Pular para o conteúdo principal

O COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS


CONFLITO ENTRE ESTUDANTES DA UNIVERSIDADE MACKENZIE LIGADOS AO COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS E OS ALUNOS DE FILOSOFIA DA USP, EM SETEMBRO DE 1968. UM ESTUDANTE FOI MORTO NO CONFRONTO.

O episódio do jornalista Bóris Casoy, fazendo um comentário maldoso contra os garis, numa declaração de bastidor que uma falha técnica fez transmitir-se em rede nacional, repercutiu muito mais do que o mero comentário em si. Vários blogueiros, pesquisando revistas antigas, verificaram o passado de Casoy e constataram que ele havia integrado o Comando de Caça aos Comunistas, quando era estudante.

Pois o infame CCC, esquecido há tempos - apesar de seus princípios influenciarem, até hoje, o reacionarismo de muitos jovens sob a capa de "modernos" (fala-se até em Comando de Caça aos Conscientizados) - , e aparentemente associada a anônimos militantes, não só voltou à moda nos debates públicos como também mostrou um rosto bem conhecido, um jornalista que queria "passar o país a limpo" e que julgava os absurdos da vida "uma vergonha", mas que sujou sua reputação com um ato vergonhoso.

O Comando de Caça aos Comunistas é anterior à ditadura militar. Teria surgido já no início da década de 60, quando surgiram diversas instituições insatisfeitas com o quadro político do país na Era Kubitschek. Juscelino Kubitschek, então presidente da República brasileira, apesar de ser ligado a um partido conservador, o Partido Social Democrático (PSD), em virtude da própria aliança como o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), através da figura do vice, João Goulart, que, embora fosse um grande fazendeiro gaúcho, era ligado ao sindicalismo e acusado pela direita política de ser um simpatizante do comunismo.

Logo em 1959 havia surgido, por exemplo, o Instituto Brasileiro de Ação Democrática (IBAD). Depois vieram outras siglas, como Grupo de Ação Patriótica (GAP), Campanha da Mulher pela Democracia (CAMDE) e o Comando de Caça aos Comunistas (CCC). Todos fachadas de "movimentos sociais" ou "institutos" em prol de uma campanha para eliminar a política nacional-populista que eles temiam se aproximar de ideais socialistas ou comunistas.

A campanha era feita nas mais diversas frentes que havia até movimentos de operários ligados a grupos direitistas. E mesmo a hoje considerada "inocente" divulgação de ídolos cafonas (Waldick Soriano, Nelson Ned) nas rádios do interior do país era uma forma do poder latifundiário neutralizar a ascensão da MPB autêntica dos Centros Populares de Cultura da UNE.

O Comando de Caça aos Comunistas era um misto de entidade paramilitar, gangue de arruaceiros e terroristas. Sua razão de ser, evidentemente, é a Guerra Fria, e a mobilização do grupo se efetivou quando o primeiro-ministro cubano Fidel Castro (que só se declararia presidente em 1976), em abril de 1961, declarou-se aliado do comunismo de Moscou.


INCÊNDIO NA SEDE DA UNE, NO BAIRRO CARIOCA DE BOTAFOGO, EM 01.04.1964. O ATO ESTÁ ASSOCIADO À AÇÃO DO COMANDO DE CAÇA AOS COMUNISTAS.

A primeira grande ação associada ao CCC ocorreu logo em 1964, no dia primeiro de abril, quando a sede da União Nacional dos Estudantes, no bairro do Botafogo, no Rio de Janeiro, foi incendiada. A ação teria sido feita por militantes do Comando de Caça aos Comunistas, pouco depois do Golpe de 1964. A UNE seria considerada extinta pelo governo militar pouco depois, mas a entidade continuou sua ação clandestinamente.

Naquela época, o grupo também teria invadido os estúdios da Rádio MEC, também no Rio, destruindo suas instalações e equipamentos.

Mas as ações do CCC se intensificaram em 1968, quando as manifestações estudantis realizadas no ano anterior - em reação ao acordo MEC/USAID que submeteria a Educação aos programas neoliberais e anti-democráticos - se tornaram intensas, principalmente após a morte do estudante Edson Luís, no Rio de Janeiro.

O CCC então teria feito vários atos violentos. Em 18 de julho, o grupo invadiu o Teatro Ruth Escobar, em São Paulo, durante a peça Roda Viva, escrita por Chico Buarque e dirigida por José Celso Martinez Correia, espancando os atores. No Rio de Janeiro, a poucos dias do AI-5, em 02 de dezembro,o grupo realizou um atentado à bomba no Teatro Opinião.

