Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2010

BOATE VOGUE, HÁ 55 ANOS, SOFREU INCÊNDIO

Linda Batista durante uma apresentação na boate Vogue.

Do portal Copacabana.Com

Um dos grandes templos da noite carioca, o Vogue foi até o seu final o mais importante e refinado nigthclub da cidade. Todas as grandes estrelas dos anos 1940 e 1950 se apresentaram lá como contratadas: Dolores Duran que começou sua carreira no Vogue em 1946, Aracy de Almeida se apresentou em espetáculos noturnos entre 1948 e 1952, Linda Batista que foi uma das contratadas entre 1947 e 1952 sem deixar de citar Ângela Maria, Sílvio Caldas, Jorge Goulart, Inesita Barroso.

Apesar de pequena em tamanho físico, a casa do Barão von Stuckart, austríaco, na Avenida Princesa Isabel apresentava o excelente orquestra de negros importados dos EUA e, como outra marca registrada, o piano suave de Sacha Rubin que sempre saudava a chegada dos habitués com a canção preferida de cada um deles: Solitude para Jacinto de Thormes, Invitation para Lourdes Catão, Never let me go para Beki Klabin. Funcionou a partir de 1946, logo tor…

55 ANOS SEM CARMEN MIRANDA

Do blog Samba, Batuques e Outros Lances

Carmen Miranda, nome artístico de Maria do Carmo Miranda da Cunha (Marco de Canaveses, 9 de fevereiro de 1909 — Beverly Hills, 5 de agosto de 1955) foi uma cantora e atriz luso-brasileira. Sua carreira artística transcorreu no Brasil e Estados Unidos entre as décadas de 1930 e 1950. Trabalhou no rádio, no teatro de revista, no cinema e na televisão. Chegou a receber o maior salário até então pago a uma mulher nos Estados Unidos. Seu estilo eclético faz com que seja considerada precursora do tropicalismo,movimento cultural brasileiro surgido no final da década de 1960.

Carmen Miranda recebeu o nome de Maria do Carmo Miranda da Cunha quando foi batizada no local onde nasceu, a freguesia de Várzea da Ovelha e Aliviada, concelho de Marco de Canaveses, em Portugal. Era a segunda filha do barbeiro José Maria Pinto Cunha (1887-1938) e de Maria Emília Miranda (1886-1971). Ganhou o apelido de Carmen no Brasil, graças ao gosto que seu pai tinha por óperas.

P…

"UMA NOITE EM 67" REVIVE FESTIVAL DA RECORD

COMENTÁRIO DESTE BLOG: O Festival da Record de 21 de outubro de 1967 tornou-se histórico e sua importância foi muito além de um mero festival promovido por uma emissora de TV. O evento contribuiu para a consolidação do que hoje conhecemos como a moderna Música Popular Brasileira.

Uma Noite em 67 revive festival da Record

Do Estadão e do Portal R7

Evento foi um dos mais importantes da história da música popular brasileira

Após ser exibido no É Tudo Verdade, maior festival de documentários do País, Uma Noite em 67, dos diretores Renato Terra e Ricardo Calil, estreia hoje nos cinemas. O festival foi uma vitrine e tanto para o filme, que surgiu como desdobramento da monografia de conclusão do curso de Comunicação de Renato Terra, em 2003.

Ele se debruçou sobre a era dos grandes festivais de música, nos anos 1960/70. Decidido a fazer um documentário, chamou seu amigo jornalista, Ricardo Calil. Trabalharam cinco anos no projeto, ganharam apoio da Videofilmes e da TV Record, que abriu seu arquivo…