Pular para o conteúdo principal

O PATRIOTISMO DE BARBOSA LIMA SOBRINHO


Diz uma fábula que um incêndio ocorre e apenas uma andorinha se esforça para apagar a chama. Outros animais logo sugerem para ela desistir, e a ave, no entanto, justifica sua perseverança, dizendo: “eu estou fazendo a minha parte”.

Assim foi Alexandre José Barbosa Lima Sobrinho, que em 16 de julho de 2000 nos deixou aos 103 anos (completos em 22 de janeiro de 2000), trabalhando até o fim. Ele era um jornalista simples, honesto, mas dotado de coragem e ação. Ocupava a cadeira 06 da Academia Brasileira de Letras, da qual era membro desde os 40 anos, em 1937. Foi várias vezes presidente da Academia Brasileira de Imprensa, e na primeira vez, em 1929, reformulou o estatuto da ABI, tornando-o compatível com os ideais democráticos que Barbosa Lima Sobrinho sempre defendeu. Sua maior preocupação sempre foi com a nação, a liberdade e a democracia. Um dos poucos a atuar em defesa das empresas nacionais, Lima Sobrinho defendia a tese de que a baixa auto-estima dos brasileiros atualmente se deve, entre outras coisas, à corrupção política e à venda das empresas nacionais para estrangeiros. Num de seus mais de 50 livros, o jornalista questiona o fato do Brasil nunca ter se tornado um país como o Japão, no que se diz à presença de empresas nacionais fortes.

Barbosa Lima Sobrinho, a princípio, não queria ser jornalista. Ele sonhava com o Direito, daí sua formação de advogado. Mas ele afirmava que o jornalismo era a única opção para pessoas que protestavam, e tão cedo exerceu a vocação, aos 14 anos, na sua terra natal, Recife, num jornal escolar, “A verdade”. Em seguida, passou a escrever para o jornal Diário de Pernambuco. Chegando ao Rio de Janeiro, em 1921 se tornou colaborador do Jornal do Brasil, aí permanecendo até o dia 16.07.2000, quando, ao morrer, já tinha seu último artigo, “A exclusão da classe média”, publicado no jornal. Barbosa Lima tinha uma trajetória peculiar, com idealismo, simplicidade e integridade.

A princípio, apoiou o governo de Vargas, confiando nele um defensor das empresas nacionais (ele havia, entre outras coisas, estatizado a companhia elétrica Light e criado a Companhia Siderúrgica Nacional e a Vale do Rio Doce). Em 1937, no entanto, Lima Sobrinho tem seu mandato na ABI cassado, e ele passou a questionar o regime. Mais tarde, com o surgimento da Petrobrás, em 1953, o jornalista afirmou: “Bastava esta consagração da Petrobrás para redimir sua (de Vargas) biografia”.

Lima Sobrinho presidiu, em 1938, o Instituto do Açúcar e do Álcool. Como deputado federal, fez parte da Assembléia Nacional Constituinte de 1945, que elaborou a Constituição de 1946. Foi governador de Pernambuco entre 1947 e 1951. Neste cargo, ele enfrentou, durante um ano, um processo movido pelos adversários que viam seus interesses comprometidos com o governo vigente. Ciente da sua formação de advogado, Barbosa Lima Sobrinho enfrentou e venceu ele mesmo os quatro advogados dos opositores.

Combatia pacificamente a corrupção e o entreguismo, e diante do Ato Institucional Nº 5 vigente no governo Médici, o jornalista formou uma chapa do MDB com Ulisses Guimarães para a anti-candidatura à sucessão do general presidente, em 1974. Era uma candidatura de protesto, porque o regime não permitia a candidatura de civis a cargos políticos. A candidatura não valeu legalmente, mas abalou a imagem da ditadura militar, que sofria seu primeiro desgaste moral.

Barbosa Lima Sobrinho foi bravo opositor do regime militar, e sofreu um infarto em 1965, diante da situação nacional tensa, viu sua casa sendo revirada pelos militares que o acusavam de participação no governo João Goulart, deposto pelo golpe de 1964. Ainda em 1965 o filho de Barbosa Lima Sobrinho, o também jornalista Fernando Barbosa Lima, estreava na televisão com o “Jornal de Vanguarda”, na extinta TV Excelsior. Este programa criou uma linguagem dinâmica no telejornalismo brasileiro e teve a atriz Natália Thimberg entre os apresentadores.

