Pular para o conteúdo principal

35 ANOS SEM VLADIMIR HERZOG



Por Alexandre Figueiredo

Em 1975, eu era um menino de quatro anos. Ficava nos meus brinquedinhos em casa, no Barreto, em Niterói, e via muitos desenhos animados, além de expressar minha já surpreendente busologia, porque já começava a entender de transporte coletivo nessa época.

O Brasil em que eu vivia não parecia perigoso, mas era, e muito. Afinal, o temível quinto ato institucional da ditadura militar (o AI-5) vigorava com energia, tendo permitido os órgãos de tortura a "fazer a limpa" em boa parte da guerrilha, até então. E, naquele 25 de outubro, um fato ocorreu que eu, obviamente, só tomaria conhecimento a partir do fim dos anos 80, já perto de meus 18 anos.

Sim, não se podia ficar informado do assassinato do jornalista Vladimir Herzog, diretor de jornalismo da TV Cultura de São Paulo. A censura pegava pesado. Circulou uma versão de que ele havia se suicidado dentro de sua cela no DOI-CODI. Uma versão vagabunda, cínica, inverossímil, e mesmo a "pose" de Herzog era muito grotesca para ser considerada um suicídio. E o contexto político permitia muito menos a veracidade dessa tese, por mais que a "Revolução" a tomasse como verdadeira.

Curiosamente, Vladimir nasceu Vlado. Vlado não era apelido, era nome de batismo mesmo. O apelido Vladimir veio porque ele achava que Vlado soaria exótico no Brasil. Nascido em junho de 1937, viveu apenas 38 anos. Para se ter uma ideia, hoje em tenho 39. Vlado nasceu na atual Croácia (então parte da Iugoslávia), mas naturalizou-se brasileiro. Certamente, muito mais brasileiro que tantos brasileiros natos adeptos do neoliberalismo. E bem mais patriota brasileiro do que os torturadores que o mataram na prisão do DOI-CODI.

Vlado foi comunista assumido, ligado ao "partidão", o Partido Comunista Brasileiro. Exerceu o jornalismo em vários veículos de imprensa, sobretudo em O Estado de São Paulo. Mas sua atuação foi autônoma, não se compactou com o golpismo da grande imprensa, que protestava contra a censura militar não por ser contra o ato em si, mas porque seu processo atrasava a veiculação dos jornais e "esfriava" seu conteúdo. A essas alturas, a Folha de São Paulo, hoje tão "moderna", fornecia suas viaturas para os "gorilas" do DOI-CODI transportarem prisioneiros políticos.

Herzog também teve uma passagem em Londres, trabalhando para a BBC (numa atividade que, hoje, corresponderia à BBC Brasil, afiliada da rede britânica). Foi dramaturgo, era apaixonado por fotografia, ensinou na Escola de Comunicação e Artes da USP e era um intelectual engajado.

Sua luta pela resistência à ditadura militar incomodou o governo. Detido pelos militares do DOI-CODI, provavelmente Herzog não baixava a cabeça. Talvez por isso os torturadores fizeram questão de enforcá-lo, vendo que não estavam lidando com alguém submisso nem resignado.

Herzog queria justiça, queria um Brasil mais livre, como muitos cidadãos brasileiros de então. Era um dos jornalistas como poucos, e que certamente não existem na elite midiática de hoje. Era um jornalista humanista, progressista, de uma grandiosa geração com cara e coragem que constituiu a imprensa esquerdista, às vezes trabalhando até nos veículos da imprensa direitista, mas dentro de uma autonomia que seus editores eram obrigados a tolerar.

A morte de Vlado foi horrível, mas gerou um ponto bem positivo. Mostrou que os órgãos de tortura da ditadura militar, protegidos pelo AI-5 e usados para reprimir e eliminar opositores do "governo revolucionário" (como a ditadura era conhecida então), também expressavam a mesma ameaça de insubordinação militar e quebra de hierarquia que os sargentos revoltosos da época de João Goulart representaram nos idos de 1964.

Com isso, os órgãos de tortura passaram a ser vistos como um perigo para o próprio regime militar, pelo abuso de poder com que exerciam suas atividades. E criou clima de conflito até entre os próprios generais, sobretudo com Sílvio Frota, de linha dura e apoiado pelos torturadores. Havia, nessa época, nos bastidores das Forças Armadas, a ameaça de Frota um dia ser indicado presidente da República e transformar o Brasil num caos.

No ano seguinte, Manuel Fiel Filho foi morto pelos torturadores, agravando ainda mais a situação no lado da repressão. Foi o complemento da repercussão do caso Herzog, aumentando a crise ditatorial que já acontecia pelo colapso econômico que era reflexo da crise internacional do petróleo, no Oriente Médio.

Daí que a morte de Vladimir Herzog foi um dos primeiros fatores que levaram à decadência da ditadura militar, que se anunciava eterna, mas que se desgastou ao longo dos anos, se extinguindo em 1985.

Ainda sofremos os efeitos devastadores causados pela ditadura militar, mas vivemos um cenário sócio-político bem mais saudável. E podemos nos relembrar de Vladimir Herzog sem medo, falando de seu exemplo humano e sua dedicação sem que qualquer força venha nos reprimir por isso. Daí Herzog ser considerado um dos exemplos, um dos grandes nomes respeitados e venerados por aqueles que lutaram pela redemocraticação do país.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

ÍCONE DO PUNK E PÓS-PUNK, MARK E. SMITH MORRE AOS 60 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Patética a cultura rock brasileira dos anos 90 para cá. A chamada "nação roqueira" passou a ter preguiça para garimpar músicas e artistas menos conhecidos, se apegou aos "grandes sucessos" e foi tomada de um superficialismo imenso.

