se conhecido fora do Brasil e se apresentou em países como Estados Unidos, França, Inglaterra, União Soviética e México, país onde morou por quase um ano.
Também participou de concertos de música erudita, interpretando obras de Mozart e Villa-Lobos. 

Entre seus discos mais importantes, estão "Clássicos do Choro" (1979), "Clássicos do Choro Volume 2" (1980) e "Flauta Maravilhosa" (1996).

==========

Morre o flautista Altamiro Carrilho

Do Jornal do Brasil On Line

Morreu na manhã desta quarta-feira (15), no Rio de Janeiro, o flautista Altamiro Carrilho, de 87 anos. O músico e compositor esteva internado cerca de um mês no Hospital São Lucas, na Zona Sul, mas voltou para casa.

Na segunda-feira (13) ele passou mal e foi levado para uma clínica particular em Laranjeiras.

Altamiro gravou mais de cem discos, compôs cerca de duzentas canções e se apresentou em mais de quarenta países difundindo o choro brasileiro.


Altamiro gravou mais de cem discos e  compôs cerca de duzentas canções Altamiro gravou mais de cem discos e  compôs cerca de duzentas canções

O primeiro disco de Altamiro foi "A bordo do Vera Cruz", de 1949. Nos anos seguintes, gravou trabalhos como "Choros imortais" (1964), "Clássicos do choro" (1979) e "Pixinguinha de novo" (1998). Em 1938, foi membro da Banda Lira de Arion, na qual tocava caixa. Quando passou a tocar flauta, foi destaque do programa de calouros de Ary Barroso.

Além da música, atuou como farmacêutico e comprou uma flauta usada, com a qual começou a ganhar fama entre os apreciadores do choro.

Comentários