Pular para o conteúdo principal

O COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS


CONFLITO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE MACKENZIE LIGADOS AO COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS E OS ALUNOS DE FILOSOFIA DA USP, EM SETEMBRO DE 1968. UM ESTUDANTE FOI MORTO NO CONFRONTO.

O episódio do jornalista Bóris Casoy, fazendo um comentário maldoso contra os garis, numa declaração de bastidor que uma falha técnica fez transmitir-se em rede nacional, repercutiu muito mais do que o mero comentário em si. Vários blogueiros, pesquisando revistas antigas, verificaram o passado de Casoy e constataram que ele havia integrado o Comando de Caça aos Comunistas, quando era estudante.

Pois o infame CCC, esquecido há tempos - apesar de seus princípios influenciarem, até hoje, o reacionarismo de muitos jovens sob a capa de "modernos" (fala-se até em Comando de Caça aos Conscientizados) - , e aparentemente associada a anônimos militantes, não só voltou à moda nos debates públicos como também mostrou um rosto bem conhecido, um jornalista que queria "passar o país a limpo" e que julgava os absurdos da vida "uma vergonha", mas que sujou sua reputação com um ato vergonhoso.

O Comando de Caça aos Comunistas é anterior à ditadura militar. Teria surgido já no início da década de 60, quando surgiram diversas instituições insatisfeitas com o quadro político do país na Era Kubitschek. Juscelino Kubitschek, então presidente da República brasileira, apesar de ser ligado a um partido conservador, o Partido Social Democrático (PSD), em virtude da própria aliança como o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), através da figura do vice, João Goulart, que, embora fosse um grande fazendeiro gaúcho, era ligado ao sindicalismo e acusado pela direita política de ser um simpatizante do comunismo.

Logo em 1959 havia surgido, por exemplo, o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD). Depois vieram outras siglas, como Grupo de Ação Patriótica (GAP), Campanha da Mulher pela Democracia (CAMDE) e o Comando de Caça aos Comunistas (CCC). Todos fachadas de "movimentos sociais" ou "institutos" em prol de uma campanha para eliminar a política nacional-populista que eles temiam se aproximar de ideais socialistas ou comunistas.

A campanha era feita nas mais diversas frentes que havia até movimentos de operários ligados a grupos direitistas. E mesmo a hoje considerada "inocente" divulgação de ídolos cafonas (Waldick Soriano, Nelson Ned) nas rádios do interior do país era uma forma do poder latifundiário neutralizar a ascensão da MPB autêntica dos Centros Populares de Cultura da UNE.

O Comando de Caça aos Comunistas era um misto de entidade paramilitar, gangue de arruaceiros e terroristas. Sua razão de ser, evidentemente, é a Guerra Fria, e a mobilização do grupo se efetivou quando o primeiro-ministro cubano Fidel Castro (que só se declararia presidente em 1976), em abril de 1961, declarou-se aliado do comunismo de Moscou.


INCÊNDIO NA SEDE DA UNE, NO BAIRRO CARIOCA DE BOTAFOGO, EM 01.04.1964. O ATO ESTÁ ASSOCIADO À AÇÃO DO COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS.

A primeira grande ação associada ao CCC ocorreu logo em 1964, no dia primeiro de abril, quando a sede da União Nacional dos Estudantes, no bairro do Botafogo, no Rio de Janeiro, foi incendiada. A ação teria sido feita por militantes do Comando de Caça aos Comunistas, pouco depois do Golpe de 1964. A UNE seria considerada extinta pelo governo militar pouco depois, mas a entidade continuou sua ação clandestinamente.

Naquela época, o grupo também teria invadido os estúdios da Rádio MEC, também no Rio, destruindo suas instalações e equipamentos.