Pior: até uma aberração chamada "fãs de uma música só" apareceram, agindo feito uns idiotas usando as mãos para fazer guitarra-aérea (air guitar) ou então para usar os dedos para forjar o tal "gesto do capeta". Essa idiotização da cultura rock não permite que se conheçam nomes seminais lá fora, mas que são pouco conhecidos aqui.

No punk rock, por exemplo, as bandas de Manchester, Buzzcocks e The Fall, consideradas seminais e fundamentais no Reino Unido tanto quanto Sex Pistols e The Clash, são imperdoavelmente desconhecidas até por punks mauricinhos que imaginam que gostar de Offspring é tudo para a cultura punk. E isso num contexto em que outro grupo de Manchester, Joy Division, é conhecido …

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

TV PAULISTA: ADVOGADOS TENTAM APRESSAR JULGAMENTO CONTRA A TV GLOBO E OS HERDEIROS DE ROBERTO MARINHO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Quem é mais jovem não viveu a fase em que, antes da TV Globo de São Paulo, o canal 5 era da TV paulista, originalmente uma propriedade do deputado federal Oswaldo Junqueira Ortiz Monteiro, político com passagens pelo PTB, PST, ARENA e PDS. Foi vendida para as Organizações Victor Costa, nome do ex-diretor da Rádio Nacional do Rio de Janeiro que foi empresariar rádios e concessões de TV no eixo Rio-São Paulo.

Morrendo Victor Costa em 1959, seus herdeiros começaram a arrendar e vender emissoras - a Rádio Mundial do Rio de Janeiro foi arrendada para o fundador da LBV, Alziro Zarur - e, em 1966, vendem o espólio restante para as Organizações Globo, fazendo com que a TV Paulista virasse TV Globo (e é por isso que eu pude ver Sílvio Santos, um dos ex-astros da TV Paulista, na tela da Globo, coisa que hoje soaria estranha).

Os herdeiros de Ortiz Monteiro - ou Junqueira Ortiz, como também era conhecido - nunca aceitaram essa transação, que afirmam ter sido cheia de ir…

REVISTA CAPRICHO JÁ FOI PARA JOVENS ADULTAS

Hoje a famosa publicação da Editora Abril, a revista Capricho, é uma revista para o público adolescente feminino. Desde a década de 80 segue essa orientação, divulgando para o público brasileiro os ídolos teen que fazem sucesso nos EUA, principalmente os ídolos pop em geral.

Mas a origem da Capricho era completamente diferente do seu perfil atual. A revista foi lançada no dia 18 de junho de 1952 - curiosamente, mesma data do nascimento de Isabella Rossellini, atriz e modelo, símbolo da beleza que herdou da mãe, atriz Ingrid Bergman, e passa também para a filha, Eletra - e, a princípio, era quinzenal. Foi a primeira revista que a Abril lançou dedicada ao público feminino. Em novembro, a revista passou a ser mensal, por decisão do proprietário da Abril, Victor Civita, e esta periodicidade vale até hoje, apesar de eventuais períodos em que a revista era publicada quinzenalmente.

A revista misturava dicas para o dia-a-dia feminino, além de reportagens sobre questões sociais que interessa…

RICK SPRINGFIELD PENSOU EM COMETER SUICÍDIO EM 2017

O MÚSICO AUSTRALIANO RICK SPRINGFIELD, TRANSFORMADO EM ANIMAÇÃO NO SERIADO MISSÃO MÁGICA, DA FILMATION, EXIBIDO NO BRASIL.

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Em atividade até hoje, o cantor e guitarrista australiano Rick Springfield revelou, em entrevista recente ao Sirius XM, que em 2017 pensou em se suicidar. O músico sofre de depressão e compreendeu os dramas que levaram os roqueiros Chris Cornell, do Soundgarden, e Chester Bennington, do Linkin Park, ao ato extremo.

Rick, felizmente, não levou adiante tal decisão, mas resolveu falar do tema em seu disco mais recente. Desejamos que ele tenha vida longa e nunca pense em se suicidar, mas que ele possa também alertar ao mundo que ninguém se suicida por pura diversão, mas por viver dramas graves e profundos em suas vidas pessoais.

Em tempo: Rick Springfield marcou a infância de muitas pessoas através do desenho animado Missão Mágica (Mission Magic), que a Filmation (produtora do seriado He-Man) produziu em 1973. Rick dublava a si mesmo - seu per…

ESCÂNDALO DE ASSÉDIO SEXUAL "UNE" TRÊS ATRIZES DOS ANOS 1960

Por Alexandre Figueiredo

Uma grande ironia dos últimos dois anos é que as denúncias de assédio sexual e estupro que se tornaram um escândalo em Hollywood acabou "juntando" três atrizes veteranas da década de 1960, grandes símbolos sexuais daquela época e que tiveram um marido em comum, o cineasta Roger Vadim, já falecido.

A primeira a comentar sobre o escândalo foi a atriz estadunidense Jane Fonda, em outubro de 2017. A atriz contou que foi estuprada na infância e, devido ao trauma sofrido na ocasião, criou uma organização para prevenir a gravidez precoce, além de apoiar iniciativas contra a violência sexual contra mulheres e meninas. Jane é conhecida pelo ativismo político e social.

Sobre o caso Harvey Weinstein, poderoso executivo e produtor de Hollywood, Jane, que se consagrou como musa pelo filme de ficção científica Barbarella, dirigido por Vadim em 1968, lamenta não tê-lo denunciado antes, pois já sabia das práticas de assédio e estupro dele:

"Queria ter dito ant…