O fato que Barbosa Lima Sobrinho considera o melhor de sua vida, juntamente com aquela anti-candidatura de 1974, foi a assinatura do processo de impeachment de Fernando Collor, em dezembro de 1992. Ele encabeçou a lista dos assinantes, e além disso fez questão de integrar o grupo que enviou o documento ao Congresso Nacional, em Brasília. Barbosa Lima Sobrinho ainda repreendeu, dias depois, um médico que o seguira porque o jornalista viajou sem licença médica.

Como as antigas gerações de intelectuais, Barbosa Lima Sobrinho, a exemplo do geógrafo baiano Milton Santos, viu a globalização com ceticismo. “A globalização não interessa ao Brasil. É a doutrina das grandes nações, que serve sobretudo aos EUA”. Mas tal visão, infelizmente, é mais coerente, ante o delírio daqueles que só observam a globalização como um fenômeno positivo, irreversível e poderoso, delírio que trata o fenômeno como algo divino, como se Deus não fosse Deus, mas fosse, sim, a “globalização”. Em 1997, classificou a venda da Vale do Rio Doce como um “crime”. Certamente andava decepcionado com os rumos da economia brasileira, mas não perdia a calma e sabiamente fazia seus questionamentos no Jornal do Brasil.

No último artigo, “A exclusão da classe média”, Lima Sobrinho comenta a desesperança crônica do povo brasileiro. Barbosa critica o governo FHC, citado como principal foco da desestabilização sócio-econômica. Ele associa a queda do sentimento de nacionalidade (ou seja, patriotismo), à invasão de empresas estrangeiras, “numa espécie de demonstração prática que o brasileiro é incapaz de gerenciar e produzir, devendo se restringir apenas à função de rentista, como se dizia no século 19”. E mais, ele afirma que, com a desnacionalização, o Brasil não poderá desenvolver suas próprias multinacionais. Encerra ele: “fico imaginando qual será a reação da opinião pública quando afinal acordar e perceber que lhe tiraram tudo e sequer restou o aluguel. Será que teremos de esperar e pagar para ver chegar esse momento trágico? Não será melhor que, sobretudo como obrigação da maior parte dos formadores de opinião, se comece logo a reagir e a defender os legítimos interesses nacionais?”.

Sem dúvida alguma Barbosa nos deixou uma lição de patriotismo verdadeiro, sintetizada nesse precioso aviso no seu artigo que encerrou sua existência longeva e lúcida.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

REVISTA CAPRICHO JÁ FOI PARA JOVENS ADULTAS

Hoje a famosa publicação da Editora Abril, a revista Capricho, é uma revista para o público adolescente feminino. Desde a década de 80 segue essa orientação, divulgando para o público brasileiro os ídolos teen que fazem sucesso nos EUA, principalmente os ídolos pop em geral.

Mas a origem da Capricho era completamente diferente do seu perfil atual. A revista foi lançada no dia 18 de junho de 1952 - curiosamente, mesma data do nascimento de Isabella Rossellini, atriz e modelo, símbolo da beleza que herdou da mãe, atriz Ingrid Bergman, e passa também para a filha, Eletra - e, a princípio, era quinzenal. Foi a primeira revista que a Abril lançou dedicada ao público feminino. Em novembro, a revista passou a ser mensal, por decisão do proprietário da Abril, Victor Civita, e esta periodicidade vale até hoje, apesar de eventuais períodos em que a revista era publicada quinzenalmente.

A revista misturava dicas para o dia-a-dia feminino, além de reportagens sobre questões sociais que interessa…

HUMORISMO BRASILEIRO PERDE AGILDO RIBEIRO, AOS 86 ANOS

AGILDO RIBEIRO EM TOCAIA NO ASFALTO, DE 1962 - MARCADO PELO HUMOR, AGILDO TAMBÉM ERA EXCELENTE ATOR DRAMÁTICO.