Mas o fato mais famoso envolvendo o CCC foi no dia 02 de outubro daquele mesmo 1968. Por volta de 10h, um grupo de estudantes da Universidade Mackenzie - nem todos os estudantes de lá eram ligados ao CCC, é bom deixar claro - iniciou uma briga com alunos da Faculdade de Filosofia da Universidade de São Paulo. Tanto a universidade particular quanto a faculdade estadual ficavam próximas, na mesma rua Maria Antônia.

Os estudantes da USP realizavam pedágios para arrecadar dinheiro para as atividades da UNE, quando eles receberam ataques verbais e físicos, incluindo rojões, ovos, tiros de revólver, dos alunos direitistas da Mackenzie. A rua se esvaziou e os dois grupos iniciaram um duelo, que deixou seis feridos do grupo direitista e dois do grupo da UNE, mas um morto, o estudante José Guimarães, que era ligado ao grupo da UNE.

Já antes desse episódio, uma reportagem da revista O Cruzeiro, segundo vários blogueiros, teria acusado o então universitário Bóris Casoy, que então estudava na Mackenzie, de frequentar reuniões do CCC. Mais tarde, Casoy se tornou conhecido por fazer parte da facção conservadora da imprensa paulistana.

O Comando de Caça aos Comunistas ainda é relacionado ao sequestro e assassinato do padre Antônio Henrique Pereira Neto, em Recife, no dia 26 de maio de 1969. Pereira Neto era ligado ao Arcebispo Dom Hélder Câmara, conhecido por suas ideias humanistas, e o padre havia celebrado, no Rio de Janeiro, uma missa em memória ao estudante Edson Luís.

Pereira Neto havia recebido ameaças de morte do CCC. A sua morte teve como responsáveis, por um inquérito movido pelo Tribunal de Justiça de Pernambuco, Rogério Matos do Nascimento, delegado Bartolomeu Gibson, investigador de polícia Cícero Albuquerque, tenente José Ferreira dos Anjos, da Polícia Militar, Pedro Jorge Bezerra Leite, José Caldas Tavares e Michel Maurice Och. O sequestro, além da participação do CCC, teria tido o apoio da Central Intelligence Agency (CIA), serviço de informação americano que havia colaborado tanto nas ações golpistas contra Jango quanto no respaldo à ditadura militar.

O Comando de Caça aos Comunistas teria encerrado suas atividades em meados dos anos 70, quando já havia instituições de repressão e tortura como o DOI-CODI, e quando o regime militar já considerava praticamente controlado o quadro sócio-político brasileiro.

Mas o legado do CCC influenciou a ação de jovens reacionários que, desde os anos 90, agem para defender valores conservadores mas pretensamente "modernos" (sobretudo ligados à grande mídia) e que, na Internet, expressam sua fúria contra aqueles que contestam estes valores, com mensagens agressivas ou terrorismo virtual (e-mails "amistosos" contendo vírus).

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

O ESTADO DA GUANABARA

AEROFOTO DO FOTÓGRAFO DA REVISTA MANCHETE, CARLOS BOTELHO, PUBLICADA TAMBÉM NA ENCICLOPÉDIA DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS DO IBGE. A FOTO DATA DE 1956, QUANDO A NOVA CAPITAL, BRASÍLIA, COMEÇOU A SER CONSTRUÍDA, TRANSFORMANDO DEPOIS O ANTIGO DISTRITO FEDERAL NA GUANABARA.

Do portal WikipediaA Guanabara foi um estado do Brasil de 1960 a 1975, no território do atual município do Rio de Janeiro. A palavra guanabara tem sua origem no tupi guarani guaná-pará, e significa "o seio-mar".

HISTÓRIA

Em 1834, a cidade do Rio de Janeiro foi transformada no Município Neutro da Corte, permanecendo como capital do Império do Brasil, enquanto que Niterói passou a ser a capital da província do Rio de Janeiro. Em 1889, a cidade transformou-se em capital da República, o município neutro em distrito federal e a província em estado. Com a mudança da capital para Brasília, em 21 de abril de 1960, a cidade do Rio de Janeiro tornou-se o estado da Guanabara, de acordo com as disposições transitórias da Cons…

MORREU A ATRIZ E BAILARINA HELOÍSA MILLET

Faleceu na última sexta-feira, no Rio de Janeiro, a atriz e bailarina carioca Heloísa Millet, aos 64 anos de idade, vítima de câncer. Tendo sido conhecida pelo seu trabalho de bailarina na abertura do programa Fantástico, da Rede Globo, em 1974, ela depois foi levada pelo diretor de teatro Zbigniew Ziembinsky para seguir carreira de atriz.

Ao saber do sucesso como bailarina da abertura do programa, Heloísa teve a impressão que relatou numa entrevista de 1994: “Sou pequena, baixa, e quando fiz aquela abertura, virei um mulherão de dois metros de altura. Então, acabaram-se os meus complexos".

