Pular para o conteúdo principal

Postagens

JORNALISMO PERDE PAULO HENRIQUE AMORIM

Postagens recentes

A PERDA DE JOÃO GILBERTO NUM BRASIL MELANCÓLICO

Por Alexandre Figueiredo

Perdemos, hoje, o músico e cantor João Gilberto, considerado o pioneiro da Bossa Nova e seu artista mais audacioso. O artista baiano era conhecido pelo seu estilo ímpar e, há muitos anos doente e enfrentando briga entre seus filhos devido ao seu espólio, morreu aos 88 anos em sua casa, no Leblon, Zona Sul do Rio de Janeiro.

Nascido em Juazeiro, João havia feito aniversário no último dia 10 de junho, já extremamente fragilizado. Suas origens musicais remetem ao fim da infância, quando o filho de Joviniano Domingos de Oliveira, um próspero comerciante, e Martinha do Prado Pereira de Oliveira começou a tocar na banda escolar, quando viveu em Aracaju, Sergipe. Mas uma curiosidade veio ainda antes, quando João ainda viveu na sua cidade natal, no interior da Bahia.

Foi quando ele tinha sete anos e, ao ouvir uma performance de uma organista em uma igreja, durante um coral, percebeu um erro na execução musical, o que se tornou marca na carreira de João Gilberto, que …

SACRIFICANDO SUA HISTÓRIA, RÁDIO CIDADE RETOMA OBSESSÃO PELO ROCK

A "PRAIA" DA RÁDIO CIDADE ORIGINALMENTE ERA OUTRA, O POP CONVENCIONAL, COM ÊNFASE NA DISCO MUSIC.

Por Alexandre Figueiredo

"Tínhamos uma verdadeira fobia de que uma Rádio Cidade, de repente, despejasse, com seus milhares de quilowatts, rock sobre o Rio. Estaríamos ferrados", escreveu Luiz Antônio Mello no livro A Onda Maldita, dedicado à Rádio Fluminense FM, a "Maldita".

Como Antonio Salieri se aproveitando da morte de Wolfgang Amadeus Mozart - é famosa a lenda de que o primeiro, um maestro e compositor mais "técnico", teria envenenado o outro, considerado mais audacioso, porém, menos privilegiado socialmente - , a Rádio Cidade se aproveitou do fim da Fluminense FM para faturar em cima do segmento rock, mesmo estando este em relativa baixa.

Era 1995. A Fluminense FM, num irônico trocadilho com a frequência 94,9 mhz, saiu do ar assim que se encerrou setembro (mês 09) de 1994. A Jovem Pan entrou no ar e, entre os profissionais que trabalhavam a pr…

OBSESSÃO PELO EMBRANQUECIMENTO MATOU MICHAEL JACKSON

Por Alexandre Figueiredo
Quando Michael Jackson iniciou sua carreira, como o caçula do Jackson Five - banda de soul adolescente formada por ele e seus irmãos (que hoje seguem carreira como The Jacksons, que surgiu como uma evolução do JF nos anos 1970) - , ele surpreendia pela sua desenvoltura como intérprete.
Inspirado em James Brown, Michael tinha um excelente talento vocal e prometia ser um notável artista da música negra estadunidense, e canções como "ABC", "I'll Be There", "I Want You Back" e "The Love You Save" empolgavam o público na virada dos anos 1960 (a partir de 1968) e 1970.
O sucesso era tanto que um divertido seriado de animação de comédia - com direito a som da claque - foi produzido pela Motown em parceria com a Rankin/Bass Productions (antiga Videocraft, conhecida pelo seriado que adaptou O Mágico de Oz nos anos 1960). 
No seriado Jackson Five, produzido entre 1971 e 1972 e exibido no Brasil - eu assisti a ele quando crian…

RUBENS EWALD FILHO MORRE EM SP AOS 74 ANOS

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: O crítico de cinema Rubens Ewald Filho deixa uma lacuna na crítica cinematográfica, pela bagagem e pelas análises que fazia, de maneira acessível, ao grande público. Ele também foi ator e cineasta e certamente isso influiu muito em unir teoria e prática, tendo sido, portanto, um mestre na teoria de cinema no Brasil.

Rubens Ewald Filho morre em SP aos 74 anos

Do Portal G1

O jornalista e crítico de cinema Rubens Ewald Filho morreu nesta quarta-feira (19) em São Paulo aos 74 anos. Considerado um dos maiores especialistas em cinema, Rubens Ewald Filho estava internado estado grave na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Samaritano, em Higienópolis, na região Central de São Paulo.

Ewald Filho foi internado no dia 23 de maio após sofrer um desmaio seguido de uma queda de escada rolante. Ele passou por um tratamento cardiológico e das fraturas decorrentes da queda, mas não resistiu.

O velório será realizado na Praça das Artes, na Avenida São João, na região cen…

CHICO BUARQUE CHEGA HOJE AOS 75 ANOS COM COERÊNCIA NA MÚSICA E NA VIDA

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: Chico Buarque de Hollanda, um dos remanescentes do cenário emepebista da década de 1960, consegue ser atual e tradicional ao mesmo tempo, além de ser uma das personalidades progressistas que, sobreviventes da ditadura militar, possuem experiência de vida que lhe servem de manual para encarar o autoritarismo festivo do governo Jair Bolsonaro, ao qual se encaixaria muito bem a letra de "Apesar de Você".

Chico Buarque foi um dos que tiveram o benefício de visitar, ao lado do também cantor e compositor Martinho da Vila, o ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, preso por motivos políticos travestidos de investigação jurídica. É, portanto, um dos nomes mais fiéis do esquerdismo artístico brasileiro, apoiando os políticos progressistas nos seus momentos mais difíceis.

Chico Buarque chega hoje aos 75 anos com coerência na música e na vida

Por Mauro Ferreira - Portal G1

Chico Buarque foi unanimidade jovem, já nos anos 1960, década em que – impulsionado pela p…

O ADEUS AO DIRETOR DE CINEMA ITALIANO FRANCO ZEFFIRELLI

COMENTÁRIO DESTE BLOGUE: A fase clássica do cinema europeu em geral, e do cinema italiano em particular, perdeu mais um cineasta, Franco Zefirelli, o que faz com que, aos poucos, desaparecesse a grandeza dessa fase do cinema do século XX, o que complica as coisas diante da supremacia do cinema comercial que invade até mesmo o dito "cinema alternativo" (cono é o cínico lema do TeleCine Cult, que ao menos deveria se chamar TeleCineOldies).

Fica a lição no que se refere à arte e à técnica cinematográfica que os cursos de cinema devem ensinar a novos aspirantes cinematográficos que, se não vão reconstituir aqueles tempos, pelo menos herdarão a competência e o talento dos grandes mestres.

O adeus ao diretor de cinema italiano Franco Zeffirelli

Por Gregorio Belinchón - El País

Com a morte de Franco Zeffirelli, cujo nome real era Gianfranco Corsi, no sábado aos 96 anos em sua casa em Roma, desaparece uma concepção de cinema muito próxima à operística. Atualmente, muitos diretores tam…