Pular para o conteúdo principal

PAULO CÉSAR SARACENI MORRE NO RIO DE JANEIRO


COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Paulo César Saraceni era um dos mais empenhados cineastas dos primeiros anos do Cinema Novo, uma geração de novos cineastas que pensavam o cinema em geral de forma crítica e abrangente. Em tempos de TeleCine Cult, quando qualquer bobagem comercial do cinema norte-americano é considerada "cinema alternativo" (?!), é um mestre a menos aqui na Terra.

Só uma curiosidade: quanto à história do cinema brasileiro, Saraceni havia tido uma polêmica, anos atrás, com o já falecido cineasta e ator Anselmo Duarte, outro grande talento do nosso cinema, embora não tenha feito parte do movimento cinemanovista.

Paulo Cesar Saraceni morre no Rio de Janeiro

Cineasta estava internado no Hospital da Lagoa. Ele vai ser velado amanhã no Parque Lage

Do Portal da Secretaria de Cultura do Estado do Rio de Janeiro


Morreu, neste sábado, aos 79 anos, o cineasta, roteirista, ator e produtor carioca Paulo César Saraceni.  Ele sofreu um AVC em outubro do ano passado e, desde então, estava internado no Hospital da Lagoa, Jardim Botânico. Saraceni morreu de disfunção múltipla dos órgãos. O corpo do cineasta será velado neste domingo na Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Descendente de italianos, ele foi um dos precursores do Cinema Novo, ao lado de Nelson Pereira dos Santos e Cacá Diegues. Ao longo de sua carreira, Saraceni recebeu diversos prêmios, entre eles o de Melhor Filme para A casa assassinada (1970), no Festival de Brasília, e Prêmio Especial Júri, no Festival de Cinema Brasileiro em Miami, por O viajante (1998). Desde muito cedo, seu talento conquistou o público e a crítica. Seu curta-metragem de estreia, Arraial do Cabo (1959), acumulou sete prêmios em festivais europeus. O último trabalho, como diretor e roteirista, foi no filme O gerente (2011), baseado em um conto de Carlos Drummond de Andrade.

“O cinema brasileiro perde um de seus artistas mais arrojados e provocadores, um pioneiro e um rebelde eternamente indomado”, lamentou a Secretária de Estado de Cultura do Rio de Janeiro, Adriana Rattes.

Antes de ingressar na carreira de cineasta chegou a tentar  a sorte nos esportes. Nos anos 50, jogou no time juvenil do Fluminense, além de praticar natação e pólo aquático.

Durante sua internação, Saraceni recebeu visita de amigos como Beth Carvalho e Ney Latorraca.


BIOGRAFIA - CPDOC - FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS, COM ADAPTAÇÕES


Cineasta, nasceu na cidade do Rio de Janeiro em 1933 e aí morreu em 2012. Começou a fazer crítica cinematográfica em 1954 e tornou-se ator e assistente de direção em teatro de 1955 a 1958. Paralelamente faz contatos com os mestres da crítica paulista, Almeida Salles e Paulo Emílio, participa das atividades cineclubistas na Cinemateca do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro (Mam-RJ), Rio de Janeiro, onde descobriu os filmes de Chaplin, Eisenstein e do neo-realismo, e assina o manifesto "Cinema – Cinema", no Suplemento Cultural do Jornal do Brasil.

Fez seu primeiro exercício cinematográfico em 16 mm, com o curta Caminhos (1957). Em seguida realiza, com Mário Carneiro, o documentário Arraial do Cabo (1959). Seu primeiro curta é premiado com bolsa para o Centro Experimental de Cinema de Roma (1960-61), onde conhece Gustavo Dahl, Glauco Mirko Laurelli e o mineiro Geraldo Magalhães, tendo sido colega de turma de Bernardo Bertolucci, Marco Bellochio e Guido Cosulich.

Novamente no Rio de Janeiro, em 1962 iniciou o movimento do Cinema Novo, junto com Glauber Rocha, Gustavo Dahl, Nelson Pereira dos Santos, Alex Viany, Joaquim Pedro de Andrade, Leon Hirszman, Carlos Diegues, Ruy Guerra, Roberto Faria, entre outros. É elaborado o "Manifesto Cinemanovista", em suas palavras "uma proposta diferente de Hollywood, da chanchada da Atlântida e do cinema da Vera Cruz, mais próxima do neo-realismo, com planos longos, influenciado pelo cinema russo".

Seu primeiro filme, Porto das Caixas, foi baseado em argumento de Lúcio Cardoso e é um dos primeiros longa-metragens do Cinema Novo. A seguir faz O Desafio em apenas treze dias, com orçamento baixo e muitos improvisos, todo de câmera na mão. Segundo declaração de Glauber Rocha, Saraceni é o verdadeiro autor da frase: "Uma idéia na cabeça e uma câmera na mão". Posteriormente adapta para as telas sua versão pessoal do romance Dom Casmurro, de Machado de Assis. Capitu, segundo Saraceni, "é um filme sobre a cultura brasileira, na sua linha feminista".

