O "RAT PACK"


DA ESQUERDA PARA A DIREITA: PETER LAWFORD, DEAN MARTIN, SAMMY DAVIS JR. E FRANK SINATRA ERAM O PRINCIPAL NÚCLEO DO "RAT PACK"

Por Rui Chambel - Chambel.Net, com adaptações deste blog

Expressão utilizada para designar um grupo de amigos liderado por Frank Sinatra que, nos anos 50 e 60, ficou conhecido pelos seus espetáculos musicais, filmes e... festas. Para além de Sinatra, o grupo incluía Dean Martin, Sammy Davis Jr., Peter Lawford e Joey Bishop. Maioritariamente masculino, o grupo também incluía mulheres, designadas de "mascotes", entre as quais Shirley Maclaine e Angie Dickinson.

A expressão "Rat Pack" (grupo de ratos) foi utilizada por jornalistas para designar o grupo, que se auto intitulava de "clã" ou "summit", e tem origem num outro grupo de amigos que anos antes, se centrava à volta de Humphrey Bogart, Lauren Bacall e de um jovem Frank Sinatra. O grupo de Bogart e Bacall ficou conhecido pela sua independência perante o poder estabelecido em Hollywood e pretendia quebrar a rotina e a monotonia reinante na cidade. Embora informal, o grupo tinha a sua organização (por exemplo, Bacall era a "mãe" do grupo, enquanto Bogart era o responsável pelas relações públicas), numa clara paródia a Hollywood. O ponto de encontro do grupo era a casa do casal, designada "Holmby Hills Rat Pack" e de onde advém o nome do grupo, tendo a expressão sido utilizada pela primeira vez por Bacall, após uma noitada de Bogart em Las Vegas com os amigos. Este primeiro grupo incluía ainda: David Niven, Spencer Tracy, Katharine Hepburn, Cary Grant, entre outros.

Com a morte de Bogart no final dos anos 50, o grupo perdeu um dos seus membros mais carismáticos, mas outro assumiu preponderância: Frank Sinatra, que com os seus amigos de Las Vegas constituiu um segundo "Rat Pack". Embora Bacall fosse a "ponte" que unia os dois grupos, o liderado por Sinatra era bem diferente do primeiro, mas o espírito de camaradagem mantinha-se.

O grupo da década de 60 desempenhou um importante papel no desenvolvimento de Las Vegas, não só pela sua "política" de nunca atuar em locais que discriminassem negros, mas também pelos seus espetáculos. Quando um dos membros do grupo tinha um espetáculo agendado era comum os restantes aparecerem de surpresa e atuarem em conjunto. Esta situação levava a que os espectadores esperassem horas pelos espetáculos, muitas vezes na rua ou na entrada dos hotéis esgotados. A popularidade do grupo permitiu estabelecer Las Vegas com uma das capitais do entretenimento e deu ao grupo um grande poder junto dos casinos e na... política, sendo conhecidas as suas ligações ao ex-Presidente John F. Kennedy.

Para além dos espetáculos, o grupo surgiu também em filmes, sendo possível identificar cerca de 11 onde dois ou mais membros do grupo trabalharam em conjunto:

- A Volta ao Mundo em Oitenta Dias (1956)
- Deus Sabe Quanto Amei (1958);
- Never So Few (1959);
- Sete Homens e Um Segredo (1960);
- Sergeants 3 (1962);
- 4 for Texas (1963);
- Os Sete Ladrões da Cidade (1964);
- Divórcio à Americana (1965);
- Dois Contra o Texas (1966);
- A Corrida Mais Louca do Mundo (1981)
- A Corrida Mais Louca do Mundo II (1984).

De todos, Os Onze de Oceano é o filme mais emblemático do grupo, refletindo a sua imagem irreverente e onde participam todos os membros do grupo, inclusive as atrizes Angie Dickinson e Shirley Maclaine.

Em meados da década de 60, a popularidade do grupo começa a decrescer, resultado da Contracultura que iria marcar o final dos anos 60 e início dos anos 70. Muito embora o seu declínio, os membros do grupo mantiveram-se unidos e continuaram a participar em espetáculos musicais e em alguns filmes.

A influência do "Rat Pack" foi tal que as suas histórias (muitas delas inventadas) entraram para o folclore da cidade dos sonhos e o grupo ainda hoje é relembrado através de recriações e tributos. Esta popularidade foi acentuada pelo remake de Sete Homens e um Segredo (Ocean’s Eleven – Façam as Vossas Apostas, realizado em 2001), que popularizou ainda mais a fama à volta do grupo liderado por Sinatra.

Comentários