Depois, ela fez uma personagem, Betina, na novela Estúpido Cupido, em 1976, e a esse trabalho seguiram-se outros nas novelas Espelho Mágico (1977), Te Contei? (1978), Feijão Maravilha (1979), Marrom-glacê (1979) e Elas por Elas (1982), todas na Globo.

Heloísa também participou da minissérie Terras do Sem Fim (1981) e no elenco do humorístico Estúdio A...Gildo (1982), comandado por Agildo Rib…

TV EXCELSIOR

TV Excelsior - A Criadora do Padrão Globo de Qualidade

Edson Rodrigues - Retro TV

Dez anos de criatividade que resultaram no desenvolvimento da televisão brasileira. Assim podemos definir a trajetória da TV Excelsior, Canal 9 de São Paulo. Mas, como tudo começou? E como tudo acabou?

O Início

Estamos em 1959 e a Organização Victor Costa - que já possuía a TV Paulista Canal 5 - ganha um novo canal de televisão. Naquela época era comum um mesmo dono ter mais de uma emissora. Antes mesmo de inaugurá-la, Mário Wallace Simonsen manifesta interesse em comprar os direitos sobre o novo canal. A família Simonsen era poderosa, possuía mais de 40 empresas (uma delas a aérea Panair) e estavam ansiosos por colocar no ar a TV Excelsior (nome este que veio da emissora de rádio, hoje a conhecida CBN). Os valores da venda são desencontrados, mas é sabido que a cifra foi a mais alta até então registrada.

A emissora instalou-se nos dois últimos andares de um prédio localizado na esquina da Avenida Paulista co…

30 ANOS SEM KAREN CARPENTER

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A cantora da dupla de irmãos Carpenters, a belíssima Karen Carpenter, faleceu no dia 04 de fevereiro de 1983. Talvez esta postagem pareça tardia, mas há exatos 30 anos a notícia do falecimento da cantora já estava espalhada pelos quatro cantos e repercutia mundialmente, causando tristeza profunda em todos os seus fãs.

Os Carpenters podem não ter sido musicalmente excepcionais, mas eram bastante talentosos, pelo talento de pianista de Richard Carpenter e da bela voz de Karen, que por sinal tinha uma beleza sexy que ela mesma não pôde prestar atenção, tão preocupada em se tornar magra que a fez vítima de anorexia nervosa. Pena, porque Karen era linda e desejadíssima mesmo "cheinha" e, se viva estivesse, continuaria belíssima, apenas adaptando suas feições para os 63 anos que poderia completar no próximo dia 02 de março.

Algumas curiosidades notáveis dos Carpenter: os irmãos chegaram a gravar cover da banda progressiva Klaatu e Karen era eventual bater…

PRIMEIRA TRANSMISSÃO DE TV A CORES NO BRASIL FAZ 40 ANOS

Por Alexandre Figueiredo

Hoje faz 40 anos em que se realizou a primeira transmissão televisiva a cores, a partir da TV Difusora de Porto Alegre (hoje TV Bandeirantes local) e a TV Rio (Guanabara, atual TV Record Rio). A TV Globo, do Rio de Janeiro, também participou da façanha.

O evento escolhido foi o desfile tradicional da Festa da Uva, na cidade gaúcha de Caxias do Sul. A foto em questão, aliás, mostra um ônibus "bicudinho" da Mercedes-Benz, provavelmente O-326, que a TV Rio enviou para o Sul do país.

Era tempos do "milagre brasileiro" da ditadura militar e prefeitos com algum senso de oportunismo instalaram aparelhos de TV pelas ruas da cidade para que a população visse a novidade. Aliás, foi assim que Assis Chateaubriand fez para atrair a multidão para a então recém-inaugurada televisão, em vários pontos-chave da cidade de São Paulo, em 18 de setembro de 1950. Em ambos os casos, eventuais falhas técnicas ocorreram.



Mas quem imaginasse que a televisão a cores era u…

RÁDIO CIDADE ENCERROU HISTÓRIA ANTES DOS 40 ANOS. MELHOR ASSIM

Por Alexandre Figueiredo

Seria patético uma rádio comemorar 40 anos de existência com uma trajetória totalmente diversa da original. Se o contexto permitisse, tudo bem, mas soaria ridículo que a Rádio Cidade tivesse que comemorar 40 anos como se fossem os 35 anos da Fluminense FM, algo bastante surreal que, certamente, daria um filme de Luís Buñuel.

A Rádio Cidade, que anunciou sua saída do dial para o próximo dia 31 de julho de 2016, na verdade morreu faz muito tempo. Morreu quando o Sistema Jornal do Brasil sentiu ressentimento de não ter largado na frente de uma rádio autenticamente rock, a Fluminense FM, do Grupo Fluminense de Comunicação.