Mas as ações do CCC se intensificaram em 1968, quando as manifestações estudantis realizadas no ano anterior - em reação ao acordo MEC/USAID que submeteria a Educação aos programas neoliberais e anti-democráticos - se tornaram intensas, principalmente após a morte do estudante Edson Luís, no Rio de Janeiro.

O CCC então teria feito vários atos violentos. Em 18 de julho, o grupo invadiu o Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, durante a peça Roda Viva, escrita por Chico Buarque e dirigida por José Celso Martinez Correia, espancando os atores. No Rio de Janeiro, a poucos dias do AI-5, em 02 de dezembro,o grupo realizou um atentado à bomba no Teatro Opinião.

Mas o fato mais famoso envolvendo o CCC foi no dia 02 de outubro daquele mesmo 1968. Por volta de 10h, um grupo de estudantes da Universidade Mackenzie - nem todos os estudantes de lá eram ligados ao CCC, é bom deixar claro - iniciou uma briga com alunos da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo. Tanto a universidade particular quanto a faculdade estadual ficavam próximas, na mesma rua Maria Antônia.

Os estudantes da USP realizavam pedágios para arrecadar dinheiro para as atividades da UNE, quando eles receberam ataques verbais e físicos, incluindo rojões, ovos, tiros de revólver, dos alunos direitistas da Mackenzie. A rua se esvaziou e os dois grupos iniciaram um duelo, que deixou seis feridos do grupo direitista e dois do grupo da UNE, mas um morto, o estudante José Guimarães, que era ligado ao grupo da UNE.

Já antes desse episódio, uma reportagem da revista O Cruzeiro, segundo vários blogueiros, teria acusado o então universitário Bóris Casoy, que então estudava na Mackenzie, de frequentar reuniões do CCC. Mais tarde, Casoy se tornou conhecido por fazer parte da facção conservadora da imprensa paulistana.

O Comando de Caça aos Comunistas ainda é relacionado ao sequestro e assassinato do padre Antônio Henrique Pereira Neto, em Recife, no dia 26 de maio de 1969. Pereira Neto era ligado ao Arcebispo Dom Hélder Câmara, conhecido por suas ideias humanistas, e o padre havia celebrado, no Rio de Janeiro, uma missa em memória ao estudante Edson Luís.

Pereira Neto havia recebido ameaças de morte do CCC. A sua morte teve como responsáveis, por um inquérito movido pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco, Rogério Matos do Nascimento, delegado Bartolomeu Gibson, investigador de polícia Cícero Albuquerque, tenente José Ferreira dos Anjos, da Polícia Militar, Pedro Jorge Bezerra Leite, José Caldas Tavares e Michel Maurice Och. O sequestro, além da participação do CCC, teria tido o apoio da Central Intelligence Agency (CIA), serviço de informação americano que havia colaborado tanto nas ações golpistas contra Jango quanto no respaldo à ditadura militar.

O Comando de Caça aos Comunistas teria encerrado suas atividades em meados dos anos 70, quando já havia instituições de repressão e tortura como o DOI-CODI, e quando o regime militar já considerava praticamente controlado o quadro sócio-político brasileiro.

Mas o legado do CCC influenciou a ação de jovens reacionários que, desde os anos 90, agem para defender valores conservadores mas pretensamente "modernos" (sobretudo ligados à grande mídia) e que, na Internet, expressam sua fúria contra aqueles que contestam estes valores, com mensagens agressivas ou terrorismo virtual (e-mails "amistosos" contendo vírus).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

SERGUEI: CANTOR MORRE AOS 85 ANOS APÓS UM MÊS INTERNADO

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O cantor e compositor carioca Sérgio Augusto Bustamante, o Serguei, era considerado um "titio" para os padrões da Contracultura de 1967-1968, pois já era um trintão quando usufruiu da psicodelia e do hippismo, tendo tido um breve romance com a cantora Janis Joplin e conivendo na cena roqueira da Califórnia, por um período.

