sábado, 9 de outubro de 2010

JOHN LENNON FARIA 70 ANOS


Um dos mais famosos músicos ingleses é lembrado hoje.

O controverso John Lennon, um dos integrantes dos Beatles, faria 70 anos de nascimento neste dia.

Durante menos de 25 anos, o músico participou de uma das fases mais ricas e abrangentes da história da música mundial, e a do rock em particular.

Só os dez anos em que ele cantou e tocou uma das guitarras nos Beatles são de uma riqueza de experiências que até hoje rende muitos livros.

Foi um dos talentos emergentes do rock de garagem de Liverpool, ainda sob o frescor do skiffle, o ritmo jovem britânico que influenciou muito a "batida do Mersey", nome do rio que passa pela cidade inglesa.

Foi um dos principais nomes da revitalização do rock dos EUA pelo outro lado do Atlântico, uma vez que o rock estadunidense saiu desacreditado, viu jovens talentos morrerem cedo e sofreu a invasão de canastrões, enquanto a soul music ocupava o coração dos jovens.

John Lennon, juntamente com seus parceiros Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr, gravou uma grande quantidade de clássicos do rock, desde as canções "inocentes" da primeira fase até as esquisitices sonoras da segunda fase.

Os Beatles eram vistos como "comportadinhos", isolados do contexto das demais bandas do rock do Reino Unido.

Grande engano.

Os Beatles se relacionavam com os integrantes dos Rolling Stones, Who, Yardbirds, Cream, David Bowie, Led Zeppelin e Deep Purple (só para citar os conhecidos), como garotos que estudavam na mesma escola.

Não raro saía um entrosamento musical nisso tudo.

Ou então Mick Jagger e Keith Richards davam as caras nas gravações dos Beatles e no vídeo de "All You Need Is Love".

Aliás, foi Lennon apoiar os Rolling Stones do seu Rock And Roll Circus e lá o beatle lançou sua Plastic Ono Band, iniciando sua parceria musical com a esposa Yoko Ono.

John Lennon viveu um sonho intenso, nos anos 60. Mas, com o amadurecimento dos Beatles, as individualidades de cada integrante se tornaram evidentes.

Com isso, os fab four não podiam mais conviver juntos como uma só banda.

The Beatles, o hoje conhecido "álbum branco" de 1968, já mostrava isso.

E tão logo seus membros esboçaram seus trabalhos solo, carreira oficialmente lançada depois do fim dos Beatles.

Os Beatles terminaram não pondo os carros na frente dos bois. Mas pondo Abbey Road antes de Let It Be, que dos dois discos foi gravado primeiro.

Vieram os trabalhos solo. E Lennon, entrevistado pela Rolling Stone, disse que o sonho acabou.

Ideia expressa numa canção que Lennon dizia que só acreditava nele e em Yoko Ono. Uma letra que declara todo o ceticismo dele com a vida.

Lennon escreveu letras pacifistas. Mas encontrou uma época diferente.

Os jovens dos anos 70 não acreditavam no rock sessentista.

Achavam que os artistas dos anos 60 ficaram ricos e se esqueceram da juventude e de suas causas rebeldes. E se ocuparam no punk rock e movimentos posteriores.

Aí a superexposição de Lennon acabou deixando-o vulnerável ao atentado fatal, por um psicopata que dizia ser "fã" dos Beatles. Atirou duas vezes em Lennon, que morreu a caminho do hospital, sem curtir direito os 40 anos, em 08 de dezembro de 1980.

09 de outubro. Dia nove. Revolution Number Nine, One After 909, Number Nine Dream. Number nine, number nine, number nine...

Que o diga George Harrison, que compôs com Lennon a instrumental "Cry For a Shadow" (obscura canção do quarteto de Liverpool) e também guitarrista dos Beatles, que gravou um disco de nome Cloud Nine e também sofreu outro atentado, que não o matou diretamente, mas agravou o câncer que o matou em 2001.

John Lennon, morrendo, sepultou o sonho da volta dos Beatles.

Ele havia retomado os entendimentos com Paul McCartney, depois de anos do fim do grupo.

Tivemos que nos contentar com o recurso tecnológico de retrabalhar algumas demos deixadas por Lennon com gravações posteriores de McCartney, Harrison (mais seu escudeiro Jeff Lynne, do ELO) e Starr, sob a batuta do "quinto beatle", maestro e produtor George Martin, com melodias acrescentadas pelos cinco.

Uma delas, "Free As a Bird", é uma simpática balada bem ao estilo da segunda fase.

A força dos Beatles é tanta que até quem não viveu para conhecer Lennon vivo sabe das músicas da banda.

O legado dos Beatles se tornou muito marcante. Há mais de 45 anos. Os quatro rapazes de Liverpool fizeram muita gente juntar dinheiro para comprar instrumentos e montar suas bandas.

E até o José Ramos Tinhorão, apegado às raízes folclóricas do Brasil, reconhece que os Beatles fazem música sofisticada.

E boa parte da trajetória do grupo se deve a esse rebelde, com jeitão de bad boy, que fundou o Quarrymen e, com os Beatles e a carreira-solo, escreveu muitos dos momentos mais marcantes e até polêmicos da história não só da música, mas das celebridades em geral.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.