A Fluminense FM, a "Maldita", bem antes da Internet e do YouTube, tinha uma locução sóbria, que não falava em cima das músicas, e seu repertório, mesmo na programação normal, fugia da mesmice do hit-parade, tocando bandas e artistas até hoje pouco conhecidos.

De Gentle Giant a Teardrop Explodes, nenhuma emissora de rádio roqueira teve…

CASOS HARVEY WEINSTEIN E ROSEANNE BARR APONTAM FRAGILIDADE DA GERAÇÃO "W"

Por Alexandre Figueiredo

Não se fazem mais pessoas mais velhas do que antigamente. A geração nascida a partir de 1950, que se aproxima dos 70 anos, e que vai até 1974, com pessoas a caminho dos 45 ou 50 anos, se envolve cada vez mais em incidentes polêmicos, que vão desde escândalos de assédio sexual e comentários racistas até em postagens que dizem o que não devem e são imediatamente apagadas, não sem repercutir nas redes sociais e ser reproduzida a tempo de aparecer na imprensa no mundo inteiro.

Os casos de Harvey Weinstein, produtor de Hollywood acusado de assédio sexual e até de estupro por um considerável número de atrizes de Hollywood, e de Roseanne Barr, atriz e produtora que havia criado e protagonizado uma sitcom de grande sucesso, intitulada Roseanne, que havia encerrado há tempos e ganhou uma nova temporada recentemente.

Weinstein, um dos fundadores da Miramax Films e, depois, fundou a Weinstein Company com seu irmão Bob, era um dos mais prestigiados produtores executivos …

RAUL SEIXAS

Hoje seria a data de aniversário dos 65 anos do cantor Raul Seixas, um dos maiores nomes do Rock Brasil e um dos mestres, ainda que controversos, da Música Popular Brasileira.

Em 21 de agosto de 1989, ele faleceu de problemas causados pela diabetes. Raul havia retomado a carreira, junto ao conterrâneo Marcelo Nova, e os dois chegaram até a se apresentarem no estreante Domingão do Faustão, quando o programa, ainda sofrendo os ranços do Perdidos da Noite, ainda não era considerado o templo da música brega-popularesca do país.

Raul era uma figura controversa e, em vida, era esnobado e discriminado pela mídia. Tanto que deixou, na primeira oportunidade, a provinciana Salvador, sua terra natal, para viver até o fim da vida em São Paulo. Portanto, Raul tornou-se um paulistano naturalizado.

Raul teve a sorte, num Brasil atrasado quanto à modernidade internacional e numa Salvador mais atrasada ainda, de ter tido como amigo de infância um filho de diplomata. Isso fez Raul acertar o relógio com o …

CASOS DE LULA E DILMA ACABAM DANDO AULA PRÁTICA DA CRISE DA ERA JANGO

Por Alexandre Figueiredo

As pessoas mais jovens têm a oportunidade de relembrar fatos históricos do passado, relacionando a crise política de hoje com a crise que seus pais e avós viveram há 52 anos. A crise política do segundo semestre de 1963 até o primeiro de 1964, que culminou no golpe militar que instaurou uma ditadura de 21 anos, encontra eco na crise atual do governo da presidenta Dilma Rousseff.

A crise atinge o ciclo político do Partido dos Trabalhadores, que se ascendeu no poder em 2003, levando ao cenário político personalidades que combatiam o regime militar: o então presidente da República Luís Inácio Lula da Silva, por exemplo, foi um operário do ABC paulista que se ascendeu durante a crise do "milagre brasileiro" da ditadura militar, por volta de 1974.

Junto a ele, se ascendeu também o antigo líder estudantil José Dirceu, que havia sido preso quando, presidente da União Nacional dos Estudantes em 1968, foi surpreendido por uma ação policial em Ibiúna, interio…

Cristiano Machado, o homem que virou termo

O POLÍTICO MINEIRO CRISTIANO MACHADO (1893-1953)

Por Hélio Campos Mello, diretor de redação da revista Brasileiros

Antes do 1º turno das eleições municipais, no próximo domingo (5), um pouco de História sobre pleitos no País:

Cristianização

"Termo utilizado a partir de 1951 para designar a traição de um partido político a seu candidato a cargo eletivo. A origem está ligada ao nome de Cristiano Monteiro Machado, candidato à presidência da República em 1950 pelo Partido Social Democrático (PSD). Embora Cristiano Machado tenha sido indicado como candidato oficial do PSD em 17 de maio de 1950 e confirmado na convenção nacional de 9 de junho do mesmo ano, seu partido na realidade apoiou a candidatura de Getúlio Vargas.

"As razões da atitude do PSD estariam ligadas à dissidência que se abriu dentro do partido em torno da escolha de um candidato à presidência da República."

Trecho do texto de Alzira Alves de Abreu, presente no Dicionário Histórico-Biográfico Brasileiro (DHBB), do …