Em todo caso, Serguei viveu intensamente aqueles tempos e tornou-se, durante anos, uma testemunha ocular daquela época louca em que a juventude buscava novos ares intelectuais, emocionais ou mesmo alucinógenos, sob a utopia da "ampliação da mente".

O cantor faleceu hoje, aos 85 anos, idade até bastante elevada para os padrões de sua geração. As causas do óbito não foram divulgadas, mas ele sofreu desidratação, infecção urinária, desnutrição e era portador do mal de Alzheimer. Nos últimos meses, ele apoiava causas progressistas e manifestou solidariedade à campanha Lula Livre e à candidatura de Fernando Haddad à Presidênc…

ATRIZES MÁRCIA REAL E MARIA ISABEL DE LIZANDRA MORREM EM SP

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: As atrizes veteranas Maria Isabel de Lizandra - que deixou a televisão em 1998 - e Márcia Real, morreram em dias diferentes, mas na mesma cidade de São Paulo, tendo sido duas grandes estrelas televisivas presentes em várias novelas marcantes.

Atriz Maria Isabel de Lizandra morre em São Paulo aos 72 anos

Do Portal G1

A atriz Maria Isabel de Lizandra morreu na noite de desta quinta-feira (14), no Hospital das Clínicas de São Paulo, segundo informou a família. Ela é umas das primeiras atrizes da TV brasileira, conhecida por vários trabalhos na televisão, como o fenômeno Vale Tudo, um dos maiores sucessos da história da Globo.

Em Vale Tudo, Maria Isabel interpretou Marisa, amiga da personagem Raquel, vivida por Regina Duarte.

A atriz tinha 72 anos e deu entrada no Hospital das Clínicas com quadro de pneumonia.


O corpo está sendo velado no Cemitério do Araçá e o enterro será às 17h no Cemitério da Consolação.

Maria Isabel Reclusa Antunes Maciel, que adotou o nome artísti…

SIMCA CHAMBORD

ANÚNCIO BRASILEIRO DO SIMCA CHAMBORD, PUBLICADO EM REVISTAS DIVERSAS, EM 1958.

Extraído do portal WIKIPEDIA

Simca Chambord foi o nome de um automóvel produzido pela Simca francesa entre 1958 e 1961, desenvolvido a partir do Simca Versailles. Tal como este, imitava os automóveis estadunidenses da época. Foi o primeiro automóvel de luxo fabricado no Brasil, a partir de 1959, tendo continuado a ser construído sob licença pela Simca do Brasil até 1967.[1] O Chambord também marcou uma época por ser o veículo usado pelo ator Carlos Miranda, protagonista da popular série de TV O Vigilante Rodoviário.

DEFICIÊNCIAS

Apesar de sua boa aparência, o Chambord tinha o desempenho comprometido por um motor V8 fraco, o que lhe valeu o apelido jocoso de "O Belo Antônio" (bonito, mas impotente).

VARIANTES

O Simca Présidence foi uma versão luxuosa do Simca Chambord. Tinha rodas do tipo aro de bicicleta, pneu estepe atrás do porta-malas, cores exclusivas e bancos de couro. Foi lançado em 1965 com um mo…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

A FÁBRICA DE CHOCOLATES E A METÁFORA DA COMPETIÇÃO HUMANA

Por Alexandre Figueiredo

O filme A Fantástica Fábrica de Chocolate (Willy Wonka and the Chocolate Factory), de 1971, tem 45 anos de existência quando seu protagonista, o ator e diretor Gene Wilder, faleceu aos 83 anos depois de muito tempo doente do mal de Alzheimer.

Wilder, também conhecido por atuar e dirigir o filme A Dama de Vermelho (The Woman in Red), de 1984 - poucos anos antes do outro "Willy Wonka" (de 2005), o ator Johnny Depp, fazer sua estreia no seriado Anjos da Lei (21 Jump Street) em 1987 - , também atuou em vários filmes de Mel Brooks e em comédias ao lado do já falecido Richard Pryor.