Fez ainda outros longas, entre eles A Casa Assassinada, adaptação do romance de Lúcio Cardoso e O Viajante, respectivamente segunda e terceira partes da chamada "trilogia das paixões", que começou com Porto das Caixas. O Viajante também foi baseado no romance homônimo de Lúcio Cardoso, organizado pelo escritor Octavio de Faria depois da morte do autor. Um de seus últimos filmes, Banda de Ipanema (2001), foi realizado em homenagem ao amigo Albino Pinheiro.

Saraceni publicou o livro "Por Dentro do Cinema Novo - Minha Viagem".

Filmografia (Fonte: Wikipedia)

    2011 - O Gerente - direção e roteiro
    2003 - Banda de Ipanema - Folia de Albino — direção e roteiro
    1998 - O Viajante — direção e roteiro
    1996 - Bahia de todos os sambas — direção
    1988 - Natal da Portela — direção, interpretação
    1983 - Quadro a quadro, Newton Cavalcanti
    1981 - Ao sul do meu corpo — direção e roteiro
    1977 - Anchieta, José do Brasil — direção, produção e roteiro
    1972 - Amor, carnaval e sonhos — direção, interpretação e roteiro
    1970 - A casa assassinada — direção, produção e roteiro
    1967 - Capitu — direção, produção e roteiro
    1965 - O desafio — direção, produção e roteiro
    1964 - Integração racial — direção
    1962 - Porto das Caixas — direção e roteiro
    1960 - Arraial do Cabo (curta-metragem) — direção
    1957 - Caminhos (curta-metragem)

Premiações

    Candango de Melhor Filme, no Festival de Brasília, por "A Casa Assassinada" (1970).
    Candango de Melhor Diretor, no Festival de Brasília, por "A Casa Assassinada" (1970).
    Prêmio Especial do Júri, no Festival de Brasília, por "O Viajante" (1998).
    Candango de Melhor Roteiro, no Festival de Brasília, por "Capitu" (1967).
    Prêmio Especial do Júri, no Festival de Cinema Brasileiro de Miami, por "O Viajante" (1998).
    Prêmio FIPRESCI, no Festival de Moscou, por "O Viajante" (1998).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

ATRIZ ARACY CARDOSO MORRE NO RIO AOS 80 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Aracy Cardoso faleceu hoje, aos 86 anos - divulgado em informações recentes, e reproduzimos abaixo um artigo do jornal O Tempo apenas mudando essa informação, pois estava creditada a apenas 80 anos.

Aracy foi uma das mulheres mais bonitas de sua geração e também um dos grandes talentos na atuação, tendo começado no teatro, em 1952, em peças como Mulher de Outro Mundo, montada pelo grupo Teatro de Equipe.

Ela também foi casada com o ator e cineasta Ibanez Filho, falecido em 2006.

Atriz Aracy Cardoso morre no Rio aos 80 anos

Do Jornal O Tempo - Belo Horizonte, 26 de dezembro de 2017.

RIO DE JANEIRO. Morreu nesta terça-feira (26), no Rio de Janeiro, aos 80 anos, a atriz Aracy Cardoso. Ela era conhecida por participações em diversas novelas da Rede Globo, como “Fogo Sobre Terra” (1974), “De Corpo e Alma” (1992) e “Sol Nascente” (2017), seu último trabalho, no qual interpretou a personagem Dona Laís. Também ficou marcada pela personagem Zazá em “A Gata Comeu” (1985).

OS 70 ANOS DE RITA LEE

Por Alexandre Figueiredo

A cantora paulistana Rita Lee Jones teve como proeza ser uma das primeiras cantoras musicistas e compositoras a fazer sucesso e, também, ser uma das primeiras artistas envolvidas com rock psicodélico a ter o conhecimento e o reconhecimento do grande público.

Iniciando sua carreira em 1966, como integrante da banda O'Seis, o embrião dos Mutantes, numa época em que a maior cantora da Bossa Nova, Sylvia Telles, saía de cena prematuramente devido a uma tragédia automobilística, Rita Lee foi uma batalhadora musical num período em que os movimentos estudantis desafiavam a ditadura militar e ela, irritada, reagiu com a truculência institucional do AI-5.