Por Alexandre Figueiredo

O falecimento do ator e humorista Agildo Ribeiro faz com que uma grande geração de comediantes se fosse, praticamente encerrando um ciclo marcado pela criatividade e pelas piadas engraçadas. Foi uma geração que até investiu em bordões, mas ia muito além desses "refrões" humorísticos, em esquetes marcadas por ironias e tiradas muito engraçadas.

Como lembrou o colunista Tony Goes, da Folha de São Paulo, a morte de Agildo encolhe ainda mais o elenco de humoristas remanescentes de uma geração criadora, vinda do rádio e do teatro de revista, mas que teve um vigor próprio que fez muito sucesso na televisão.

É triste pensar que os humoristas que há mais de 50 anos estavam em muita evidência, como Chico Anysio, José Vasconcelos, Renato Corte Leal e Paulo Silvino, estão falecidos, com Agildo se somando a eles. Até pouco tempo atrás, ainda tínhamos Pa…

O DIA QUE "UNIU" MARIELLE FRANCO E EDSON LUÍS DE LIMA SOUTO

Por Alexandre Figueiredo
50 anos separam duas tragédias, mas de repente elas se tornam bem próximas, pela comoção causada entre os brasileiros. O estudante Edson Luís de Lima Souto, também funcionário do restaurante Calabouço, no centro do Rio de Janeiro, e a vereadora do PSOL, Marielle Franco, se uniram pelas tragédias a que foram vítimas, que os transformaram em símbolos na luta contra a repressão aos direitos humanos.
Edson nasceu em 1950 e foi morto aos 19 anos, quando almoçava no restaurante em que trabalhava, ocasião que tornou-se trágica quando um tiroteio o atingiu, no momento em que policiais tentavam prender manifestantes estudantis. Edson não era militante e acabou sendo atingido, morrendo na hora, em 28 de março de 1968.
Marielle nasceu em 1979. Ativista negra, LGBT e feminista, ela foi a quinta vereadora mais votada nas eleições para o Legislativo do Rio de Janeiro, em 2016. Ela saía de um evento de debates na Lapa quando, já no bairro do Estácio, o carro em que estava f…

CINEASTA ROBERTO FARIAS MORRE NO RIO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Embora não tenha sido um cineasta ligado ao Cinema Novo, movimento de vanguarda cinematográfica brasileiro, Roberto Farias foi um notável realizador de filmes e também de produções de televisão, tendo sido também patriarca de uma grande família de atores e diretores brasileiros, com um clã que inclui o irmão Reginaldo Faria, o sobrinho Marcelo Faria e os diretores de televisão Mauro Farias, Maurício Farias e Lui Farias.

Roberto Farias, que encerrou a vida como consultor da Rede Globo, está associado também à experiência do cantor Roberto Carlos como ator de cinema. Era sogro da cantora Paula Toller e das atrizes Andrea Beltrão e Heloísa Perissé. O marido de Andrea, Maurício Farias, atualmente está envolvido como diretor e co-roteirista dos humorísticos Zorra e Tá No Ar - A TV na TV.

Cineasta Roberto Farias morre no Rio

Do Portal G1

O cineasta, produtor e distribuidor Roberto Farias morreu nesta segunda-feira (14), aos 86 anos, no Rio de Janeiro. De acordo com a …

CASOS DE LULA E DILMA ACABAM DANDO AULA PRÁTICA DA CRISE DA ERA JANGO

Por Alexandre Figueiredo

As pessoas mais jovens têm a oportunidade de relembrar fatos históricos do passado, relacionando a crise política de hoje com a crise que seus pais e avós viveram há 52 anos. A crise política do segundo semestre de 1963 até o primeiro de 1964, que culminou no golpe militar que instaurou uma ditadura de 21 anos, encontra eco na crise atual do governo da presidenta Dilma Rousseff.

A crise atinge o ciclo político do Partido dos Trabalhadores, que se ascendeu no poder em 2003, levando ao cenário político personalidades que combatiam o regime militar: o então presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, por exemplo, foi um operário do ABC paulista que se ascendeu durante a crise do "milagre brasileiro" da ditadura militar, por volta de 1974.

Junto a ele, se ascendeu também o antigo líder estudantil José Dirceu, que havia sido preso quando, presidente da União Nacional dos Estudantes em 1968, foi surpreendido por uma ação policial em Ibiúna, interio…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…