Mas foi o personagem Willy Wonka o papel mais marcante e mais instigante, como o do filme correspondente. A curiosidade é que, apesar de ser um filme infantil, A Fantástica Fábrica de Chocolate traz um enredo de análise bastante complexa, que daria excelentes teses de mestrado com toda sua análise semiológica.

Aparentemente, o filme é uma gincana e uma apresentação de um "…

RUBENS EWALD FILHO MORRE EM SP AOS 74 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O crítico de cinema Rubens Ewald Filho deixa uma lacuna na crítica cinematográfica, pela bagagem e pelas análises que fazia, de maneira acessível, ao grande público. Ele também foi ator e cineasta e certamente isso influiu muito em unir teoria e prática, tendo sido, portanto, um mestre na teoria de cinema no Brasil.

Rubens Ewald Filho morre em SP aos 74 anos

Do Portal G1

O jornalista e crítico de cinema Rubens Ewald Filho morreu nesta quarta-feira (19) em São Paulo aos 74 anos. Considerado um dos maiores especialistas em cinema, Rubens Ewald Filho estava internado estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Samaritano, em Higienópolis, na região Central de São Paulo.

Ewald Filho foi internado no dia 23 de maio após sofrer um desmaio seguido de uma queda de escada rolante. Ele passou por um tratamento cardiológico e das fraturas decorrentes da queda, mas não resistiu.

O velório será realizado na Praça das Artes, na Avenida São João, na região cen…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

ESTÁ MORTO ROKY ERICKSON - MÚSICO PSICODÉLICO MORRE AOS 71 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Considerado, juntamente com Syd Barrett e Jerry Garcia, um dos maiores músicos-gurus psicodélicos da década de 1960, cultuados por gerações de fãs de psicodelia e rock alternativo em todo o mundo, o cantor, guitarrista e compositor Roky Erickson morreu ontem, aos 71 anos, tendo sido um dos mais cultuados artistas da Contracultura do período 1966-1969.

Roky era famoso pela banda psicodélica 13th Floor Elevators e pela música "You Gonna Miss Me". Ele era texano de Austin, e começou carreira na banda local The Spades. Inicialmente os 13th Floor Elevators chamaram Janis Joplin para integrar a banda, mas ela não aceitou, ao se mudar para San Francisco a convite de outro músico.

Roky sofria problemas mentais devido ao uso constante de alucinógenos. Apesar disso, ele seguiu carreira até recentemente, embora tivesse tido um longo hiato. Sua fase recente se deu por estímulo aos novos fãs, que o descobriram a partir do revival do rock alternativo no fim dos a…

DUCAL, LOJAS DE ROUPAS

NO PRÉDIO EM FORMA DE MEIA-LUA NA AV. BRASIL, NO RIO DE JANEIRO, CHEGOU A FUNCIONAR AS LOJAS DUCAL. O PRÉDIO FOI DEMOLIDO PARA DAR LUGAR A UM TRECHO DA LINHA VERMELHA (VIA EXPRESSA PRES. JOÃO GOULART), EM 1992.

Do portal Wikipedia

A Ducal Roupas foi uma rede de lojas de roupas masculinas brasileira de muito sucesso nas décadas de 1950 e 1960. Seu nome, além de remeter ao nobre título de duque, também era a junção das sílabas das palavras "duas calças", pois quem comprava um paletó e uma calça ganhava outra mais barata e ficava, assim, com duas calças. A promoção deu fama à empresa junto com o seu sistema de crédito.

A Ducal Roupas era referência no mercado de moda masculina na metade do século passado. Seus ternos vestiram vários brasileiros anônimos e famosos em sua época. A Ducal tinha lojas em três estados do país como Rio de Janeiro, São Paulo e Minas Gerais.

Mas a Ducal não era apenas uma grande marca e sim um grande grupo empresarial da época e que possuía além das lojas, …