Num país como o Brasil, em que Os Mutantes parecem tardios na carreira discográfica - seu primeiro álbum só foi lançado em 1968, talvez pela falta de visão da indústria fonográfica, pois a fase psicodélica dos Mutantes, entre 1968 e 1972, poderia ter sido registrada em disco com dois anos de antecedência - , Rita…

AOS 80 ANOS, JANE FONDA DIZ QUE NÃO ESPERAVA CHEGAR AOS 30

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Com 80 anos e em atividade, a atriz Jane Fonda, uma das revelações de Hollywood no começo dos anos 1960, sendo mais conhecida então como a filha do astro Henry Fonda - e, depois, irmã de Peter Fonda, de Sem Destino (Easy Rider), este pai da também atriz Bridget Fonda - , não imaginava que sobreviveria aos 30 anos.

Era uma época em que atrizes faleceram precocemente por diversos incidentes - entre 1961-1962 o mundo perdeu a inglesa Belinda Lee e a estadunidense Marilyn Monroe - , e Jane, felizmente, seguiu sua vida não sem dificuldades, mas consolidando seu talento e seu carisma até hoje. Além de atriz, ela já gravou um vídeo de ginástica, escreveu livro e havia sido ativista política de esquerda,

Consagrando-se como "musa" no filme de ficção científica Barbarella, de 1968 e atualmente solteira depois de três casamentos - com o cineasta Roger Vadim, o político Tom Hayden e o empresário de Comunicação Ted Turner - , atualmente participa de seriados de…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

CARLOS HEITOR CONY MORRE AOS 91 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Conservador moderado, embora polêmico, Carlos Heitor Cony foi um dos maiores escritores do Brasil dos últimos tempos. Tendo defendido o golpe militar de 1964, como jornalista e cronista do Correio da Manhã, pouco após a instalação da ditadura militar, ele passou para a oposição. O livro O Ato e o Fato de 1964 foi um dos primeiros livros lançados com críticas à ditadura militar.

Não se considerava esquerdista e, em 2016, apoiou a queda da presidenta Dilma Rousseff. Ainda assim, deixou uma importante trajetória como cronista, romancista, articulista e intelectual, e era um dos membros da Academia Brasileira de Letras.

Uma curiosidade é que, quando ele era coroinha de uma igreja em Vila Isabel, Zona Norte do Rio de Janeiro, ele constantemente passava perto de um bar onde estava um grupo de rapazes, entre eles o notável compositor e sambista Noel Rosa. Cony faria 92 anos em março.

Carlos Heitor Cony morre aos 91 anos

Do Portal G1

O jornalista e escritor Carlos Heito…

SBT DEMITIU MOACYR FRANCO, FIGURA HISTÓRICA DE NOSSA TELEVISÃO

Por Alexandre Figueiredo

O anúncio da demissão de Moacyr Franco do programa humorístico A Praça é Nossa, envolvido num processo de "enxugamento" do quadro de profissionais do SBT, revela a situação surreal de nosso país.

Moacyr Franco é um patrimônio da televisão brasileira e um dos remanescentes dos tempos áureos de nossa televisão que, apesar de analógica e mais precária, era bem mais criativa.

O irônico disso tudo é que o SBT é de propriedade de outra figura daqueles tempos, Señor Abravanel, o popular Sílvio Santos, hoje muito ranzinza e afinado com os tempos temerosos.

Enquanto Sílvio Santos começava a lançar seus programas, como o Vamos Brincar de Forca?, da TV Paulista (hoje TV Globo São Paulo) de 1961, Moacyr Franco se destacava como o Mendigo de Praça da Alegria, personagem que lançou em 1959.

Sabe-se que a Praça da Alegria era um programa feito pelo humorista Manuel da Nóbrega, pai de Carlos Alberto da Nóbrega, também ativo na época e hoje apresentador do A Praça é…

"MINDUIM" COMEMORA 60 ANOS

A Turma do Charlie Brown comemora 60 anos de publicação. Suas histórias ora eram dotadas de humor sarcástico, ora eram cheias de profundo lirismo, e toda essa obra foi produzida desde 02 de outubro de 1950, quando foi lançada a primeira tira, até 13 de fevereiro de 2000, um dia após o falecimento de seu autor, Charles M. Schulz.

Conhecido como Sparky desde a infância, Schulz, na verdade, havia criado um embrião da Turma do Charlie Brown, chamado Lil'Folks, onde já se via o personagem Charlie Brown e um cachorro com as caraterísticas semelhantes ao Snoopy das primeiras tiras, além de haver um outro personagem fanático pela música de Ludwig Van Beethoven, a exemplo do pianista Schroeder.


LIL' FOLKS: O "EMBRIÃO" DA TURMA, JÁ COM CHARLIE BROWN E SEU CACHORRO, ENTÃO SEM NOME.

Lil' Folks foi publicada entre 22 de junho de 1947 e 22 de janeiro de 1950. Para não ser confundida com obras da história em quadrinhos como Lil'Abner (criação de Al Capp conhecida, no Brasil, c…